Pular para o conteúdo principal

maneira simples de calcular as Partes



Geralmente, o lote cai fora em certo zoidon pela consideração do grau em outro zoidon. Isso resulta do graus dos luminares e do Ascendente quando estão no início ou no fim dos zoidia.


A frase acima está no segundo livro da Antologia de Vettius Valens de Antioquia. É preciso explicá-la fora do contexto: Valens queria dizer que há outra maneira de se calcular as Partes (chamadas aqui de "Lotes"), mais precisa. Aparentemente ele só pode estar se referindo ao cálculo aritmético da Parte, pois ele cita "graus". Isso nos dá uma grande margem para concluir que há outra maneira mais simples, e de fato ela tem muita relação com o sistema de signos inteiros empregado por Valens e seus contemporâneos. Também significa que a maneira "aritmética" é a mais empregada hoje em dia. Mas será que há diferenças entre as duas? Se você quer calcular uma Parte e os planetas empregados no cálculo estão no fim de um signo, então haverá diferenças entre os dois modos de se calcular, mas vamos aqui ensinar o método mais antigo, que é muito mais prático.


Tomemos um exemplo: você quer saber como é a parte da Fortuna num mapa diurno. A fórmula, nesse caso, é a distância do sol até a lua, somada ao ascendente. A maneira que todos ensinam é a dita "aritmética", pois você tem que fazer subtração e soma para chegar ao resultado. Antes disso, porém havia uma maneira mais imprecisa: contava-se os signos entre o sol e a lua e a seguir contava-se novamente o mesmo número a partir do ascendente. A unidade de medida aqui não eram os graus, mas sim os signos.


Imaginado isso, vamos para um exemplo. No meu mapa, o Sol está em Áries e a Lua em Touro. Eu conto, a partir do Sol, quantos signos há até a lua. São dois no total: Áries e Touro. Pega-se esta mesma quantidade e conta-se a partir do ascendente que, por coincidência, está em Áries como o Sol. A minha Parte da Fortuna, portanto, está em Touro.


Se você usar a maneira "aritmética" para encontrar a minha Fortuna, chegará ao mesmo resultado. Isto porque o Sol e a Lua estão em graus muito precoces nos seus respectivos signos e o Ascendente está praticamente na metade do signo. O que mais desperta curiosidade, contudo, é iomaginar situações nas quais os dois cálculos chegam a resultados diferentes. Qual método gera na prática maior precisão nas interpretações?

Comentários

  1. Olá!!!

    Super elucidativo seu blog, vou virar freguesa \o/

    Bjus

    ResponderExcluir
  2. A minha dá diferente nesse exemplo que você deu. Na conta dá Libra e se eu fizer assim, é Escorpião. Deve ser porque meu ascendente é quase em Leão, a 0°29 de Virgem.

    ResponderExcluir
  3. O negócio é ver se essa nova parte - calculada pelo modo mais simples - funciona.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …