Pular para o conteúdo principal

e quando no mapa é, mas na vida não é?

E quando você faz aquela interpretação super complexa para descobrir que tudo está errado? Será sempre assim?

Antes de você se descabelar como eu, sugiro que faça uma espécie de astrologia reversa. Apesar de ser altamente questionável um astrólogo fazer isso e publicar eventos após o fato, acho que é um caminho didaticamente seguro, que te ensina a priorizar os elementos mais importantes.

Apresentarei um exemplo que me descabelou. O dono do mapa abaixo sempre teve problemas financeiros devido a sua doença da alma, chamada de transtorno bipolar. Teve heranças da família, mas torrou o dinheiro em bebida para si e para os pseudo-amigos de fase maníaca da doença, na qual o indivíduo fica altamente perdulário. A situação financeira mudou com um concurso que fez para a Justiça (não especificarei por não ser necessário), quando assumiu um cargo que consistia em cumprir mandados de busca e apreensão de posses.


Não cabe aqui dizer, mas se você perceber todos os regentes da casa dois, que se encontra em Áries, perceberá que o nativo encontra dinheiro da família, dos irmãos e do casamento, entretanto ele nunca dependeu dessas fontes, salvo o dinheiro da família na herança, que poderia ser representada pelo sol em leão na casa 5. Ele já foi dono de bar e empório, mas sempre perdia dinheiro pelos "beiços" que levava dos clientes. Além disso, marte na casa três nunca representou brigas graves com irmãos. Segundo uma pessoa de confiança, o nativo em questão só teve conflitos fraternais na infância, algo absolutamente esperado entre irmãos.

Qual configuração diria o verdadeiro destino do nativo com maior certeza? A parte da fortuna está na casa 2, mas no terceiro signo. Ela aspecta mercúrio na casa seis, e vênus na casa 4, e dessa forma tem condições plenas de ser significador financeiro do nativo. Dizer que a parte está na casa dois esconderia a interpretação mais primordial dela para a questão pois ela está no terceiro signo, o que nos garante dizer com precisão que o nativo lucraria com concursos e a aplicação da lei representada pela casa 3. Como o regente do domicílio aspecta a parte, então nós a consideramos fortíssima.

Analisar a casa dois aqui apenas nos daria um breve insight de alguns problemas financeiros que o nativo experimentou durante sua vida, e mesmo assim alguns planetas podem não condizer com a realidade. Será devido ao fato de estarem fracos?

Ainda existe uma variável. A pessoa com a qual conversei é sua filha. Nem sempre o pai conta todos os seus problemas aos filhos. A melhor maneira de você saber a verdade é procurando um consulente sincero, que não tenha problemas em dizer coisas de foro íntimo. É importante abordar isso aqui, pois você pode pegar mapas de famosos e se decepcionar, estando eles completamente certos.

O mapa de Einstein, por exemplo, tem marte na casa sete, que nas análises gregas o apontam como um planeta que define o seu destino, mas nós estamos acostumados a encará-lo como o nerd mercurial que descobriu a teoria da relatividade e achamos inverossímil marte ser tão marcante em sua vida. Depois que percebemos seu exílio em terras americanas (mudança de país era comumente representada entre os gregos por maléficos na casa sete, não me perguntem o porquê) e o seu divórcio, começamos a perceber que a vida de um criador é muito maior do que sua criação.

Nunca acredite inteiramente na pessoa que lhe relata a vida de alguém. Ela pode ter boas intenções, mas não saber da verdade como um todo. A melhor coisa é aprender em prestações, coletando eventos de personalidades e procurando correlacioná-los com o mapa natal e a época que vivem (firdaria, profecções, Revolução Solar, etc.).

De resto, comi mosca mais uma vez.

Comentários

  1. Minha soluçao é simples, rodolfo, diga:
    "por motivos éticos, nao analiso o mapa de terceiros sem autorizacao, mesmo que seja seu pai, desculpe"

    ResponderExcluir
  2. O Einstein é meu companheiro de Marte na 7? Senhooooooor! ;-)) Tudo é mesmo muito relativo nessa vida.

    ResponderExcluir
  3. .. mas a casa 7 é natural d sagt.? q tem jupiter q representa também o estrangeiro , as leis no caso dele da fisica numa numa teoria nova , vamos dizer assim e marte dependendo dos aspectos impulsionou a ação ( pra outro países ).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …