Pular para o conteúdo principal

Analogia: um insight precioso.


Observe o mapa acima. Vê-se que marte em trânsito se aplica a vênus e se separa de Saturno e do Sol.


Um trânsito normalmente será considerado um evento pequeno, sem muita importância e do qual a pessoa dificilmente se lembrará um ano depois, salvo se ela manter um diário e anotar tudo que acontece em sua vida, assim como eu. Em alguns momentos, porém, os trânsitos ativam configurações muito perigosas, por refletirem técnicas preditivas mais importantes, como as profecções ou direções primárias.


Apesar do exemplo acima consistir num trânsito, o que aprendi ao ler esse mapa nos servirá para a leitura de qualquer mapa ou técnica. Não a ver somente com trânsitos, contudo, o que acontece no mapa acima nos servirá de exemplo.

Quando marte entrou em oposição a Saturno, a nativa teve alguns desentendimentos com seu namorado. O mesmo em quadratura ao sol, brigas com os responsáveis pelo seu pagamento. Finalmente, em quadratura com vênus, seus pais brigaram.

Dá pra ver que a passagem desse planeta no mapa dela sempre é desestruturadora, ainda que as brigas sejam pequenas. Além do mais, marte é sub-regente de sua Firdaria atual, junto a mercúrio, e dessa forma está mais ativo do que de costume, mas isso também não importa muito agora. O que gostaria de entender é como prever as ações de marte corretamente?

O pequeno maléfico rege no mapa dela dinheiro, parcerias (por ser Almuten da 7), sexo e a mãe. Será que Marte em trânsito representará sempre os três ao mesmo tempo? Na minha experiência, a resposta a pergunta anterior é não, mas nenhum professor de astrologia na face da terra me ensinou a discernir quando marte será dinheiro, sexo ou a mãe. Uma resposta tímida para esse problema pode ser encontrada no conceito de analogia.

Não vou citar o Aurélio, não o tenho comigo, mas na astrologia essa palavra representa também a semelhança entre dois símbolos. Quando você faz analogia a alguma coisa, isso gera uma comparação. Na astrologia, a analogia não gera uma comparação, mas sim uma reverberação, que gera um evento pelo grande número de planetas que colaboram com o mesmo significado. Por exemplo, marte é violência. Se ele estiver na casa oito, pode representar que a pessoa terá uma morte violenta, independentemente da casa que ele rege. Isso porque é fácil para marte se sintonizar com a simbologia funesta da casa. A mesma coisa Saturno. Se júpiter estiver na casa oito, pode até representar morte, mas como ele é significador geral de dinheiro é mais provável que represente o dinheiro da parceira (casa 2 da sete).

O conceito de analogia é sempre relativo: se marte possui alguma relação com as casas oito, dois e sete ao mesmo tempo, é muito provável que suas ações sejam sentidas mais na primeira, pois é fácil marte reagir com violência. Se em outro caso ele tiver relação com a casa seis, um e três, nós escolhemos a seis, porque marte é maléfico e a casa seis é o local onde ele "goza". Isso não exclui que ele aja sobre as duas casas restantes, mas só agirá nelas se aspectar um planeta que tenha alguma relação com uma dessas casas!

No exemplo acima, marte rege a casa dois, e quanto ele entrou em quadratura com o sol, representou problemas financeiros, pelo simples fato do sol ser regente da casa dois. Quando ele entrou em oposição a Saturno, representou brigas com o parceiro, porque Saturno rege a casa sete. O mais interessante é que os desentendimentos tiveram como origem o dinheiro do parceiro, ou o dinheiro partilhado na relação! Aqui marte se determina a duas casas ao mesmo tempo! Enfim, no último exemplo, marte está regendo a casa dez, e ao entrar em quadratura com vênus, regente da casa 4, representou desentendimentos entre os pais, porque nesse caso é mais comum o pai se relacionar com a mãe do que com outra coisa no mapa da nativa.

É natural encontrarmos problemas nessa abordagem. Isso porque a vida acontece de muitas formas, ela é caótica. Ora, se marte está posicionado na casa dois, porque ao quadrar vênus, regente da quatro, ele não representaria conflitos com dinheiro envolvendo o pai? Sem dúvida, o leitor está certo, isso pode acontecer. Quando vi a quadratura entre vênus e marte, logo pensei que seria isso e adverti a nativa. No dia seguinte, ela me disse que seus pais brigaram. No mesmo dia li o livro XXI de Morin de Villefranche, que nos seus capítulos IV, V e VI expõe o mesmo tema de forma magistral e absurdamente simples. Então eu percebi o quão importante as analogias são.

Utilizar esse conceito não nos serve para simplificarmos a interpretação e ignorarmos as interações mais exóticas que possam existir. Marte transitante em quadratura com vênus no mapa acima pode realmente representar conflitos com o pai envolvendo dinheiro, mas pelo fato de marte e vênus representar sempre em conjunto questões sexuais e afetivas, é muito mais provável que o simbolismo do pai e da mãe incorporem o simbolismo planetário do que dinheiro e pai. Você não pode se esquecer da segunda hipótese, mas ela ganha menos prioridade na análise.

