Pular para o conteúdo principal

A fama de todo mundo.

Em alguns livros antigos do século passado, tentou-se mostrar alguns sinais de que o mapa pudesse mostrar a fama do seu dono, mas em vão. Aqui eu adoto "fama" com o sentido de representar alguém extremamente visado pela mídia nacional a mundial, mantendo uma boa reputação nesses veículos ou não. Antes de falarmos dessa fama megalomaníaca que todo candidato a Big Brother deseja, existe outro uso da mesma palavra. Fama também indica aquilo pelo que você é reconhecido ou chamado, mesmo que seja entre seus amigos e vizinhos, por mais restrito que seja o seu círculo social.


Almeida é um cidadão que nunca apareceu na TV. Ele é médico, cirurgião. Passa quase 12 horas dentro de um centro cirúrgico e eventualmente dá aulas aos alunos do hospital universitário onde atua. Costuma ser objetivo ao ponto da rispidez; retruca ofensas com a mesma moeda. Grosso, incisivo, mal-educado, seja lá como você chame: Almeida é verbalmente agressivo, já fez alunas chorarem.


O personagem fictício do parágrafo acima possui no seu mapa natal o sol na casa 12 em oposição a marte. O sol é a fama que o nativo tem; se aflito por marte, como é o caso, isso indica que sua reputação inclui a agressividade ou a pessoa é conhecida por manipular de instrumentos cortantes e ígneos. Pois no caso do nosso amigo, ambas as coisas acontecem. Um cirurgião com exímia técnica; um grosseirão antipático.


O dispositor do sol, (o regente do signo onde está) indica a causa ou origem da fama. Se no exemplo o sol de Almeida estivesse em Peixes, e o regente deste signo estivesse na casa 9, a fama dele se origina do ambiente acadêmico, coisa que de fato aconteceu.


A história de Almeida poderia ser a de qualquer um, até mesmo de um famoso. O sol não é o único indicador de fama, mas ele é imprescindível na análise. Através dele, sabemos meios pelos quais a pessoa terá fama. É comum observarmos um sujeito ter um revés de sorte através de um grupo ou de um amigo influente, e quando analisamos seu mapa não é surpresa emcontrarmos o sol na casa XI, como foi o caso de Robert Zoller.


Robert Zoller é conhecido hoje por ter criado o primeiro curso de astrologia medieval por correspondência e o único que não mistura técnicas modernas com medievais. Até o início da década de noventa (1993, presumo), ele não passava de um excelente astrólogo de Nova York, que usava técnicas medievais e a interpretação baseada nas regras de Morin de Villefranche. Pois no ano de 1992 ele conheceu dois homens que mudariam sua fama, fundando o Projeto Hindsight.


Com alguns anos, Zoller conseguiu um grande renome e foi mais além, saindo do projeto devido a conflitos que até hoje não foram muito bem explicitados pela mídia. É importante mostrar que essas brigas também fazem parte da fama de Zoller, pois seu sol em Aquário recebe uma conjunção de marte e uma oposição de Saturno. A briga, as questões judiciais, as perdas, tudo ficou sob a mira dos holofotes da comunidade astrológica.


A história de Zoller e a do fictício Almeida divergem apenas na amplitude da fama. Enquanto Almeida é conhecido num círculo restrito às paredes de um hospital, Zoller tem prestígio mundial da comunidade astrológica. Muitas pessoas confundem a fama com sua amplitude. Todos tem uma fama, pois não vivemos isolados uns dos outros, dentro de bunkers. O sol brilha, seus raios batem na nossa pele e a luz é refletida: nós sempre nos mostramos, seja na rua, dentro de casa ou nos palcos, e é disso que o sol fala. A grande diferença reside na amplitude da fama, que faz com que a fama de Elvis Presley seja bem maior que a do porteiro do seu prédio.


Existem um conjunto de técnicas medievais que procuram sondar o quanto a pessoa será famosa: a tal "amplitude" que citei a pouco. Firmicus Maternus analisava se o regente do domicílio e o regente do termo da Parte da Fortuna se encontravam muito próximos da cúspide das casas angulares. Isso indicaria um sinal de fama. Existem outras técnicas que analisam o mapa como um todo, como a Doriforia, a serem citadas noutra ocasião.


A despeito da amplitude, a análise que fizemos do Sol neste artigo nos traz uma reflexão: a astrologia de lazer contida nos jornais é conhecida pela supervalorização desse astro. Se tentarmos conjugar a interpretação medieval com a moderna, o que se faz nos jornais é mostrar como as pessoas são conhecidas, e não o que elas realmente são. Só poderemos saber como é Almeida e nos tornarmos íntimos dele. Talvez a sua família tenha outro julgamento dele, mas isso não é papel do Sol.

Comentários

  1. Rodolfo, acho que o Zoller voltou para o hindsight né? Pelo menos parece que tem algo assim no site. Acho que foi agora em julho, se entendo direito...Abraços.

    Estou com vontade de ler o que vc vai escrever sobre as doriforias.

    ResponderExcluir
  2. No caso do regente do termo da PF estar em casa angular, porém existem 3 planetas em domicilio (Saturno casa 5, Mercúrio casa 8 e Plutão casa 1). Como seria neste caso, considerando que Saturno é o planeta dominante no mapa?

    ResponderExcluir
  3. Nesta técnica de Firmicus Maternus, deve-se considerar apenas o regente dos termos da Fortuna. Se esse planeta estiver angular e conjunto à cúspide do ângulo, segundo Firmicus, a pessoa terá grande fama. Portanto, os planetas mencionados acima apenas serão importantes SE um deles reger a fortuna ou seus termos. Caso contrário, eles serão importantes para a casa que eles regem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …