Pular para o conteúdo principal

Sobre o conceito de Hayz

Hayz acontece quando um planeta está num signo do mesmo sexo e acima do horizonte, na parte do dia a qual pertence. Parece complicado, mas não é.

Os planetas noturnos são lua, vênus e marte. Os dois primeiros são femininos, mas marte é masculino, embora funcione mais dignamente em signos femininos. Todavia, prevalece aqui a feminilidade, o lado noturno.

Os planetas diurnos são o Sol, Júpiter e Saturno, todos masculinos.

Os quadrantes orientais e masculinos compreendem o primeiro e o terceiro (intervalo entre o ascendente e o meio do céu, e entre o fundo do céu e o descendente) ; os quadrantes ocidentais e femininos são os restantes.

E mercúrio? Esse é bissexual, diurno ou noturno: seu sexo e parte do dia depende do planeta ou signo ao qual ele está associado.

Se você tem um Saturno acima do horizonte , em signo masculino e em quadrante oriental, ele está em hayz. Se você tem vênus acima do horizonte em mapa noturno, em signo feminino e em quadrante ocidental, ela está em Hayz. Para entender o que é isso, (e o porquê de ser necessário estar acima do horizonte) nada melhor do que usar a metáfora da política americana, com as devidas proporções e licenças poéticas...

Quando os Republicanos estão no poder, os Democratas não tem muita autoridade para trazer coisas boas; ao contrário, se algum democrata quer fazer mal, ele assim o fará com especial intento de derrubar o partido oposto. Os planetas democratas bondosos, justos e que querem medidas para o bem do nativo, não tem poder para proporcionar a ele seus significados, pois as verbas predominantemente são dominadas pelo rival. A única coisa que, portanto, podem fazer é coibir os excessos do partido Republicano, entrando com recursos e protestos na câmara de deputados contra ele. Já os benéficos do partido Republicano, ao contrário, tem muito mais poder de proporcionar algo bom para o povo, no caso o nativo, pois tem verbas em caixas disponíveis a qualquer intento.

Os planetas diurnos que estão acima do horizonte no mapa diurno (sol acima do horizonte) estão como numa espécie de palco, assumindo e reforçando que eles estão no poder. A mesma coisa pode ser dita para um planeta noturno, acima do horizonte em mapa noturno (sol abaixo do horizonte).


Discrepâncias teóricas.

Os árabes enfatizavam todas essas condições acima, mas para Firmicus Maternus, basta o planeta ser noturno em mapa diurno para funcionar mal ou mais fraco, ou vice-versa. Para entendermos isso, basta observar as delineações do autor acima sobre marte: quando marte está num mapa diurno, ele funciona sem honra. Já em mapa noturno, ele é elevado a general, derruba seus inimigos com dignidade. ele não deixa de ser machão como o marte fora de partido, mas parece mais "socialmente aceito" do que anterior. Parece muito com a metáfora dos partidos. Quando marte está noturno, (ou seja, num mapa de que nasce a noite) ele está cumprindo seu mandato, e tem poder para cumprir o seu projeto de um modo oficial, mais socialmente aceito. Bem, isso é o que li sobre esse conceito...

No que tange a interpretação dos planetas, comecei a observar as diferenças entre mapas diurnos e noturnos recentemente, pois nem Robert Zoller dá muita importância interpretativa a ela, embora a mencione e relate que ela é essencial em algumas análises, principalmente quando aplicamos técnicas antigas, como a da expectativa de vida (o Hyleg). Evidentemente, nessas técnicas a divisão entre dia e noite é fundamental para escolhermos o ponto certo na ocasião, mas não é disso que falo aqui. Eu me refiro a interogação se há diferenças na interpretação de um planeta dentro para um fora de sect (o nome do "partido" do planeta, em português seita) Em virtude da pouca experiência que tenho com esse conceito, às vezes eu sou levado a considerá-lo inútil. Vejamos o porquê da minha repulsa analisando o Saturno de John Kennedy:

Saturno está aparentemente na nove: repare no seu grau, e perceberá que ele está conjunto ao meio do céu. O mapa de Kennedy é diurno, então esperaríamos que esse saturno estivesse funcionando de um modo mais oficial e honrado, já que ele é um planeta diurno, e de fato trata-se de um ex-presidente americano. Se, contudo, você pensa que por conta disso ele é um "super Saturno", está enganado. O erro do estudante é tomar um conceito medieval e reputar a ele sua salvação: "se meu marte de casa 7 está em Hayz, então meus casamentos serão excelentes, mesmo ele estando debilitado em libra". Esse estudante do exemplo já começa errado por julgar seu próprio mapa, pois seu ego distorce brutalmente o julgamento da figura. Além disso, está atribuindo erroneamente ao conceito de Hayz a capacidade de transfigurar todos os outros conceitos astrológicos, mais importantes até do que esse.

O Saturno do ex-presidente está em detrimento, e funciona pior, mais selvagem do que em seu próprio domicílio, e quantitativamente muito poderoso por estar angular, indicando algo evidente, proeminente e que vence em poder outros planetas que poderiam representar os assuntos da casa dez, "carreira, fama, governabilidade e durabilidade". Soma-se a isso que está em Hayz (segundo Firmicus Maternus), o que o torna integrante do partido. Um selvagem destruidor do "partido diurno", com poder para realizar sua esse maléfica, ainda mais por estar em detrimento... Este é o Saturno de Kennedy! Para os árabes, Saturno não estaria em Hayz por se encontrar em signo feminino, e no final de um quadrante ocidental.

Pensar apenas no Hayz, ao mesmo tempo se esquecendo de itens fundamentais, como as casas e partes que um planeta rege, é um julgamento incompleto, e portanto dado a erros crassos. Se você estudar a fundo esse Saturno em Câncer no meio do céu, perceberá que rege várias partes árabes ligadas a contendas, inimigos secretos, mas também a "reinado". De fato, com Kennedy, o grande maléfico não faz referência a sua mãe, mas por ter um número exorbitante de testemunhos sobre fama e inimigos, ele é o grande significador de seu destino quanto á política! São tantos significados sombrios que esse Saturno incorpora, que o conceito de Hayz fica ínfimo, um detalhe pífio.

E cabe aqui uma reflexão do autor: a mim me parece que o planeta em hayz é muito mais responsivo e dramático. Se fala de coisas boas, elas vêm dramáticas, intensas e são bem percebidas. Se fala de coisas maléficas ao nativo, idem! No atual momento, não percebo planetas maléficos fora de seu partido como muito nocivos... Mas é apenas uma humilde e temporária conclusão de um amante da astrologia, esperando uma palavra de autoridade no assunto.

Deixo para o leitor uma reflexão: se tantos conceitos se originam dos gregos, foram aplicados pelos árabes e passados até nós, por que os relatos das teorias e aplicações do conceito de Hayz são escassas na literatura? Erro na transmissão ou inutilidade? Um dos poucos autores que enfatizam esse conceito é Firmicus Maternus, em seu Mathesis, que pode ser encontrado no Astroamerica. Dentre outros conceitos, nesse livro Firmicus delineia os planetas nas casas, mas com interpretações diferentes se o mapa for diurno ou noturno. Será que Howard Sasportas (criador do livro "As 12 Casas", um clássico da astrologia psicológica) faria um livro melhor se levasse em conta a diferença entre mapas noturnos e diurnos?

Time will tell...

Comentários

  1. Mas Rodolfo, eu achava que tinha nascido de dia, mas vi num site

    http://www.academiadeastrologia.com/artigos/artigo13.htm

    que 14:45 é considerado noite. Na sua visão é diurno ou noturno? Realmente nem sei mais o que pensar.

    ResponderExcluir
  2. Se o Sol estiver acima do eixo ascendente-descendente, nasceu de dia. 14:45 no Rio é sol a pino! rs...

    ResponderExcluir
  3. Falarei de outra coisa básica, mas é que pra mim ainda está um pouco complicado. Quero ter certeza.

    O conceito de hemisfério é o mesmo na Astrologia Medieval (tradicional) e nessa, a chamada moderna? Quero saber se tem algo errado no que já vi: hemisfério sul compõe as casas 7, 8, 9, 10, 11 e 12; Norte - 1, 2, 3, 4, 5, 6

    Ocidental: 4 a 9.

    Oriental: 10 a 3.

    Vê se eu entendi corretamente o resto:

    O quadrante feminino: 1, 2 e 3 e 7, 8, e 9.

    Quadrante masculino: 4, 5 e 6 e 10, 11, 12.

    Certo?

    ResponderExcluir
  4. Ahahaah! É mesmo.. se falarmos de Rio de Janeiro, mó calorão..

    Bem, então isso vai mudar até o esquema do Almuten Figuris que fiz outro dia pra mim.. ;-)

    ResponderExcluir
  5. Realmente, a cada dia algo novo! Depois ainda dizem que o céu não está na gente. Ou sei lá.. ;-)

    Bem, Sol em Áries na 8 num mapa diurno é Hayz? E Júpiter igualmente? Não, porque são casas femininas. Certo?

    Marte no meu caso então me deixa "sem destruir os inimigos". Meu mapa não é noturno. Sei que tem de analisar tudo e mal ou bem ele se encontra numa de suas triplicidades: Peixes. Mas tem que ver as casas que rege, eu sei, como vc exemplificou no caso de Kennedy. Aquele lá arrumava inimigos por onde fosse. ;-)E com uma amante daquelas linda e talentosa (acabou mal e virou mito)e uma esposa chata, elegante, metidinha e meio polêmica, imagine.. o kara estava "bem" mesmo. hihi

    ResponderExcluir
  6. oriental e masculino: 12-11-10 e 04-05-06

    ocidental e feminino: 1-2-3 e 7-8-9.

    Não há diferença entre feminino e ocidental. A mesma coisa com masculino e oriental.

    ResponderExcluir
  7. O Sol em Áries na oito em mapa diurno está em seu 'sect' (partido), mas segundo os árabes seria ideal que ele estivesse no quadrante que compreende as casas 12-11-10, oriental e masculino. Estando em Áries é excelente, pois ele se encontra em signo masculino e exaltado. Pode representar uma morte ou herança súbita, que te eleve a um patamar superior, mas é preciso ver as outras casas e partes árabes que o sol rege.

    Espere pelos significados solares mais socialmente aceitos, porém em menor grau.

    ResponderExcluir
  8. Ai, continuo não entendendo. Esse conceito então não tem a ver com hemisfério? Pergunto isso, porque nos sites que eu vejo por aí, eles dizem que as casas 4, 5 e 6 fazem parte do Hemisfério Ocidental. Há algo que não bate entre a visão moderna e a antiga. Bem, várias coisas.. hehe Sempre quando venho aqui ou no site do Yuzuru procuro "mudar meus conceitos" (ou melhor, ativar o ensinamento antigo) pra não dar confusão na minha cabeça. Não misturar com o que vejo somente no Orkut e outros aprendizados. ;-)

    No caso do Sol: ele rege a 12. E em relação às partes árabes rege 3 respectivamente nessa casa. Creio que deva ser algo que eu não vejo, oculto, mas que deve gerar algum tipo de "ajuda", pois são "religionis", exaltação e "ingeni facilita" ou nada a ver e entendi errado, já que por conta própria não encontrei a tradução de muitas na web. E até mandei um e-mail pra você pedindo um "help". ;-)

    Abraços, obrigada. Foi meu "cadeau d´anni" por hoje.

    ResponderExcluir
  9. escrever sobre os nomes das partes é uma tarefa dantesca, pois no livro que disponho todas estão em latim... É melhor você perguntar as que tem dúvida, daí eu cato milho do livro uma-a-uma... Mas não abusa, mande duas ou três de casa vez, rss...

    ResponderExcluir
  10. Vixe, mandei mais do que isso. E vou mandar de novo a dúvida que você não respondeu aqui. Dá uma trégua que hoje é meu niver. ;-))

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…