Pular para o conteúdo principal

"usar" o céu?

É comum ouvir nas comunidades de Astrologia a frase "o modo como você usa tal e tal planeta". Isso é derivado de uma determinada escola de Astrologia moderna e não deve ser encarado como algum tipo de pensamento vigente. Em comunidades onde predominam astrólogos modernos, esse é quase o pensamento predominante. Você tem o direito de acreditar em algo que seja diferente, e continuar praticando Astrologia.


Também é comum sugerirem que qualquer coisa além disso é inútil. É claro que não dizem nestes termos, mas quando se critica o que é diferente está implícito na linguagem algumas náuseas com os pensamentos diferentes dos seus... Isso não importa agora. Temos de coexistir.


Talvez você queira saber agora o que penso. Não vejo os planetas como massa de modelar, que você pode ajustar conforme sua cultura e mudança de comportamento ou ambiente. Pela sua posição natal, os planetas indicam experiências, eventos, condições às quais me submeto. Eu posso mudá-las com trabalho consciente, mas isso é mais incomum do que se pensa. Todos nós vamos para onde flui a correnteza, ou seja, como os planetas estão no mapa natal, o que é mais fácil.


Ainda que eu tenha passado o meu ponto de vista sobre essa questão que atormenta os astrólogos do ocidente, ainda estou insatisfeito, como se não tivesse dito tudo. O que falta? Eu sinto que não podemos comparar a Astrologia Moderna com a Tradicional, porque ambas buscam coisas diferentes sob o mesmo céu. Não posso argumentar contra um moderno devido aos seus paradigmas filosóficos se não busco a mesma coisa que ele. O que busco com a Astrologia Medieval? Mais uma vez, o exemplo com o planeta Vênus pode nos ajudar.


Na Astrologia Moderna, você é ensinado que Vênus representa o modo pelo qual você se relaciona num romance, o modo pelo qual você se veste e discrimina esteticamente. Na Astrologia Medieval, quando me perguntam o que vênus representa, eu diria "sexo, mulheres, maternidade, útero e anexos, música, festas, luxúria", mas a lista seria incompleta. Falta um último item, uma representação de Vênus muitíssimo específica: ela dependerá do mapa natal da pessoa. Essa última determinação de Vênus é apenas um filtro que especifica as "energias venusianas" na vida do sujeito.


Mesmo diferenciando as duas astrologias um pouco mais, falta alguma coisa no meu discurso. A principal coisa que não foi dita é que na Astrologia Medieval, os planetas tem uma época para aparecer. Na Astrologia moderna, eles aparecem a todo o tempo. Quando você vai a um shopping comprar roupas na vitrine, ela está lá, ajudando-o a selecionar com seu senso estético peculiar a sua posição zodiacal. Essa é a prova cabal - para um moderno - que os planetas estão sempre conosco. Como argumentar contra isso?! Vejamos no próximo capítulo como pensa um Astrólogo Medieval.


Em primeiro lugar, o Astrólogo delineia Vênus conforme sua posição natal, regência e, por último e menos importante, aspectos. Depois disso, ele procura perceber quando Vênus terá a "Regência dos tempos". Quem nos informa isso são as técnicas preditivas, como as profecções e períodos planetários. Quando Vênus ficar ativada em nossas vidas, algum evento que ela representa no mapa natal vai acontecer - e pode crer, ele será mais notável do que escolher uma bolsa na vitrine.


Se vênus estiver na casa 12, por exemplo, regendo a casa 5, pode indicar que se iniciará um período de amores (Vênus regendo a casa 5) secretos (Casa 12). Se vênus estiver na casa 10, mulheres poderão ajudar o nativo a subir profissionalmente. As combinações são quase infinitas.


Talvez qlguém queira saber o que explica o dia em que você quis ir ao shopping e quase estourar o cartão de crédito. Quando um evento pequeno acontece, de fato o planeta mais ligado a ele estava ativado, provavelmente como regente do dia ou da hora. Há maneiras de saber isso, mas por enquanto estou mais preocupado em dominar a interpretação dos grandes períodos.


Astrologia Medieval pode ser usada em associação a Astrologia Psicológica, todavia, é pelo conhecimento da primeira que ganhamos humildade em perceber que o controle do céu é uma ilusão. Você pode até "usar" sua Vênus de um modo diferente na hora de pintar a casa, mas não pense que pode controlar os eventos que ela representa e aos quais você se submeterá. Vivemos numa sociedade que nos vende constantemente a idéia de que podemos controlar tudo, até nos desesperarmos com as coisas que fogem ao nosso controle.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …