Pular para o conteúdo principal

Sonhos de consumo

Torneirinha de sorvete na cozinha, teletransportator e a capacidade de datar todos os principais fatos da vida do nativo somente com uma folha de papel - o mapa natal. Estes são os meus sonhos de consumo. Como o blog é sobre Astrologia, vamos nos concentrar apenas no último...

Por diversas vezes, eu descobri eventos analisando somente o mapa natal e as técnicas que dependem exclusivamente dele. A possibilidade de prever somente com ma folha de papel muito me agrada: versatilidade. Imagine ter em mãos um mapa e responder quase tudo que o cliente perguntar? Eu me aproximei da Astrologia Medieval justamente por isso. Quando eu era um Astrólogo moderno, buscava técnicas e mais técnicas exóticas de progressões e direções. Todas dependiam de computador. Eram listas interminaveis, e sabe-se Deus lá como se deveriam interpretar os aspectos. Ninguém ensinava, era questão de intuição. Já na Astrologia Medieval, porém, só preciso do mapa natal e da Revolução Solar. O computador ainda é importante, mas somente para imprimir essas duas folhas.

Existem muitas técnicas medievais de previsão, mas as principais dependem exclusivamente do mapa natal e são muito práticas, pois dependem somente de duas coisas: uma lista dada pelo software e os cálculos mentais que você pode realizar onde quer que esteja. A tal lista seria a Firdaria (períodos planetários), enquanto os cálculos mentais são para as Profecções. Não é necessário um mapa especial para as duas técnicas - basta a natividade. Você pode até usar a Revolução Solar para acrescentar informações, mas como o artigo fala de praticidade vamos omitir isso por enquanto.

As profecções e a Firdaria se mostram muito eficazes, mas como nada é perfeito elas deixam a desejar com alguns fatos bem marcantes. A pergunta mais importante no momento é: será que esses erros podem ser reduzidos com um bom entendimento do mapa natal? Será que estamos combinando as profeccções com a Firdaria de um modo errôneo ou incompleto?

Por exemplo, durante dois anos eu estudei minha Firdaria de mercúrio e não entendia como ela poderia representar universidade, já que mercúrio não rege a casa 9. Apesar de ser o significador essencial de estudos, eu acreditava que faltava alguma coisa. Se fosse o mapa de uma outra pessoa, eu mesmo teria dificuldades em prever que ela entraria numa universidade no momento em que mercúrio regesse os tempos, mas foi o que aconteceu comigo.



Como eu analiso a Firdaria ainda hoje? Existem dois planetas: o regente principal e o subregente. Eu entendo que o subregente realiza os assuntos do regente principal. Às vezes isso é certeiro. No momento em que quebrei a perna, vivia a Firdaria Mercúrio-Marte. Isso significa que marte - o subregente - realiza os assuntos que mercúrio rege - o principal regente. Veja abaixo como a Firdaria sozinha explica o que aconteceu comigo esse ano.

Pra saber como a Firdaria funciona, começamos lendo o mapa natal. Mercúrio natal rege as casas 3 e 6. Ele se encontra na casa 12. Pode, com isso, significar irmãos, estudos, problemas, hospitais, trabalho e servos. De fato, mercúrio tem se mostrado por experíência um excelente significador desses assuntos. Na Firdaria, Marte entra em cena para especificar como mercúrio se manifestará por um ano e alguns meses, a duração da combinação regente-subregente acima. O estado celeste e terrestre de Marte não é nada bom - em detrimento, cadente, na casa 6, aspectado por Saturno, e o pior: regente das casas 1, 8 e Almuten da 10. Se Marte realizar alguma coisa por Mercúrio, será prejudicial aos assuntos deste. As ações marciais materializam os conteúdos mercuriais.

Antes que o leitor pense que eu só concluí essas coisas depois de me acidentar, saiba que já esperava resultados ruins para o péríodo mercúrio-marte, só não sabia quais seriam. Isto porque os dois planetas estão em mal estado e eu já tenho uma certa experiência pra concluir que coisa boa não viria dessa combinação explosiva...

Concluir coisas depois do fato é mole; difícil mesmo é saber com mais precisão antes de acontecer, mas se não nos aproveitarmos das experiências do passado, nunca aprenderemos coisas novas. Esse tipo de aprendizado, que valoriza a experiência de vida, está muito mais próximo de nós, é Astrologia no rasgar da carne, como diria João Acuio. Impossível não aprender.

Sendo significador de vida (casa 1) e morte (casa 8), além de doença (por estar na casa 6), os significados de marte tendem a materializar os de Mercúrio de um modo nocivo ao indivíduo - contribui para isso o péssimo estado celeste marcial. Com Mercúrio a representar coisas ruins - casas 6 (por regência) e 12 (por posição) - o resultado não poderia ser pior: coisas ruins (mercúrio) que se manifestam de um modo péssimo (marte)!

Quebrei a perna e me submeti a uma cirurgia. Pela Firdaria, isso seria decodificado da seguinte forma:

Mercúrio - doença (regência sobre a casa 6), hospitais (posicionado na casa 12) => Marte - prejuízo a vida (casa1, 6 e 8) acidentes, cortes, cirurgias (significados essenciais de marte)

Esse exemplo chega a ser absurdamente didático, mas você pode vir a se deparar com casos assim. Antes de ir pelo mais complicado, comece com simplicidade e você pode descobrir muitas coisas.

Vemos aqui um caso no qual os planetas estão representam fielmente o que aconteceu no período, mas nem sempre é assim. Daqui em diante, vamos a segunda parte desse artigo - quando a Firdaria não representa porcaria nenhuma, se analisarmos somente o mapa natal estaticamente.








Comentários

  1. Oi meu querido, tudo bem?

    Olha só, essa expressão, 'rasgar da carne' não é minha não. É da Kátia Lins. É muito dramática para o meu gosto e não sei muito bem o que significa.

    Um abraço
    e continue com o bom trabalho.


    João Acuio
    www.acuio.com

    ResponderExcluir
  2. caramba, sorry, rs. Corrigirei o artigo. Acho que escrevi isso porque vi um texto seu com um título assim.

    Bom, confesso não saber o que Kátia Lins quis dizer com a expressão "rasgar da carne", mas pra mim significa sentir na pele os símbolos astrológicos.

    ResponderExcluir
  3. Um artigo meu com este título? Impossível. Sou muito 'frio e seco' para tal expressão.

    :-)

    Abraço,
    João

    ResponderExcluir
  4. Fico imaginando se aspectos as planetas sinalizados pela firdaria, ajudariam na interpretação, a cuspide da 7 uniria o significado de marte e saturno(ossos).
    Tendo os dois ainda o mesmo dispositor vênus que estando em aquário a canela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …