Pular para o conteúdo principal

minhas dúvidas atuais

Acredito que seria muito bom compartilhar minhas dúvidas com o leitor para que não se sinta sozinho. Muitos textos desse blog não devem ser lidos como um veredicto, mas sim como maneiras alternativas de se analisar o mapa que respeitem a consolidada tradição de séculos. Pode até acontecer de surgir uma boa resposta enquanto escrevo este texto. Será?


A minha principal dúvida no momento reside na aplicação do método que Zoller chama de "delineação árabe geral". Nele, nós procuramos analisar a cúspide de uma casa, encontramos todos os seus regentes e procuramos aquele que se encontra em melhor estado para realizar os assuntos da casa.


Confesso que a delineação de algumas casas de acordo com esse método tende a ser complicada. O que significa o regente da casa três na casa dez em bom estado cósmico? Há várias interpretações. Poderíamos conectar comunicação e publicação de livros com a fama e negócios. Essa é a posição que consta no mapa de Robert Zoller. Ele tem vênus na casa dez, no signo de Sagitário. Ele é reconhecido pelo seu curso e palestras que deu em todo o mundo, divulgando a astrologia medieval. O complicado mesmo é entender o que vênus, um planeta que representa amor e mulheres, tem a ver com escrita e astrologia medieval, e aqui entra em cena a minha segunda dúvida: da natureza dos planetas conjugada a interpretação das casas.


O que eu vejo nos textos de astrologia tradicional é bastante recorrente. Em grande parte deles, ignora-se a simbologia do planeta. Este se torna um reles emissário de uma casa, seja ela boa ou má. No exemplo acima, Vênus rege Touro e Libra, tendo participação com as casas três oito, respectivamente. Na maioria das vezes, portanto, as análises medievais tendem a considerar vênus como emissária da morte e da comunicação e viagens. Apesar dessa determinação, vênus tradicionalmente se inclina mais a representar mulheres, sexo e prazeres. Que o grande prazer de Zoller é a astrologia, isso fica claro, mas ninguém estuda astrologia por dever. Vênus nesse caso nada tem a ver com as casas que rege.


Essa minha dúvida tem muito a ver com um assunto abordado no curso do Zoller: os planetas se manifestam pelos filtros dos signos e das casas. Imediatamente depois de ter escrito a frase anterior, vem a minha mente as delineações de Firmicus Maternus acerca dos planetas benéficos e maléficos. As interpretações antigas são bastante dissociadas do papel mais comum de um planeta na modernidade. Vênus na casa um em mapa noturno, para Firmicus maternus, implica no recebimento de honras para o nativo e o tornaria querido entre pessoas influentes do reino. Perceba que as questões sexuais estão fora da interpretação. Vênus não seria sexo? Porque Firmicus não diz que o nativo é libidinoso?


A melhor resposta para a pergunta anterior é essa: Vênus, isoladamente, não é nada que você possa supor, logo é errado dizer que ela representa sexo e mulheres. Ela indicaria isso se estivesse numa casa determinada a sexo ou mulheres, por ser um planeta feminino. O planeta fora de uma casa e de um signo é algo completamente amorfo. Uma nota musical precisa estar inserida numa clave para que eu possa chamá-la de dó ou fá. A clave, portanto, determina a nota. A mesma coisa com o planeta. Fora das casas e dos signos, ele não é capaz de representar nada. Para os moderninhos, ele seria energia que ainda não se materializou. As manifestações venusianas dependerão da casa onde ela se encontra.


Frente a esses raciocínios, muito da interpretação dessa vênus de casa dez depende de toda a vida de Zoller, nos seus detalhes mais íntimos, não somente carreira. A casa dez representa a mãe, logo vênus tem muito a ver com o feminino encarnado na figura materna. Isso é uma boa pista. Sua regência sobre a casa três poderia indicar que os irmãos ou irmãs de Zoller tinham uma estreita dependência de sua mãe. A casa três para a mãe é a sexta, e dessa forma poderíamos interrogar se a mãe do astrólogo sofreu alguma adversidade evidente na vida.


Pra mim, esse é o tipo de interpretação ideal, aquele que será capaz de ler apenas o mapa, sem conhecer a pessoa e sem pré-concepções do que seria o planeta, pois são todos ruídos que atrapalham a interpretação.


Acho que a resposta encontrada conseguiu me satisfazer no momento...

Comentários

  1. Gostei da analogia com a música e não sabia desse detalhe da nota, apesar de eu ser neta de pianista/prof. de piano e ser uma mulher bastante, digamos, musical. ;-))

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …