Pular para o conteúdo principal

Força = bondade?

Se você ler esta nota, perceberá que estou operando o blog em low-profile. Mesmo assim, não deixo de escrever alguns pensamentos astrológicos, como o texto abaixo.

Uma pessoa forte pode ser muito má, se aproveitar do seu potencial e destruir tudo. A mesma coisa ocorre com os planetas.

O que você faz para perceber se um planeta está forte no mapa? Eu vou direto para as casas angulares (1, 4, 7 e 10). Se tiver algum planeta nelas, eu sei que ele é forte.

Quer dizer que a personalidade (casa 1) , carreira (casa 10), parcerias (casa 7) e família (casa 4) são as coisas mais fortes da vida de uma pessoa? Não. Pensando assim você confunde um pouco como se deve ler o mapa...

O mapa astrológico tem uma dupla função. Através das posições dos planetas, sabemos:
  • Se eles estão fortes ou fracos;
  • A quais assuntos eles se relacionam.
Um planeta na casa 4 tem relação com a família? claro que sim, mas ao mesmo tempo ele está forte por se encontrar numa casa angular. Isso significa que as casas e partes árabes que ele rege ganham imenso poder.

Se o hipotético planeta na casa 4 rege a casa 12, significa que ele também possui relação com inimigos secretos, segredos e grandes animais, os temas do décimo segundo espaço. A pergunta que não quer calar é: afinal de contas, o planeta do exemplo tem a ver com a casa 4 ou com a casa 12? Ambas. Por estar na casa 4, o planeta tem a ver com família, mas ao mesmo tempo ele rege a casa 12 e possui relação com inimigos secretos. Eventualmente, isso pode significar que o nativo encontra coisas de casa 12 dentro da casa 4, mas isso nem sempre é verdadeiro.

O que gostaria de reforçar nesse artigo é que planetas angulares levam força para os assuntos que eles regem. Uma pessoa com o regente da casa 12 angular possui inimigos secretos poderosos, e precisa se precaver, principalmente se o planeta for maléfico. Aqui retomamos o início do artigo, onde falei que uma pessoa forte pode ser muito má.

Como diria Robert Zoller, maléficos angulares são problemas, mas eu gostaria de especificar mais ainda essa verdade: maléficos angulares regendo casas e partes árabes maléficas são muito, muito problemáticos.

A angularidade de um planeta não pode ser confundica com sua dignidade por signo. As dignidades essenciais são um critério de descrição da qualidade da ação de um planeta.

As pessoas confundem qualidade com poder, e nada como um exemplo simples para se desfazer dessa confusão. Imagine um político muito poderoso, mas que só promove obras e projetos sociais ridículos, com desvio de verbas e pouco benefício para as pessoas. Trata-se de uma pessoa com poder para fazer o que quiser, e ao mesmo tempo ele só faz coisas de baixa qualidade e aceitação popular, coisas que as dignidades essenciais refletem.

Planetas nos seus domicílios indicam coisas de qualidade e estabilidade.
Planetas nas suas exaltações indicam coisas que subitamente acontecem, de grande poder. É muito associado a reis e políticos eleitos, pois eles são exaltados frente aos outros.
Planetas em queda ou em detrimento indicam o contrário de tudo que foi dito acima, embora eles ainda sejam capazes de fazer alguma coisa, aos "trancos e barrancos".

Claro que você tem que adaptar as dignidades aos assuntos que rege. O que seria um regente da casa 12 exaltado? A casa 12 nunca deixa de ser seus inimigos ou segredos. Ter um regente de casa maléfica com boas dignidades fortalece as coisas que ela rege.

Nunca devemos confundir força com bondade. Na "vida real", essas coisas são claramente distintas, mas parece que na Astrologia essas duas qualidades se misturam erroneamente. Não sei porquê...

Comentários

  1. Rodolfo,
    "Planetas nos seus domicílios indicam coisas de qualidade e estabilidade.
    Planetas nas suas exaltações indicam coisas que subitamente acontecem, de grande poder. É muito associado a reis e políticos eleitos, pois eles são exaltados frente aos outros.
    Planetas em queda ou em detrimento indicam o contrário de tudo que foi dito acima, embora eles ainda sejam capazes de fazer alguma coisa, aos "trancos e barrancos"."

    vc falou sobre domicilio, exaltação, queda e detrimento: e quando o planeta está peregrino?

    ResponderExcluir
  2. geralmente indica circunstâncias que mudam com frequência maior. Se o regente de uma casa está peregrino, você tem que relativizar. Um regente pergrino, bem aspectado e angular prevalece sobre um regente no seu domicílio e cadente, mal aspectado, etc.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…