Pular para o conteúdo principal

Como lidar com Lotes?

Para [encontrar] o Lote concernente a trapaça, de dia [pegue a distância] do Sol a Marte e [some] uma quantidade igual a partir do Ascendente; à noite, o contrário. E se o Regente do Lote da Fortuna ou da Aquisição [o décimo primeiro signo a partir da Fortuna] ou do [Lote do] Espírito estiverem no [mesmo signo do] Lote concernente a trapaça ou Roubo, eles terão sua renda de violência ou crimes. E se os Regentes de ambos caem juntos [no mesmo signo], eles causam mesma coisa.

(Vettius Valens, Antologia, Livro II)


Acima vemos uma maneira de lidar com Partes (ou Lotes) mais raros, como o "Lote da Trapaça" (em inglês, Lot of Treachery). Perceba que eles não eram vistos em relação ao mapa natal, mas Valens procurava saber a relação desse lotes com o Lotes da Fortuna e do Espírito e seus Regentes. Talvez haja uma maneira de analisar Lotes em relação ao mapa natal, mas esta não é citada por Valens. Qualquer Lote além da Fortuna e do Espírito eram analisados segundo a posição destes dois primeiros.


Lidar com Lotes é difícil mesmo. Há pouca literatura sobre isso. Se seguirmos apenas Bonatti, teremos uma visão parca de como usar essa técnica. Existe um Tratado do Liber Astronomiae dedicado apenas às Partes, lançado por Robert Zoller e presente na nova tradução de Benjamin Dykes, mas eu posso lhe adiantar que Bonatti não analisa as partes como Valens o faz. Para Bonatti, se a Parte e seu Regente estiverem em mal estado cósmico, então o assunto representado por elas não prospera, mas Zoller adianta que é preciso em primeiro lugar ver no mapa natal como o assunto está. Exemplo: se quero saber como meus irmãos são, para Zoller é necessário ver a casa 3 e seus Regentes. A "Parte dos Irmãos" só é útil para confirmar coisas que você viu na primeira análise. Se a Parte é muito contraditória à interpretação da Casa, ela pode dizer absurdos inexistentes na vida da pessoa.


Alguns autores discordam de Zoller, como James Holden, que insiste em dizer nos comentários da tradução de Abu Ali Al Khayyatt que "posicionamentos contrários não se anulam, mas mostram apenas coisas contraditórias na vida da pessoa". Eu concordo com Holden. Uma pessoa pode ter sinais de um bom casamento no mapa natal, mas se a Parte do Casamento está aflita, algum problema importante pode ser diagnosticado. Por exemplo, a Parte do Casamento na casa 5 (filhos) com seu Regente aflito na 12 pode representar que o Casamento, a despeito de todas as benesses que traz a pessoa, será com uma mulher estéril, ou cujos filhos passarão por graves problemas, como internações no início da vida, com a morte prematura de alguns. Talvez você esteja pensando que filhos seja assunto da Parte dos Filhos, mas o fato de uma mulher ser estéril faz um homem pensar se continua um casamento ou não. Já vi este problema com um conhecido de meus pais. O sujeito se divorciou.


Voltando a Valens, tenho diante de mim um autor que através da Parte da Fortuna e do Espírito nos revela um segundo e inesperado mapa na figura que analisávamos. Muitas partes podem ser vistas sob a perspectiva da Fortuna e do Espírito e seus Regentes. Com as sucessivas leituras do mesmo trecho, memorizei coisas importantes que você deve atentar quando analisa uma figura natal.


Veja há algum lote no signo que se opõe a Parte da Fortuna ou do Espírito. Se for um Lote ruim, ele pode prejudicar os ganhos (Fortuna) e as ações e reputação (Espírito) do nativo. Parece simples demais, mas não é: A oposição é o pior aspecto. Isso combinado a um Lote de significado ruim faz com que Valens lide com o Lote como se fosse um planeta maléfico! Na Astrologia Tradicional, Oposições e Quadraturas aos maléficos são graves aflições, o que não é diferente com Lotes maléficos e seus Regentes.


Talvez se você considerar os Lotes na perspectiva da Parte da Fortuna, as coisas ficarão muito mais claras pra você. Um Lote que esteja cadente ou inconjunto em relação a Fortuna não representa grande coisa na vida da pessoa. Se o lote ou o seu Regente estiverem angulares em relação à Fortuna ou ao Ascendente, seus assuntos ganham muita importância. O planeta que rege o Lote traz consigo um significado além da sua essência conhecida. Um mercúrio que tenha regência sobre o Lote da Trapaça há de representar não somente comunicação e intelecto: ele representa o Lote, então significa também trapaça, desonestidade e corrupção! Como Valens disse, dois regentes em conjunção ou em aspecto unem os assuntos que eles representam. Se o Regente dos lucros (Fortuna) faz aspecto ao Regente da Trapaça, então é lógico que o nativo possa fazer lucros de Trapaças.


Como seria o mapa de Renan Calheiros, hein?!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…