Pular para o conteúdo principal

O significador principal - como escolhe-lo?

Quando se deseja analisar um assunto - casamento, pais, filhos, ou seja mais lá o que for - é necessário relacioná-lo a um planeta do mapa. Esse astro será chamado de significador do assunto. Em Astrologia Medieval, existem duas maneiras mais comuns de se escolher um significador.
  • Por regência
  • Por poder
Os textos medievais tendem a confundir o estudante acerca de qual das duas maneiras é a mais adequada. Em algumas passagens, as instruções são claras, como no estudo do Hyleg e do Alcocoden; no estudo da Casa 2, Bonatti desenvolve um método que inclui o estudo da Parte da Fortuna levando em conta tanto a Regência quanto o poder do ponto. Segundo ele, devemos saber quais planetas regem o grau da Parte da Fortuna (o que constitui numa relação de Regência - o item 1 da lista) e se estes planetas estão em bom estado no mapa (o que se encaixa no segundo item - Poder). SE o planeta fosse aflito, ele era rejeitado. Poderia ocorrer casos nos quais dois regentes da Fortuna estivessem em bom estado mas um deles aflito, o que nos compeliria a escolher o planeta sem aflições.

A despeito do estudo do Hyleg e da Casa 2, há tópicos dos livros cujas instruções são confusas. Muitos capítulos dos livros de natividades deixam o estudante em dúvida sobre qual dos métodos acima é o mais adequado, ou se é necessário um "mix" dos dois, como no estudo da Casa 2. Por exemplo, estudando as doenças que podem acometer o nativo, é necessário analisar os seguintes pontos:
  • Lua;
  • Regente da Lua;
  • Mercúrio;
  • Regente da Casa 6;
  • Cúspide da Casa 6;
  • Planetas na Casa 6;
  • Parte da doença;
  • Regente da Parte da Doença.
A dúvida que Bonatti e outros autores nos impõem é como escolher, diante de todos esses pontos, o significador de doença. Alguns interpretam que devemos escolher o planeta que tenha maior número de dignidades em todos os pontos acima (Método de Regência). Outros sugerem que devemos analisar todos os pontos da lista e ver qual deles é o mais poderoso (Método de Poder): o planeta com maior força será aquele que preferencialmente estiver nos angulos e em dignidade essencial.



Se fossemos escolher no mapa acima qual planeta é o significador de doença, devemos proceder método a método a fim de esclarecer as diferenças. Em primeiro lugar, pelo método de Regencia, o planeta que mais dignidades tem em todos os pontos que possuam relação com doença é Venus.

De acordo, porém, com o método baseado no Poder de um planeta, aquele que possui mais significação de doença é a Lua. Analisando todos os integrantes da lista nos dará certeza disso: mercúrio está em mal estado; Vênus, regente da Lua, está sucedente e por isso menos poderosa que a Lua, a Parte da doença está em Áries, cadente e seu regente está em mal estado e igualmente cadente. Finalmente, o regente da Casa 6 é o já citado mercúrio, o planeta que está na Casa VI é marte (já excluído). De todos os pontos citados, a Lua possui maior força, por estar mais próxima de um angulo e no signo da sua exaltação, o que a qualificaria como significadora de doença.

A importância de um significador reside principalmente nas técnicas preditivas. Sendo (teoricamente) significadora de doenças, a Lua indicaria em técnicas preditivas momentos no qual o nativo sofreria alguma enfermidade. Na Firdaria Mercúrio-Lua meus problemas de ansiedade se tornaram mais graves, implicando em psicoterapia. Dentre todos os significadores de doença, contudo, o mais importante e que causou mais dano foi marte, na Firdaria Mercúrio-Marte, quando me acidentei. Isto porque Marte possuiu grande poder na Revolução Solar de 2007, enquanto é aflito por Saturno. Pelo fato de Marte estar na minha Casa 06 natal, sua presença na 10 o deu grande poder. Soma-se a isso que eu sempre tive doenças tipicamente marcianas, marcadas por febres fortes e que duram pouco tempo.

A importância de marte para doenças só indica que a posição de um planeta é mais importante que sua regência, isto é, se a Casa estiver ocupada. Talvez Marte na Casa VI tenha escolha preferencial sobre os outros planetas, pelo simples fato de Marte estar na Casa do seu Gozo (em inglês, joy).

O Almuten indica algum problema, da natureza fleumática da Lua, o que gerou problemas de natureza psicológica, mas o pior significador de doença foi sem dúvida marte. Ele seria "menos pior", não fosse o enorme poder que adquiriu na Revolução Solar. Infelizmente é impossível analisar somente o mapa natal para se concluir com precisão...

Independente as técnicas preditivas, a Lua teria grande importância se estivesse em mal estado, porém poderosa (nos angulos) e ao mesmo tempo associada ao Ascendente e/ou ao seu regente, o que representaria que o nativo teria muitas enfermidades nessa vida. Como isso não acontece, a minha fratura até hoje foi a única coisa realmente preocupante que sofri.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …