Pular para o conteúdo principal

Manifesto da Astrologia Medieval

  1. Não faço astrologia para ser o Guru de nenhum consulente; falo minhas previsões desapaixonadamente, porém com sabedoria, não me furto de dizer o que penso, mas sei que muitas coisas escritas nas cartas não hão de acontecer;
  2. Astrologia serve como prognóstico, e não aconselha a ninguém, pois a pessoa há de enfrentar seu destino cônscia dele ou não;
  3. O cálculo da expectativa de vida deve ser realizado em segredo e tem importância médica, não para fomentar algum prazer sádico do astrólogo, como alguns psicologizantes demagógicos defendem;
  4. Não confio numa astrologia onde "tudo pode ser tudo";
  5. Sigo a tradição dos mestres medievais e do período grego clássico, de Ptolomeu e do pseudo-Ptolomeu divulgado pelos árabes; qualquer coisa além disso deve ser confirmada pela prática.
  6. Sobre o item 5, por preferência pessoal e histórica repudio os autores pós-renascença SIM.
  7. Os planetas maléficos sempre indicarão experiências mais difíceis. Na melhor das hipóteses, experiências que propiciem frutos a longo prazo ou que envolvam muito esforço físico.
  8. Os signos do zodíaco não dizem nada per se. A astrologia do signo solar é falha e deve ser substituída por um modelo que priorize a visão completa e irrestrita do mapa como um todo.
  9. O mapa astral pode sim indicar traços psicológicos com exatidão, mas daí a afirmar que essa é sua única função é um reducionismo que ignora mais de dois mil anos de tradição na qual se constata o uso do mapa natal para se prognosticar eventos externos ao nativo, bem como sua expectativa de vida, prosperidade financeira e status.
  10. Qualquer repúdio aos aforismos acima faz de você um reformador da astrologia. Fique longe de astrólogos medievais e de blogs como esse. Você vai se assustar.

Comentários

  1. Gostei! Eu sou corajosa, não me assusto, até porque já me assustei e muito com tudo que me aconteceu na vida. Contra os astros, sei lá, nem reza adianta au "padimpadiciço". ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …