Pular para o conteúdo principal

mitigando aversões (!?)

No post anterior, você aprendeu a detectar os signos que não se aspectam no mapa. Agora vamos tratar das condições irritantes que fogem dessa regra. Quando você anula uma regra de interpretação por sobreposição de outra, isso se chama mitigação. Dizemos então que a aversão pode ser mitigada por aspectos ou antiscia. Vejamos como a seguir.
Aspecto - Supondo que eu esteja analisando a casa 3, cujo significado é a aplicação da lei, religiões e condutais filosóficas não oficiais, deslocamentos para locais conhecidos, comunicação, irmãos e vizinhos. Sua cúspide se encontra em escorpião, marte é o regente mas está em Áries e portanto inconjunto (em aversão). Dessa forma, Marte aparentemente não tem nada a ver com a casa 3 (embora marte não se responsabilize pela casa, ele ainda representa os assuntos da casa 3 por regência em análises, não se esqueça disso!). Até aí está tudo certo, mas se você se esquecer dos aspectos que marte faz, pode se dar mal... Se marte está em Áries e recebe uma aplicação da lua em câncer, ele pode cuidar dos assuntos da casa 3 através da lua, porque câncer faz trígono (aspecto) com escorpião! Observe bem os aspectos que um planeta faz para entender isso.
Antiscia - Essa é uma maneira diferente de se aspectar. As antiscia (cujo singular é antiscion) são pontos que possuem a mesma distância em graus do solstício de verão e de inverno. Você faz um novo zodíaco, contando a partir do eixo 0 de câncer e 0 de capricórnio, mas que é simétrico, não funcionando da mesma forma que o zodíaco natural! Essa maneira esquisita de se analisar faz com que você não saiba à primeira vista se um planeta está na antiscia do outro.
Tentando exemplificar: um determinado grau de gêmeos está em antiscia a um determinado grau de câncer, pois fazem a mesma distância (numericamente igual) do solstício de verão, 0 de câncer. É como se um fosse a imagem do outro refletida no "espelho" que é o eixo solsticial! Dessa forma, há entre eles uma espécie de "conjunção secreta", que deve ser analisada da mesma forma que um aspecto! Não é bom um benéfico estar na antiscia de um maléfico: assim como os aspectos, isso constitui numa aflição também. Aí que entra a importância delas na análise das casas: se um planeta está na antiscia de uma casa e ao mesmo tempo ele a rege, isso o torna responsável pelos seus assuntos, até de uma forma mais intensa que os outros planetas, pelo simples fato das antiscia ocorrerem por grau exato! Isso mesmo, não usamos orbes nesse aspecto secreto.
No site do meu amigo Paulo Silva você achará as regrinhas para calcular as antiscia a mão, porém é um cálculo simples e todos os bons programas que lidam com astrologia tradicional fazem isso pra você. Usar as antiscia não tem a finalidade de mostrar que é o sabe-tudo da astrologia, elas podem alterar o desfecho de uma análise.
Ajudar a compatibilizar a leitura do mapa com a realidade, o desejo de qualquer astrólogo. Uma análise incompleta só gera interpretações inverossímeis. Dentro em breve, postarei imagens para auxiliar no entendimento da questão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …