Pular para o conteúdo principal

Percepções do mapa natal na realidade.

A melhor maneira de perceber como o mapa natal funciona é correlacionando-o a realidade, desde que você tenha como lastro uma técnica astrológica bem fundamentada, é claro. Isso se consegue aprendendo correlações corretas entre os símbolos planetários e os elementos da nossas vidas.

Hoje lia num fórum que um evento na cidade de São Paulo envolvendo a infestação de ratos poderia ser representado por um aspecto de Netuno. Há muita crítica em torno dos astrólogos medievais por usarem somente sete planetas, mas os astrólogos modernos não percebem o vício de interpretação no qual estão inseridos. Eventos bizarros mundias são sempre correlacionados por eles aos planetas além de Saturno. Trata-se de uma astrologia excessivamente dependente de urano, netuno e plutão. Criticando o uso do septenário (planetas visíveis até Saturno), eles se justificam na incapacidade que ele tem de representar os eventos da pós-modernidade. No fim das contas, os algozes da astrologia tradicional caem no mesmo fosso que cavam para astrólogos tradicionais: sobrecarregam um planeta de significações paradoxais!

Já ouvi que Netuno é fantasia, idealização, infecções, ratos, sujeira, poesia, bebida alcoólica, a oitava superior de Vênus... Netuno engloba áreas completamente díspares entre si! Mesmo assim, isso é tomado como belo e aceitável, pois netuno também é o paradoxo... Enfim, Netuno é completamente nonsense e prefiro ficar longe dele. É claro que isso seria tomado no mesmo fórum como um "medo de ser sugado pelas forças desestruturadoras do inconsciente coletivo". Definitivamente, não dá para discutir nesses locais. Ame-os ou deixe-os.

Os ratos são animais imundos e inaceitáveis na nossa sociedade. Geralmente infestam locais inabitados ou mal cuidados e geram doenças. Tem a pelagem de acinzentada a preta, pela imundícia a qual percorrem, dos bueiros e esgotos, dos valões e locais públicos. Ora, tal descrição há de ser melhor representada pelo planeta Saturno.

Existem sete corpos celestes visíveis que merecem consideração, pela sua capacidade de retratar a realidade com simplicidade e exatidão. Leia Al-Biruni, que pode ser encontrado no site do meu amigo Paulo Silva. Quando você se der conta da simbologia planetária, estude as técnicas medievais, e perceba as correlações que apontarei agora.

Não sei se você já percebeu, mas alguns eventos do mesmo caráter acontecem em nossas vidas ao mesmo tempo. Meu tio descobriu que tinha um câncer ao mesmo tempo que meu vizinho, e um namorado da minha vizinha morreu assassinado. A despeito das razões serem diferentes, há morte envolvendo pessoas. Até aí poderia ser uma baita coincidência para o olhar leigo, mas não para quem estuda astrologia. Todos os personagens acima envolvidos são regidos pela mesma casa, a casa dos parentes e vizinhos, a casa 3.

Esse tipo de correlação é perigosa. Alguns psiquiatras o considerariam como um sintoma depressivo. Poderia se tratar de um delírio, e se a pessoa estivesse deprimida ele seria congruente com o quadro, já que são pensamentos tristes envolvendo um fator causal misterioso. Se você estuda astrologia, está exercendo suas atividades normalmente, com a libido preservada, humor estável e sem angústia, esqueça o que eu digo. Um bom psiquiatra perceberá que algumas formas de pensamento esotérico são encaradas como patológicas se há por trás uma sindrome (conjunto de sinais e sintomas) , mas sem esta não há indícios suficientes para tal julgamento.

Eu poderia aqui, com base nessa confusão entre psiquiatria e esoterismo, apontar a medicina ayurvédica, que considera os sinais da natureza como indicadores de prognóstico do paciente. Uma revoada de pássaros poderia simbolizar a melhora do doente. Na psiquiatria moderna isso é taxado de percepção delirante. Uma paciente que se tratava no ambulatório da minha universidade achou que o médico estava contra ela pois no momento em que a atendia passou um avião perto do consultório, fazendo um barulho ensurdecedor. A diferença entre esta paciente e um médico hindu é que ela tem por trás desse sintoma uma síndrome paranóide, pois também crê com veemência que há câmeras instaladas na sua casa, filmando tudo que ela faz.

Voltando de minha digressão anterior sobre psiquiatria e astrologia, quando você descobrir qual planeta é ativado no momento em que ocorre este ou aquele evento, há de perceber o que se esperar de um planeta na sua carta em épocas futuras. Vale a pena lembrar que essa correlação deve ser feita não somente com o mapa natal, mas a posição desse planeta tanto ali quanto na Revolução Solar do ano em questão. A maneira de saber qual planeta é importante no ano que você estuda é percebendo quem é o regente do ano nas profecções e na Revolução Solar. A Firdaria (períodos planetários) revelam insights também. O próximo parágrafo mostra um exemplo.

Em 2006, marte foi meu regente do ano (RA). Se marte está na casa seis do mapa natal (em libra) e na casa cinco da revolução (em gêmeos), espere por questões importantes sobre trabalho (casa 6 natal) combinadas a criatividade e prazer (casa 5 da revolução solar). Outra maneira de perceber que tipo de criatividade se trata, ou que tipo de trabalho se dá cruzando os dois mapas: perceber em que casa cai o RA do mapa natal na revolução solar, e vice-versa. O marte do mapa natal (em libra) cai na casa 9 da RS (estudos, universidade, astrologia). Isso combina trabalho (casa 6 natal) com astrologia (casa 9 da revolução). O marte da revolução (em gêmeos) cai na casa 3 do natal (estudos, comunicação e consultoria), combinando prazer e hobbys (casa 5 da RS) com estudos e comunicação (casa 3 do natal).

No ano de 2006, fiz o curso de astrologia medieval de Robert Zoller, comecei a fazer mapas natais e a dar aulas de astrologia e iniciei a publicação de textos astrológicos no meu blog. Tudo isso indica claramente que as técnicas de combinação da RS com o mapa natal produzem excelentes resultados, e representam eventos que não podem ser facilmente percebidos no mapa natal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…