Pular para o conteúdo principal

Mashallah responde: astrologia horária medieval.



O post de hoje pretende ensinar como um astrólogo medieval Mashallah analisava uma figura horária, que consiste no mapa feito para o momento em que se realiza alguma pergunta, evidentemente respondendo-a...


Mashallah (ou Messahallah) foi um astrólogo que participou na construção de Bagdá, sendo ele patrocinado pelo califa Al-Mansur. Bagdá era um grande centro cultural, para onde convergiam astrólogos gregos, árabes e védicos. Essa maravilhosa troca de conhecimento foi a grande responsável pelo surgimento de uma das astrologias mais sofisticadas que já existiu, a astrologia medieval. Com todo esse background, é fácil perceber a importância desse autor.


Voltando à pergunta: passei por uma grande preocupação sobre o meu futuro e queria saber se passaria ou não na residência médica. Explicarei o método proposto pelo autor árabe, com a ajuda de Deus.


Se a pessoa que faz a pergunta é o motivo da interrogação, existem dois significadores para quem pergunta, ou para quem deseja alcançar algo: o regente do Ascendente ou a Lua. Se a pessoa faz a pergunta sobre seu irmão, analisa-se o regente da casa 3, e não da 1. Proceda da mesma forma com qualquer outra casa.


Como eu fiz a pergunta sobre a minha própria vida, percebo que o regente do ascendente é Júpiter, um planeta superior, que aspecta o ascendente. A Lua está igualmente angular e aspecta o ascendente. É importante que haja esse tipo de aspecto, caso contrário se rejeita o significador. A lua, ou o regente do nativo em questão nas casas 6, 12 e 8 devem ser rejeitados, salvo se aspectam um planeta que aspecta o ascendente. Como os dois o fazem diretamente, isso não importa agora.


Ainda que essa regra seja desprezada, há ainda a dúvida sobre qual significador devemos escolher. Mashallah nos recomenda usar o significador mais forte e que receberá ou aspectará alguém ainda no signo onde se encontra. Caso isso não ocorra, escolhemos o planeta que está em graus mais tardios no signo onde está e observamos qual será o primeiro aspecto que esse planeta fará no signo seguinte.


No exemplo acima, a lua está mais adiantada que Júpiter (ela a 14 graus, ele a 10), porém ela não aspectará mais ninguém no signo onde se encontra. O grande benéfico, ao contrário, receberá em breve uma oposição de marte.


Vamos analisar esse aspecto. A oposição é temida por representar discórdia e inimizade. Soma-se a isso que marte está no signo do detrimento do planeta ao qual se aplica, Júpiter. Quando isso ocorre, o planeta que recebe (ou envia, não importa) o aspecto contribui para destruir as coisas que marte - o planeta que se encontra no detrimento do outro - representa. A situação é demasiadamente ambígua: por um lado, Marte representa os estudos universitários desejados, a casa 9; por outro, Júpiter pode destruir marte por estar no local de sua ira. Felizmente, há um fenômeno que pode debelar todos os efeitos nocivos dessa configuração. Chama-se recepção, que será explicada a seguir.


Quando um planeta mais rápido está no domicílio ou exaltação de um planeta mais lento e aquele se aplica a este, então o rápido compromete sua disposição e assuntos ao planeta mais lento, que pode executá-los ou não, a depender do seu estado cósmico. O mesmo efeito pode ser dado quando o planeta mais rápido está dentro de um signo que contém duas dignidades menores do planeta ao qual se aplica, coisa que acontece nesta figura. As dignidades menores de um signo são: triplicidade, termo e face.


De fato, Marte está no detrimento de Júpiter, porém ao consultarmos a tabela de dignidades, ele está ao mesmo tempo na triplicidade e na face do grande benéfico, constituindo uma recepção! Assim Marte pode então comprometer sua disposição e assuntos a Júpiter. Como o grande benéfico está angular e em seu domicílio, em movimento direto, pode cumprir aquilo que marte representa, os estudos superiores na residência médica!


O tempo em que isso acontecerá: Júpiter ainda pode ser considerado conjunto ao ângulo do meio do céu, portanto angular. Até se encontrarem, o aspecto entre marte e ele possui seis graus de diferença, o que representa seis unidades de tempo. Essas seis unidades podem ser seis meses, semanas, anos... Tudo depende de três variáveis:


  • Velocidade dos planetas: um planeta lento como Saturno e Júpiter podem demorar a concretizarem seus efeitos.
  • Signos onde estão os planetas: se os significadores estão em signos de planetas lentos, então as coisas podem demorar mais que o normal. Ideal mesmo para agilizar são os signos regidos pelos planetas mais rápidos, como a lua (que rege Câncer) e mercúrio (que rege gêmeos e Virgem).
  • Posição nas casas: Angulares adiantam ou perpetuam os assuntos que representam; cadentes atrasam ou acabam coisas já iniciadas; sucedentes se situam no meio termo entre esses dois extremos.

Marte é planeta de velocidade média. Fica cerca de dois meses em cada signo, está cadente na figura e em signo de planeta rápido. Júpiter fica um ano em cada signo e está no seu próprio domicílio, um signo de planeta lento, porém angular. Todos esses testemunhos tornam óbvia a idéia de seis unidades de tempo corresponderiam no mínimo a seis meses. Com base no meu bom senso, uma vez que o aspecto acima nos garante o desejado, associado ao fato de que farei provas nesse final de ano, me faz concluir que passarei para residência médica em seis meses. Como estamos em agosto, posso tomar consciência dos resultados em janeiro ou fevereiro, data muito comum para alguns resultados.


Espero que façam muitas horárias com base no que foi ensinado. Com o tempo, isto se torna extremamente simples. A dificuldade inicial diz respeito ao fato de ser um assunto novo, que requer diversas instâncias básicas de conhecimento astrológico. Para quaisquer dúvidas, basta me contactar. Espero que não façam mapas para si mesmos, não é recomendável pelo viés de subjetividade que isso implica. Nosso ego quer sempre nos agradar. Façam o que eu digo, e não o que eu faço!


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…