Ou seja, quando o planeta em trânsito for Júpiter, reger dinheiro (casa 2) e filhos (casa 5) e entrar em quadratura com Saturno, regente da casa três e quatro, devemos fazer um inventário dessas casas e perceber com qual delas júpiter e Saturno têm mais relação. A seguir, devemos averiguar as significações naturais dos planetas. Finalmente, e não menos importante, verificar técnicas preditivas importantes, como as revoluções solares ou profecções, pois é imporvável que os filhos morram devido a saturno se essas técnicas não confirmem isso.

Seguindo o exemplo acima, Júpiter é significador natural de filhos e substãncia, não ajudando muito a afastar hipósteses. Ao mesmo tempo, o gozo de Saturno é em qualquer casa 12 do mapa, seja por derivação ou não. Dessa forma, Saturno em quadratura com Júpiter pode gerar problemas aos filhos, com alguma internação, pois a casa 4, por regência da Saturno, é a 12a casa a partir da quinta. Ao mesmo tempo, Saturno é significador natural do pai em mapas noturnos (embora atualmente eu esteja muito inclinado a acabar com essa divisão estrita entre diurno e noturno em casos isolados), e tem grande relação com tristeza e morte por ser um maléfico. Apesar dessa "sintonia essencial" com o pai, é improvável que o nativo brigue com o pai por dinheiro. Isso acontece somente quando o nativo é dependente do pai, e no exemplo ele tem filhos e é independente. Dessa forma, O trânsito indica problemas com os filhos, salvo se outras técnicas indiquem a mesma coisa.

Outro exemplo: no meu mapa, a lua está na casa um, mas no segundo signo, rege a casa quatro e é Almuten da 2. Ela se aplica a Júpiter, regente da casa 12 e 9, porém posicionado na casa 7. Pensar em todas essas casas nos daria vertigem sem o uso das analogias. Com elas, tudo fica mais simples, pois como a lua é Almuten da casa 2, e Júpiter o significador geral de riqueza, o aspecto indica uma vida financeira satisfatória. A regência sobre a casa 4 nos dá a segurança de que isso se estenderá também às propriedades imóveis.

Dicas para analogias: os maléficos vão se apegar a casas difíceis (6, 8 e 12), mesmo que não tenham regência sobre elas. Isso implica dizer que um mínimo aspecto tenso de marte ou saturno a essas casas os tornam determinados a sofrimento, doenças, inimigos secretos e morte, pois é fácil para as naturezas maléficas deles se sintonizarem com essa dimensão da vida!

O conceito de analogia nos ajuda a priorizar os símbolos, e constitui no elemento que impede a nossa arte de ser dominada pelos computadores. Se nós considerarmos todas as casas que dois planetas em aspecto regem, bastava um computador 386 (ou menos!) para criar uma análise combinatória.


Devemos a descoberta das analogias no simbolismo a Morin de Villefranche. Esse autor do século XVI é muito criticado hoje por desconstruir a astrologia árabe anterior, uma coqueluche na europa que durou mais de 200 anos e decaiu com a ameaça Turca. Ao mesmo tempo, os mesmos autores que o criticam reconhecem seus insights geniais, que facilitam o entendimento da obra dos seus antecessores. Morin simplesmente diz o que estava implícito e era fundamental para o entendimento de todos os textos que o antecederam, e dessa forma a leitura de sua obra é fundamental para que prossigamos no estudo da astrologia retrospectiva a ele.

Comentários

  1. Excelentes artigos esse da analogia,Rodolfo, pena que vai ficar entre a massa de lixo na internet, mas acredito que muita gente que acha que é astrólogo, se lesse esses dois posts com atencao descobriria o caminho das pedras.
    Mas agora o lance é colocar na pratica e ver se funciona ;-)

    ResponderExcluir
  2. pode crer, esses dois artigos surgiram depois de tanto bater a cabeça na parede com técnicas vãs, como um bom ascendente áries. As analogias nos ajudam a jogar fora as preocupações. Os planetas não se relacionam como probabilidades metemáticas, e sim com analogias.

    Eu juro que gostaria de espalhar esse artigo por aí. Agora vejo que cometi uns erros de português, e preciso ser mais simples também.

    ResponderExcluir
  3. Rodolfo,

    Em relação ao seu mapa você disse que "a lua é Almuten da casa 2, e Júpiter o significador geral de riqueza, o aspecto indica uma vida financeira satisfatória".

    Mesmo este aspecto sendo uma oposição entre a casa 1 e 7? Não existiria um conflito entre as casas que atrapalharia um pouco a vida financeira?

    Parabéns pelo artigo ! Aliás o blog está me ajudando bastante.

    Giuseppe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…