Pular para o conteúdo principal

Sonhos de Consumo - Parte 2

No último post eu falei do que seria o meu "sonho de consumo" dentro da Astrologia. Para quem não entendeu direito, muito me alegraria a capacidade de prever os principais eventos da vida do nativo com apenas uma folha de papel - o mapa natal. Por que isso seria um sonho de consumo? porque pouparia horas e horas de intermináveis pesquisas dependentes dos programas de Astrologia. Economia e versatilidade.

Com alguns anos de Astrologia, eu concluo temporariamente que essa capacidade não nos é possível, sendo apenas uma meta a ser perseguida, porém nunca inteiramente alcançada. Seria como a linha do horizonte para o caminhante. Dito isto, precisamos perseguir esse alvo e dependermos cada vez menos de técnicas paralelas a natividade: muitas coisas podem ser vistas apenas pelo estudo do que caberia numa única folha de papel: o mapa natal, as profecções e as direções por termos. Trata-se de tres tabelinhas que o Solar Fire (software de Astrologia) calcula rapidamente para nós, e que cabem numa folha A4.

Para demonstrar aquilo que o mapa nos revela,vamos analisar a Firdaria Mercúrio-Júpiter, que ocorreu entre 2005 e 2006 na minha vida. Pela disposição dos planetas, teremos uma noção de como esta Firdaria (período planetário) se manifestou.

  • Mercúrio rege as casas 3 e 6, significando irmãos, estudos, comunicação, pequenas viagens, trabalho e doença. Mercúrio é significador essencial de estudos e intelecto. Mercúrio se encontra posicionado na casa 12 em detrimento (Peixes), possuindo significação com inimigos secretos e hospitais.
  • Júpiter rege as casas 9 e 12, significando com isso grandes viagens, estudos universitários, religião, astrologia, impedimentos e inimigos secretos. Júpiter também é o significador essencial de substancia (dinheiro e bens). O grande benéfico se encontra na casa 7 e no oitavo signo a partir do Ascendente.
Quando digo que vivi a Firdaria Mercúrio-Júpiter, significa que vivia o período de Mercúrio e o subperíodo de Júpiter. Segundo a interpretação de Steven Birchfield sobre a obra de Abu Ma'shar, essa hierarquização (período-subperíodo) representa que os significados do regente do período - Mercúrio no meu caso - são materializados pelo regente do sub período - Júpiter, conforme a disposição de ambos no mapa natal.


Se mercúrio representa estudo, trabalho, e impedimentos, Júpiter representa bens, estudos, Astrologia, relacionamentos e impedimentos. Vamos segmentar as frases para tornarmos o esquema mais didático:

  • O meu trabalho (Mercúrio - casa 6) começou a ser remunerado (Júpiter como significador essencial de substancia).
  • Meus estudos e comunicação (mercúrio - casa 3) trouxeram novos relacionamentos e conhecimentos de Astrologia (Júpiter significando as casas 9 e 7, materializando ou sendo gerado por mercúrio)

Como mercúrio está em mal estado, é notório que as manifestações de Júpiter surjam com problemas. Na minha prática, basta que um dos planetas da firdaria estejam em mal estado para que o período traga algum problema. Se os dois planetas estiverem em mal estado, então algum evento muito ruim pode acontecer.

Pegue agora seu mapa e veja se consegue aplicar os princípios acima. Trata-se de um exercício fascinante para percebermos as representações planetárias nas nossas vidas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …