Pular para o conteúdo principal

Rio Nilo, berço do zodíaco (e da confusão)

A economia do Egito antigo dependia imensamente do Rio Nilo. Sua enchente era fundamental para as populações, as quais encontravam ali alimento farto. A enchente era o impulso primordial para todo um ciclo econômico. Os passos seguintes a ela consistiam num desdobramento da enchente: envolvia a fertilidade da terra, o crescer dos gêneros agrícolas, a colheita e o comércio destes. Este ciclo, segundo Ciryl Fagan, é dividido em 12 etapas. Simplesmentes esses '12 passos' constituem num embrião do zodíaco, delineado no Egito antigo e que se espalhou e sofreu modificações em diferentes culturas, cuja disseminação se deve em grande parte a Alexandre.


Temos aqui ainda um zodíaco sem as qualidades ditas essenciais de cada signo, hoje consolidadas na nossa cultura ocidental. Um exemplo bastante didático disso seria o signo de Aquário. No momento em que se estabeleceu o zodíaco egípcio, a ascensão acrônica (quando a constelação ascende no horizonte em oposição ao sol que se põe) de uma determinada constelação coincidia com a enchente do Nilo. Houve portanto a construção de uma relação entre os eventos celestiais e terrestres. Construiu-se a imagem da constelação similar a de um homem carregando uma ânfora cheia d' água. No Egito, é representado por Hapi, o deus jovial do rio Nilo, que jorra água de suas duas urnas, representando a enchente do Rio que inunda as terras do Baixo e do Alto Egito. Aquário, nesse contexto, se identifica com o rio em questão, e Ptolomeu - segundo Fagan - diz que este signo rege locais perto de rios. No ano de 1000 antes de Cristo, a estrela Sirius ascende acronicamente no momento em que há a enchente. Esta estrela se situa hoje na altura do signo tropical de Câncer. Como o sol está em oposição a constelação de aquário, isso implica que o astro rei está em Leão, e o evento ocorria em meados de Julho.


O que foi exposto acima pode se constituir num excelente argumento a favor do zodíaco tropical. A enchente do Nilo até hoje acontece em Julho, com eventuais atrasos ou adiantamentos, mas isso se mantém constante ao longo dos séculos. Se o zodíaco sideral estivesse certo, a enchente do Nilo aconteceria sempre em sincronia com o alinhamento do sol em oposição à estrela Sirius, que devido ao movimento de precessão equinocial se encontra agora em câncer. Ou seja, a enchente do Nilo teoricamente ocorreria quando o sol estivesse em Capricórnio, quando ele se opõe a Sírius! A enchente ocorreria em dezembro ou Janeiro, e não mais em julho!


Dessa forma, se utilizarmos o zodíaco como um reflexo dos eventos periódicos terrestres, o estabelecimento de um zodíaco fixo se encaixaria melhor nos seus propósitos. Conclui-se então que as estrelas fixas não teriam relação com o zodíaco, como acontece hoje e se mantém desde a astrologia medieval.


Apesar desse elegante argumento a favor do zodíaco tropical, existe o outro lado, o contra argumento dos sideralistas. Se o zodíaco deve refletir o que acontece na terra, então devia-se inverter a ordem dos signos no hemisfério sul, pois assim teríamos o signo do verão alinhado com o verão em si! Existe até mesmo um dessa posição que volta e meia posta em comunidades do orkut, mas que infelizmente não consegue muitos adeptos.


Algumas idéias são tratadas como grandes heresias a priori. Perde-se muito quando não as testamos por mero dogmatismo, mas também muitos astrólogos tem posições sociais importantes a perder caso entrem em contradição com suas publicações astrológicas do passado. Com o passar dos anos, Saturno cristaliza as convicções, como diria Raul Pompéia, ossificando-as na espinha inflexível do caráter.


Com tantas contradições entre os diferentes zodíacos, porque a astrologia funciona? Existe um sistema de coordenadas no qual grande parte dos astrólogos baseiam suas previsões, que divide o céu em 12 casas. Esse sistema é em média muito homogêneo nas diferentes escolas de astrologia. Tanto um hindu quanto um americano interpretará o mesmo mapa como possuidor de marte na casa sete, porém um dirá que esse marte está em libra, enquanto o outro dirá que ele se encontra am virgem. A primeira parte da delineação (posiçao do planeta nas casas) atinge um consenso que se dissipa na segunda parte, quando se aplica os diferentes zodíacos utilizados pelos dois astrólogos. Segundo a teoria astrológica, o planeta dentro de um signo possui um determinado dispositor que indicaria a causa deste. A cúspide de uma casa obedeceria à mesma dinâmica: seu regente indicaria como os assuntos dessa casa se misturam com outra. Com a mudança de signo pela troca de zodíacos, há uma clara troca de regentes. Se no zodíaco tropical áries rege a minha casa 2, no zodíaco sideral ela é regida por Peixes. A mudança de Áries para Peixes implica na mudança de Marte para Júpiter, ou seja, as finanças tomam rumos completamente diferentes! Por isso que estudar o zodíaco é fundamental para atingirmos uma representação mais verossímil dos eventos terrestres.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …