Pular para o conteúdo principal

Analisando qualquer parte árabe

Para você entender como se analisa qualquer parte, basta ver em que grau ela cai, anotar todos os regentes e ver se eles a aspectam por signo inteiro. Quanto mais próximo o aspecto, melhor.
Evidentemente, você tem que saber o significado da parte. Se for um significado ruim (exemplo, a parte da morte), quanto pior o estado dos seus regentes, mais eles são capazes de causar o mau prometido pela parte. Se a parte for boa (exemplo, parte da substância) e o regente estiver em mal estado, é através dele que a pessoa terá perda das coisas representadas pela parte. Se a parte for "má" e o regente em bom estado, a pessoa alivia as coisas que a parte simboliza.

Eu peguei aleatoriamente um mapa no Solar Fire e escolhi uma parte árabe aleatória para analisar. O mapa é de Kurt Cobain, e a parte é da casa 8 (as partes eram classificadas por casas referentes, veja na ilustração abaixo a tabela "house 8"), chamada por Bonatti de pars loci ponderosi, ou "parte do lugar pesado". Veja parte da descrição daquele astrólogo:

"Se esta parte e seu senhor estiverem aflitos numa natividade, o nativo não terá êxito em nenhum empreendimento, preocupando-se muito com eles, e eles nunca terão um bom fim, tampouco ele completará qualquer assunto, seja para o bem ou para o mal"

Descrição exagerada, mas que reflete o que essa parte representa. O trecho nos transmite a idéia de um trabalho de difícil finalização, pesado e angustiante. Lembra-nos o mito de sísifo, no qual o protagonista tinha de realizar o mesmo trabalho eternamente... Evidentemente, todos os trabalhos na terra têm um fim, mesmo que fiquem incompletos, mas essa parte pode representar algo que nos exaspera, e nunca acaba em nossas vidas.


Analisando o mapa de Kurt Cobain, a parte se encontra em 15 de leão, caindo na lamentável casa 12. Limitações, auto-sabotagem, inimigos secretos e coisas escondidas serão o grande peso da vida de Cobain, isto se a parte estiver ativada pelos seus regentes.

15 de leão tem como regentes o sol, saturno e júpiter, nem mais nem menos. Vejamos se eles mantém alguma relação com o ponto, seja por antiscia ou por aspecto. A resposta é não! Nenhum deles aspecta a parte, todos estão em aversão. Não dá pra analisá-la, ela é tão inútil quanto um asteróide...


Isso serviu para nos dar uma noção de como se deve fazer em caso negativo. Agora vamos procurar outra parte, desse vez que seja vista pelos seus planetas. Vamos analisar a parte do casamento de homens segundo Hermes (pars coniugii virorum secundum hermetem).

Não vou postar o trecho dessa parte, mas basta dizer que se ela estiver em bom estado, assim como o seu regente, o nativo se casa com uma mulher adequada. Nos tempos de Bonatti, "adequada" não tinha nada a ver com " ter coisas em comum", mas com o fato da mulher ser da mesma classe social que você. Dessa forma, sua família não perdia dinheiro. Hoje em dia, "adequada" seria mais relativo a mulher ter coisas em comum contigo, a mesma demanda intelectual, sexual e afetiva. Por isso é bom você estudar história medieval, senão vai fazer anacronismos idiotas com uma simples palavra. Apesar desse significado restrito, de "adequabilidade social", esta parte é usada de um modo mais amplo, para descrever algumas facetas da mulher, detectar possíveis problemas matrimoniais, traições, etc.

Sem mais delongas, a parte cai em 17 de Virgem, na cúspide da casa 1 praticamente. Seus regentes são mercúrio, lua, vênus, marte e júpiter. Caímos no oposto a parte anterior, quando há muitos planetas e todos a aspectam! Com um pouco de calma, você perceberá que mercúrio e lua aspectam a parte de um modo mais próximo. Temos de priorizá-los. Não tenho ainda muita experiência quanto a escolha de um regente da parte, mas eu priorizaria os planetas que a aspectem mais proximamente e, a seguir, aqueles com melhor estado cósmico. De qualquer forma, é bom analisar todos os seus regentes, só para experimentar.

A parte angular fala bem para o assunto, casamento. Na casa 1, pode indicar que o casamento do nativo será com uma pessoa que se dedique a ele. Mercúrio está mais próximo em aspecto, se encontra debilitado em peixes, na casa 7, angular. Ele promete mais do que realmente pode cumprir, pela sua debilidade, mas seu dispositor, Júpiter, o aspecta e está em excelente estado cósmico. A dedicação da mulher a Kurt se origina dos sentimentos que ele tem por ela, mas encontra problemas devido ao grupo do qual kurt faz parte (júpiter na casa 11). Ao mesmo tempo, a lua domiciliada se aplica a mercúrio em trígono, melhorando mercúrio e descrevendo a parceira de kurt: alguém com características mercuriais (inteligência, sagacidade, experimentação) e lunares (carinho, nutrição e instabilidade).


Vênus é outra regente, mas se encontra aflita por Saturno, indicando que problemas referentes a prazeres excessivos e geradores de doença (casa 5 e 6) podem gerar perturbações na harmonia matrimonial (vênus). Simples e direto, vênus descreve o vício por heroína. o trígono com júpiter representa a ajuda e superação através da família (casa 4), amigos e da própria mulher.


Marte é o último que analisarei, ele está em escorpião, domiciliado, na casa 2 (dinheiro, morte da parceira) abaixo do horizonte em quadrante e signo feminino e conjunto ao nodo sul, que aumenta sua malícia. Ele rege a casa oito (morte) e é almuten da cinco (prazer), faz trígono com o sol na casa 6 (doença), reg. da 12 (segredos). Pelo resumo da ópera, é mais uma indicação de muita grana torrada com drogas. O trígono com o sol não ajuda muito, apenas mostra o dinheiro cooperando com sol, que rege segredos e dinheiro da parceira.

A análise completa de um mapa é um trabalho de sísifo... Melhor nem tentar ser breve. Depois de muito estudar, concluo que a astrologia medieval não tem um formato comercial vendável nos tempos modernos. É preciso analisar o mapa em fragmentos, caso contrário a análise levará muito tempo, sendo dispendiosa para astrólogo e consulente. Dessa forma, o astrólogo deve vender interpretações fragmentadas, como "análise matrimonial", "saúde" ou "questões financeiras".

Comentários

  1. Concordo com a paret de nao ser prática e vendável... vivenciei isso na pratica recentemente ;-)

    ResponderExcluir
  2. Rodolfo, vc poderia me dizer qual é o nome da parte em inglês? Ela está na lista de partes do solar fire? Abraços, seu blog está cada dia mais interessante. Estou adorando.

    ResponderExcluir
  3. obrigado Nalu. Essa parte não está no solar Fire, eu a coloquei lá no "Arabic Parts Editor". Se vocÊ me mandar um e-mail eu envio o arquivo pra você.

    ResponderExcluir
  4. yuzuru: agora fiquei curioso... Tentou fazer um mapa pago e não conseguiu entregar a tempo?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …