Pular para o conteúdo principal

O mapa de Vettius Valens

Vettius Valens, chamado na Itália de Vettio Valente, foi um astrólogo que viveu no que hoje corresponde ao território da Turquia, na antiga cidade de Antioquia (chamada de Antakaya), famosa para quem estuda a Bíblia pela passagem do apóstolo Paulo por aquelas bandas. Abaixo nós publicamos seu mapa natal descrito por ele mesmo, o que gera algumas controvérsias do nosso interesse para este artigo:




A seguir, postamos o mapa natal que a maioria dos astrólogos do ocidente fará com a data que Vettius deu em sua Antologia, usando o zodíaco tropical:





O único planeta que difere nos dois mapas é mercúrio. Ao fazer o mapa tomando como referencial o zodíaco tropical, mercúrio está nos últimos graus de Capricórnio. Aplicando a maioria dos zodíacos siderais (Raman, Fagan-Allen, Lahiri, etc.) para os mesmos dados, mercúrio está no signo de Aquário. Será que Vettius corrigia seus mapas respeitando a precessão equinocial?


Nos textos antigos, é comum os astrólogos publicarem mapas com dados errados, porém a diferença é em graus, e geralmente eles permanecem no mesmo signo. Por exemplo, um astrólogo medieval pode dizer em sua obra que vênus está em 23 de gêmeos, quando na verdade estava a 21 graus do mesmo signo. Enquanto nossas efemérides são baseadas em cálculos e observações da NASA, muitos astrólogos dependiam de instrumentos hoje rudimentares, como um Astrolábio. Aqui, contudo, nós temos um erro que pode não ser aleatório, pois a única diferença entre os mapas é mercúrio.


Erros de graus são razoavelmente tolerados para nós, desde que sejam dentro do mesmo signo e casa, pois assim o planeta mantém seu dispositor e suas representações. Nos tempos de Valens, contudo, o erro por mudança de signo era muito mais grave. Isso implicava na mudança daquilo que o planeta representa, já que Vettius empregava o sistema de signos inteiros, no qual uma casa corresponde a todo um signo, do primeiro ao trigésimo grau. Em outras palavras, mercúrio em capricórnio pertenceria ao quinto signo-casa; mercúrio em aquário, ao sexto signo-casa. Mais grave ainda é perceber dois estilos de vida completamente diferentes pela mudança dessa posição, já que mercúrio é regente do ascendente de Valens.


O significado das casas na astrologia helenística manteve-se em grande parte na subsequente astrologia medieval, com algumas mudanças que serão apontadas. Para mostrar o quão grave pode ser para a delineação esse hipotético erro de Valens, vamos delinear esse mercúrio em ambos os mapas. O regente do ascendente na casa cinco inclina o nativo à busca de prazeres e ao gosto pelas missões diplomáticas (a casa cinco rege embaixadores), além do amor às suas crianças. O regente do ascendente na casa seis inclina o nativo a uma vida de trabalhos penosos, sendo uma indicação clássica de escravidão. Na astrologia grega, contudo, a casa seis ganha outra representação: conflito. Nativos com essa posição se inclinam a irritabildiade e a brigas constantes. É a casa dos inimigos, tópico este que passou na era medieval a ser representado pelas casas 7 (para inimigos declarados) e 12 (para inimigos secretos).


Conclusão: Sendo um bom astrólogo, Valens não poderia errar a posição do regente do mapa, pois ela é imprescindível para se avaliar as circunstâncias do nativo e seu estado de espírito. No sistema de signos inteiros, simples mudança de signo acarreta na alteração da interpretação do mapa. Concluímos que ele adotava em suas análises o zodíaco sideral, e por conta disso continuamos investigando outros indícios que apareçam em mapas antigos.


Apesar da investigação do zodíaco sideral ser um problema moderno, podemos encontrar indícios em textos antigos, não uma definição sobre qual zodíaco é o correto porqu,e como disse anteriormente, a precessão na época de Valens era muito pequena em relação aos dias atuais, sendo pouco considerada portanto. De uma forma ou de outra, o mapa natal de Vettius Valens pode ser um forte indício de que o zodíaco sideral era aplicado.


Comentários

  1. Rodolfo,
    O que sei do Zodíaco utilizado por Valens, é que era tropical sim, mas para o ponto vernal ele tinha-o colocado sobre 8ºde Áries.
    Então o Zodíaco de Valens é o tropical, mas com uma diferença de 8º entre o dele e o nosso.
    Quando os Gregos passaram a tomar o Ponto Vernal como referência para iniciar o Zodíaco, enquanto na Mesopotâmia partiam da estrela Aldebarão e também na Índia (Zodíaco sideral),houve algum tempo uma certa confusão entre os astrólogos gregos.
    O 0 Áries era a solução preconizada por Hiparca e Ptolomeu mas que demorou a se impor.
    Abraço,
    Guy

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…