Pular para o conteúdo principal

Profissão - como chegar nela?


A escassez de material acerca da astrologia do período clássico é frustrante. Acabo por me valer de livros recentes de astrólogos que tiveram o privilégio de comprar os já esgotados volumes do Projeto Hindsight, notadamente a trilha grega de traduções (Greek track). Para escrever esse artigo, conto com a acessoria do livro "A Practical Guide to Traditional Astrology", escrito por Joseph Crane e publicado pela ARHAT em 1997. Recomendo esse livro a todos que querem adentrar no mundo paralelo da astrologia tradicional.

Bonatti ensina a delinear profissão de um modo coeso e abrangente, porém algumas coisas de seu procedimento não são percebidas na prática. por exemplo, às vezes o planeta que representa profissão pode estar numa casa sucedente ou cadente, e Bonatti não enfatiza muito essas regiões. Por conta disso, procurei outros autores tradicionais que pudessem dar um ponto de vista complementar ao mesmo assunto. Contarei com Paulus Alexandrinus e Prolomeu, autores gregos que têm abordagens parecidas sobre o mesmo tema.

Em primeiro lugar, os planetas que têm a ver com vocação profissional são mercúrio, vênus e marte. Cada um representa um grupamento inesgotável de profissões, o que torna esse assunto um dos mais difíceis da astrologia: a pessoa que tem mercúrio como significador profissional pode ser de médico a astrólogo, no meu caso os dois ao mesmo tempo... A casa na qual o planeta se posiciona pode revelar alguns insights de que tipo de profissão ele representa, mas perce que nem sempre isso é verdade. Não me perguntem a fórmula ideal, porque ainda não sei... Todavia é possível saber pelo menos o planeta que representa a profissão, e ele é bem palpável na vida do indivíduo.

Vamos dar as instruções descritas por Ptolomeu e Paulus. Antes de você pensar que essa é uma técnica Highlander, na qual só pode haver um planeta, hei de avisá-lo que não. As famosas "co-misturas" podem ocorrer: sua profissão pode ser sim mercúrio-marte, marte-vênus, etc.

O melhor planeta é aquele que preenche todos os requisitos abaixo:
  • Oriental ao sol e ocidental a Lua;
  • Ascende pela manhã (se for marte) ou a noite (se for vênus ou mercúrio) ou seja, estão perto do sol e aparecem no céu antes dele nascer ou se pôr, dependendo do tipo de planeta. Ptolomeu diz apenas que o planeta deve nascer ou se pôr próximo ao sol sem estar sob seus raios, seja atrás ou na frente dele, hipótese que concordo por ser mais flexível e demonstrar bons resultados;
  • Se encontre numa "casa rentável" (profitable house): primeiramente as casas angulares, depois as sucedentes e por último as cadentes. Ao contrário de Bonatti, que coloca a casa 1 como a "Top de linha" nesse assunto, os autores mais antigos começam pela casa X, lembrando o modo como os moderninhos analisam profissão;
  • O Sol ou a Lua devem se aplicar a esse planeta. Aqui o autor do artigo não faz distinção se a aplicação deve ser da lua a noite ou do sol de dia.

Já dá pra perceber que é impossível preencher todos esses critérios ao mesmo tempo, mas a idéia não é essa. São listadas todas essas condições para que o astrólogo ganhe flexibilidade na hora de se interpretar qualquer mapa. Com certeza uma ou duas delas existirão em qualquer natividade, e é isso que queremos. Se um ou mais planetas aparecerem nas condições acima, então você sabe que sua profissão é uma "co-mistura" de dois planetas. Quando você chegar a esse resultado, o planeta mais proeminente em dignidades acidentais e essenciais é o vencedor, e o segundo apenas dá assistência.


Hefaísto de Tebas nos provê uma seqüenciazinha já manjada entre os astrólogos medievais, mas com algumas diferenças:

  1. Procure por mercúrio, Vênus ou Marte nas casas 10, 4, 1 ou a casa do Lote da Fortuna. Se não encontrar ninguém por lá, passe ao item seguinte;
  2. Veja qual é o próximo planeta ao qual a Lua há de se aplicar. Se ele não for um dos três indicados, passe adiante;
  3. Pegue o planeta que ascende depois do Sol (ou seja, faz uma aparição diurna: antes do sol nascer ele é visível).Caso não haja ninguém assim, prossiga na lista;
  4. Veja se um desses planetas está na casa 6. Caso contrário, a última esperança está na próxima linha
  5. Procure por esses planetas na casa 2.

É importante frisar que o sistema de casas dos gregos era um signo inteiro=uma casa, e dessa forma um planeta que esteja no primeiro signo mas na casa XII pode ser considerado na análise. Proceda da mesma forma ao procurar planetas nas outras casas.

Perceba que a lista acima considera a casa 2. Bonatti nem sequer faz menção dela, priorizando outras regras. Outra coisa que é muito difícil é ver se o planeta escolhido como significador tem alguma dignidade (domicílio, exaltação, triplicidade, termo ou face) no meio do céu. isso é sugerido por Bonatti, mas eu sugiro que você esqueça essa regra. No exemplo abaixo ela não funciona. O fato do astrólogo italiano ter muita experiência não quer dizer que ele tenha errado algumas coisas. Eu não postei todas as regras para profissão aqui, mas estas são suficientes para delinearmos o mapa acima.


Como sabemos, o nativo é médico e professor universitário. Como chegaríamos a esse resultado? Vamos começar pelas casas angulares. A lua não pode ser considerada como significador profissional (SP), a mesma coisa com o Sol e Saturno. Marte está angular na casa sete, então podemos pegá-lo. Mercúrio é o planeta que faz uma aparição diurna, ascendendo antes do sol pela manhã, sendo outro planeta considerado. Além disso, ele está ocidental a lua e oriental em ao sol. Não há planetas que recebam aplicação do sol e da lua, apenas separação. Júpiter e Saturno são eles. Frente a todos esses testemunhos, mercúrio recebe mais pontos do que marte, e está angular pelo sistema de signos inteiros, pois peixes é o primeiro signo. O nativo tem como significador profissional mercúrio, seguido de marte. Mercúrio está na casa 12 (hospitais), marte está na casa sete e rege as casas nove (ensino) e dois (dinheiro). A separação da lua de Júpiter indica um temperamento inclinado ao discurso e ao ensino.


Quando você de deparar com o momento de saber o que o significador da profissão faz no mapa, procure por casas que tenham a ver com profissão. Normalmente, trabalho não tem a ver com casamento e inimigos (casa 7) ou casa (4). Evidentemente a pessoa pode trabalhar com imóveis, mas essa é a grande excessão a maioria que constato na prática. Só pelo fato de mercúrio reger a casa quatro e sete do nativo, poderíamos dizer que ele lida com residências? Claro que não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …