Pular para o conteúdo principal

A força de um planeta

É muito confusa a terminologia astrológica. Somado a séculos de traduções e diferentes versões, eu diria que levaremos muito tempo até entendermos alguns conceitos. Sem o entendimento destes, nosso julgamento acaba por ser parcialmente correto. O que nos salva é a santa experiência, indicando o que é inútil.


Um conceito muito importante e prático é o de força e quantidade. Planetas que se encontram em casas angulares (1, 10, 7 e 4, em ordem decrescente de poder) são muito fortes na vida do nativo, também representam grande quantidade. Planetas em casas sucedentes (casas 11, 5, 2 e 8) apresentam um poder intermediário e quantidade idem. Casas cadentes (as restantes 9, 3, 12 e 6) são as mais fracas do mapa.


Não creio que a angularidade e cadência reflitam somente o poder de um assunto. Existem trechos de livros nos quais condutas imorais são representadas pelos planetas em casas cadentes. Estas, portanto, guardam para si um significado de rejeição e repúdio perante a sociedade. Soma-se a isso que os astrólogos mais antigos referian como cadentes as casas que não fazem aspecto ptolomaico com o ascendente. Isso implica dizer que a casa 8 é cadente, mesmo sendo considerada sucedente. Qualquer casa pode ser traduzida num sentido literal ou indireto. Com a casa 8, não é diferente. Ela representa a morte, mas também pode indicar posturas mortíferas perante a vida. Bonatti diz que o regente do ascendente torna o indivíduo irascível, destrutivo, querendo o que é dos outros (paráfrase minha). Perante essas considerações, fica mais claro o porquê das casas 3 e 9 não apresentarem um significado tão medonho. Aliás, elas indicam espiritualidade, igreja e universidade, viagens e irmãos. Talvez o significado delas seja bom porque são as únicas casas cadentes que aspectam o ascendente.


As casas indicam também a durabilidade de um assunto. Casas angulares indicam um tempo extenso de duração, diminuindo até chegar as casas cadentes. Esse julgamento de durabilidade deve também levar em conta mais três fatores:
  • Signo: Se o signo for fixo e a casa angular, isso indica muito tempo, pois os signos fixos (touro, leão, escorpião e aquário) indicam processos de longa duração. Se mutável (gêmeos, virgem, sagitário e peixes). O menor tempo de duração é indicado pelos signos cardinais (áries, câncer, libra e capricórnio);
  • Regente do signo: Se o signo for fixo, mas é regido por um planeta rápido, então ele indica menos tempo do que um signo fixo regido por um planeta lento. Aquário indica mais tempo do que Touro, pois o primeiro é fixo e tem Saturno como regente, enquanto o segundo é igualmente fixo, porém é regido por vênus;
  • Planeta presente no signo: Um planeta rápido presente em casa angular e signo fixo indica o um processo menos lento do que um planeta lento na mesma configuração de casa e signo.
Uma vez tomando consciência da gradação acima perante as quatro variáveis, podemos criar uma ordem decrescente de durabilidade de um evento:
Aquário>Escorpião>Leão>Touro>Sagitário=Peixes>Gêmeos=Virgem
>Capricórnio>Áries>Libra>Câncer
Essa ordem toda é mais importante em julgamentos de astrologia horária, mas podemos ter alguns insights quanto ao tempo em que durará um evento representado no mapa natal pelos dados acima.


Os períodos planetários (Firdaria, cronocratores, etc.) não indicam a durabilidade de um assunto, mas sim quando eles se iniciarão. Se o meu mapa indica um longo tempo de permanência numa mesma residência (regente da casa quatro angular e em signo fixo), então eu não me mudarei quando o regente da quatro deixar de assumir o comando da Firdaria.


Infelizmente, não se sabe ao certo como delimitar o tempo de um evento. Nunca vi essa regra em livro nenhum, mas acredito que ela exista. Certa vez, vi um astrólogo brasileiro se referindo a vida útil de um aspecto com Saturno como trinta anos. Ou seja, após os trinta anos, os bloqueios e limitações do grande maléfico desapareceriam. Esse número não é aleatório: trinta anos consistem nos anos menores de Saturno. Cada planeta tem um período específico de tempo. Essa quantia específica é obtida através da observação do astro, embora seja em grande parte arredondada. Trinta anos corresponde ao arredondamento do tempo em que Saturno demora para retornar a sua posição natal.


Vou citar mais um exemplo dos anos de um planeta, com possíveis correlações que devem ser pesquisadas, pois ainda são muito rudimentares. Minha família nunca saiu do meu bairro de nascimento até então, quando completo 25 anos e há planos de fazê-lo. Talvez mudaremos para outro bairro do Rio de Janeiro que mude completamente nossas perspectivas e círculo social. 25 anos representa os anos menores da lua, que rege a minha casa 4.


Talvez o conhecimento da duração dos significados de um planeta esteja em algum livro de astrologia grega que não possuo. O liber Hermetis é um texto considerado medieval e ele diz algo não muito claro sobre isso. Quando tiver tempo, postarei aqui.


Para terminar, vou postar um questionamento que fiz nessa semana. Meu mercúrio está cadente e em detrimento, portanto ele indica uma ação com pouco tempo de duração e que seja bastante atrapalhada. Ele é o regente da minha Firdaria até os 29 anos de idade, se não me engano. Apesar desse mercúrio estar em péssimo estado, obtive várias conquistas ligadas aos seus significados. Sou astrólogo medieval, dou aulas de astrologia, estou quase me formando como médico e feliz de escrever nesse blog. Quando comecei a estudar astrologia, achava que os períodos de mercúrio seriam péssimos. Hoje minha visão mudou um pouco, ficou menos radical e mais pragmática. De fato, se o meu mercúrio estivesse bem posicionado, talvez conduzisse melhor as coisas nesse período. isso indica que a dignidade de um planeta indica que os seus assuntos são resolvidos com honra, dignidade, honestidade e serenidade, o oposto de muitas condutas minhas no período em questão. Analisar o estado cósmico consiste em saber a qualidade dos eventos representados por um planeta. Já a casa onde ele está representa a determinação dos seus assuntos, bem como a determinação do seu poder e quantidade.


Fiquei muito enrolado na faculdade, pois queria ter mil atividades ao mesmo tempo, porém nunca reprovei e sempre fui considerado inteligente e intelectual pelos outros. Não é preciso ser muito inteligente para perceber que astrologia é muito difícil, notadamente a medieval. Por conta de tudo isso, descobri que o meu entendimento estava errado porque não via o meu mapa como um todo. Mercúrio indica apenas o modo como eu procedo com estudos e comunicação, mas existem outras casas e planetas que representam melhor o meu progresso universitário. A regência dos tempos de mercúrio indica o caminhho que tive de passar para conseguir o sucesso que outros planetas do meu mapa prometem na carreira e na área universitária, se Deus quiser.


Essa é a lição: um assunto é regido por mais de um planeta. A vida é complexa, a astrologia idem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…