Pular para o conteúdo principal

Filhos no mapa natal - parte 1 - reflexões

A inseminação artificial resolveu muitos problemas de infertilidade no mundo contemporâneo. Para algumas escolas de astrologia, esse desafio às limitações naturais põe em xeque a capacidade do mapa natal de retratar a vida em seu todo, mas esta afirmação parte do princípio de que o mapa representa somente os impulsos comportamentais e biológicos do nativo; seguindo esse viés, portanto, quanto maior a intervenção artificial sobre o que concebemos como "natureza humana", mais incongruente o mapa seria com o nativo. No presente momento, o autor discorda desta idéia e crê que a carta natal representa não somente questões biológicas, sociais, mas compreende também tudo que nós podemos realizar graças aos avanços tecnológicos. Dessa forma, se você tem um filho graças à engenharia genética, provavelmente ele estaria representado no mapa natal. Todo esse nhémnhémnhém do mapa representar a natureza cai por terra graças a um argumento muito utilizado pelos mesmos astrólogos pós-modernos: não existe natureza, tudo é criado pelo homem e dessa forma então o mapa idealmente não deveria representar nada, coisa que não verificamos na prática...

A carta natal representa as possibilidades e impossibilidades de um contexto. Se futuramente o homem conseguir voar com pranchas iguais àquela do Surfista Prateado, poderemos saber se o mapa de alguém promete isso ou não pela análise de sua casa dos transportes, a casa 3. Você pode ser estéril mas engravidar através de inseminação artificial com facilidade, ter até trigêmeos. Será que o seu mapa mostra esterilidade? Se a nossa realidade atual torna possível a gravidez de algumas pessoas e o mapa mostra as possibilidades e impossibilidades, será que isso não seria mostrado no mapa? Os astrólogos modernos usam vários argumentos contra técnicas medievais polêmicas, incluso a técnica dos filhos. A grande maioria aponta crê que o referencial do conceito de realidade da astrologia que faço é estático, medieval como o seu nome, sendo comum o seguinte argumento: "se você nascesse há séculos atrás, seu mapa estaria certo, você não pode ter filhos, mas existe a inseminação artificial".

Será isso mesmo? Será que não adianta mais estudar essas técnicas com o advento da inseminação artificial? Vocês já imaginam qual é a minha opinião, e não tardarei em explicá-la com um exemplo que sempre encontro em minha prática: o estudo da expectativa de vida, com base em regras medievais. Não sou um grande filósofo da astrologia, mas a minha observação me permite fazer interferências a vários postulados que andam fazendo a cabeça de muita gente em certas comunidades de orkut.

Os mesmos astrólogos que criticam a técnica dos filhos criticam quatro vezes mais a técnica do Hyleg, pois é um absurdo saber a data de sua morte. Se querem tapar os olhos a algo que funcione efetivamente, o problema é deles, isso não vem ao caso, o que direi a seguir é mais interessante e cala a boca deles: Com todos os antibióticos, antiretrovirais, cirurgias de última geração, implantes, transplantes, marcapassos, clonagem e células tronco, as pessoas continuam morrendo próximas a data em que seus mapas prometem, um argumento muito palpável a favor do Hyleg... Os profetas pós-modernos crêem no aumento vertiginoso da expectativa de vida, mas essa é uma realidade distante da que eu vejo na população como um todo, incluindo a classe mais abastada.

A era moderna dá um poder excessivo e ilusório ao indivíduo, uma falsa impressão de que morremos quando queremos, bastando "força de vontade" para vencer o mapa natal, mas esta é uma compreensão errônea da arte: a astrologia é um sistema holístico: ela representa (e não influi) a pessoa como um todo, da sua motivação de vida aos hábitos de saúde. Dessa forma, a força de vontade para melhorarmos de uma doença grave pode ser claramente representada pela avaliação do estado cósmico do regente da casa 1, ou seja, isto que é usado para vencer o que o mapa promete também está contido nele! Não podemos fragmentar um sistema de compreensão holística da realidade! Dizer que a astrologia representa somente predisposições inatas é reduzir esse conhecimento a algumas áreas apenas. Cria-se assim uma astrologia tetraplégica!

Uma vez restrita dessa forma, a astrologia só serve para diminuir nossa ansiedade em algumas situações, já que o mapa natal perde em muito a sua capacidade preditiva de coisas desagradáveis ou não, mas inerentes a vida humana! Essa visão seletiva é outra coisa típica da era moderna: Só queremos coisas boas e confortáveis, os resultados sem os esforços, os fins sem os meios, tudo na velocidade do som. .

Imbuído desse espírito, passemos à lição de filhos.

Comentários

  1. Rodolfo, é lúcido e interessante teu artigo. Tenho uma dúvida a respeito do Hyleg: é o mesmo que está naquela carta que você me deu, do meu mapa? Aquele do Bonnati ou nada a ver?

    Avisando: não sou médica, vc sabe, mas sou interessada nesses assuntos e tenho ua visão crítica sobre várias coisas que acontecem no mundo e principalmente no Brasil.

    Apesar de até concordar com teu artigo, tem uma coisa que influencia bastante na concepção de nascimento e não é nada disso que você escreveu aí. É que o Brasil é campeão em cesáreas e isso acho que seria uma baita influência (contra, diga-se de passagem) a Astrologia. Evidentemente, o bebê que nasce de parto-normal vai nascer na mesma época mais ou menos que aquele que nasce de cesárea, porque afinal de contas 9 meses são 9 meses, pelo "método César-corte" ou não. No entanto, um parto não tem data marcada, nem hora pra acontecer, mesmo que hoje em dia esteja tudo mais, digamos, organizado e com anestesia até pra parto. Qual sua opinião sobre isso, relacionando, claro, com a Astrologia?

    ResponderExcluir
  2. tudo que disse para a inseminação artificial se aplica a cesárea. Apesar de haver uma escolha para o nascimento do nativo, os mapas de cesárea a meu ver respondem a interpretação da mesma forma que um mapa via parto normal.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Rodolfo, esse assunto muito me interessa...E tb fiquei curiosa para ver sua opinião sobre o comentário da Gi, pois partos, cesarianas,são meus assuntos de mestrado, e apesar de não ter nada do viés astrológico, esse assunto me interessa de qualquer maneira. E eu adoraria ouvir sua opinião.Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Nalu, sou bastante enfática em relação a esse assunto, chego a ser chata. Quer ouvir mesmo minha opinião? hehe Bjs

    Rodolfo, vou ler o artigo. ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …