Pular para o conteúdo principal

ERRATA - Sobre o mapa de Vettius Valens.

Guy, um astrólogo tradicional, dono da comunidade do orkut "Astrologia Tradicional - Ceará", corrigiu minhas afirmativas sobre o mapa de Vettius Valens: Os gregos usavam um zodíaco fixo cujo equinócio de primavera (o primeiro grau de Áries) ficava na altura do nono grau do nosso zodíaco tropical. Aplicando este zodíaco no mapa natal de Vettius Valens, veremos que as posições correspondem exatamente aos signos que ele narrou em sua Antologia para cada planeta. Mercúrio, o planeta da controvérsia, encontra-se em Capricórnio.

É interessante que, antes de ver os comentários de Guy no blog, lia pela manhã "Solunars", os primeiros textos do astrólogo Sideral Ciryl Fagan sobre o uso do zodíaco sideral, no qual ele fala que havia mais de três zodíacos tropicais no período clássico. O zodíaco tropical que utilizamos deriva de Hiparco e era defendido por Ptolomeu, como Guy salientou claramente. Por incrível que pareça, este foi o zodíaco menos popular na época em que foi criado, mas que veio em seguida ser o mais difundido entre os astrólogos Árabes.

Uma vez esclarecidas as dúvidas, chegamos à seguinte conclusão: o argumento de que o zodíaco sideral era aplicado pelos gregos não se sustenta, mas ainda persiste a nossa conclusão sobre o estudo desse sistema: na época em que os grandes textos de astrologia foram publicados, como Vettius Valens e Ptolomeu, havia uma pequena diferença entre os dois zodíacos. Todas as considerações presentes nos textos dos autores citados nascem nesse contexto. Persiste a conclusão de que este é um problema inteiramente nosso, dada a enorme diferença precessional atual entre os dois zodíacos.

Talvez eu não tenha explicado devidamente qual é a razão de se estudar o zodíaco tropical. Durante meus estudos de mapas, percebo que a análise do estado cósmico de um planeta não corresponde com a realidade da pessoa. Já vi mapas de pessoas com júpiter em Virgem, debilitado na casa VII e no entanto tanto o parceiro como ela tinham boas condições de renda na vida. Um exemplo clássico disso é o mapa de Bill Gates: no zodíaco tropical ele possui marte como regente da casa X, debilitado na casaIII (e no quarto signo) em libra. Se aplicarmos o zodíaco sideral, Gates tem como regente da casa X júpiter, que dessa vez não se encontra mais em Virgem, mas sim em Leão, ainda conjunto a estrela benéfica. A sua fama de um dos homens mais ricos do mundo pela Revista Forbes é muito mais evidente por esse viés!

A minha proposta atual é aplicar as regras da astrologia medieval nos mapas do zodíaco sideral para então comparar os resultados obtidos em cada uma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …