Pular para o conteúdo principal

Das partes árabes

Al-Biruni, em seu livro “The book of instruction in the elements of the art of astrology”, no capítulo sobre as partes árabes, demonstra irritação. Ele diz: “as partes aumentam em número a cada dia”.


Para você que não conhece: uma parte árabe é a distância entre dois pontos, partindo-se da perspectiva de um terceiro ponto. Esses três pontos podem ser três planetas, ou dois planetas e a cúspide de uma casa, sendo a massivamente comum o uso da cúspide da casa 1, o famoso Ascendente, mais o intervalo entre dois planetas.


Se você ainda não entendeu, vou exemplificar com a parte da fortuna, a mais famosa: trata-se da distância entre o sol e a lua, do ponto de vista do ascendente. Ou seja, quando descobrimos esse intervalo, o somamos ao ascendente, e assim chegamos a um quarto ponto, inserido no zodíaco e que tem um significado especial, de uma forma ou de outra relacionado aos planetas que fizeram parte da fórmula.


Voltando ao irritado Al-Biruni: como as partes árabes possuem um raciocínio simples, os astrólogos perceberam que poderiam criar partes árabes de quaisquer pontos do mapa natal! Não à toa Al ficou chateado, afinal de contas ele queria dedicar as páginas do seu excelente livro a outros assuntos que não fossem somente elas!


Talvez você esteja doido pra saber pra que serve uma parte árabe. Em primeiro lugar, o óbvio: ela significa alguma coisa, boa ou ruim, mas nem sempre tão específica quanto o nome que cada uma tem... Se você conhecer mais o tema, verá que existem partes árabes com nomes bizarros ao nosso raciocínio pós-moderno, como a “Parte das jornadas feitas por água”!


Um exemplo disso é a Parte da Fortuna. De fato, como o seu nome reputa, fala de dinheiro, e é mesmo o primeiro ponto que devemos olhar quanto a esse assunto, mas de um modo geral ela está ligada também a coisas mais subjetivas, como a satisfação pessoal, a realização das necessidades interiores do nativo. Ptolomeu diz que, se o significador dos irmãos estiver em bom aspecto com a Parte da Fortuna, então o nativo e seus irmãos se relacionam bem. O que dinheiro tem a ver com isso? Dessa forma, “Fortuna” aqui se aplica em vários níveis de interpretação, como tudo em astrologia...


Em segundo lugar, por se encontrar dentro de um signo qualquer, como todos os outros planetas e casas, ele possui planetas responsáveis, que comandam o signo no qual a parte está: são os famosos regentes.


Uma vez sabendo isso, a interpretação das partes torna-se igual a das casas. Pense na parte como a cúspide de uma casa: ela não é um ponto material e ativo como os planetas, mas sim sensível aos “raios” deles, os famosos aspectos. E como tudo no zodíaco, uma parte árabe está inserida num signo, e possui um regente.


Se você está dentro de um signo, os regentes dele são responsáveis por você, realizando o que você quer ou não. Se sou uma pessoa má, o regente pode realizar minha maldade, se ele estiver forte e tiver alguma familiaridade com ela. Ou seja, se eu quero a destruição das bicicletas, e meu planeta for um maléfico e tiver analogias com as casas ligadas a bicicletas, é muito provável que esse planeta destrua as bicicletas para mim, se estiver forte no zodíaco e em relação ao horizonte.


O exemplo do post anterior foi o ex-presidente John Kennedy, assassinado em público numa comitiva presidencial em Dallas, Texas, em novembro de 1963. John tinha um Saturno na casa X, em Câncer, em péssimo estado, mas conjunto ao meio do céu. Não sei se você se lembra, mas eu disse que esse planeta rege em seu mapa várias partes árabes ligadas a inimigos.


Todas as pessoas têm partes árabes ligadas a inimigos nos seus mapas natais, mas são os modos pelos quais elas (as partes) se dispõem que definem a interpretação dos inimigos serem cruéis ou fraquinhos. No caso de Kennedy, existem uma série de “coincidências” que reforçam a importância dos inimigos secretos no seu destino:

· Em primeiro lugar: Saturno é o significador essencial de inimigos;

· Soma-se a isso que seu estado cósmico é péssimo, porém muito forte em quantidade, indicando uma ação enérgica, porém feita aos tropeções. Morin de Villefranche diz (e cada dia mais estou convencido disso) que um planeta maléfico debitado dá o que a casa promete para depois tirar sadicamente, e foi exatamente o que aconteceu com Kennedy!

· Soma-se a isso as partes árabes que Saturno rege (ou seja, as partes que caem em Capricórnio ou Aquário), muitas delas indicadoras de inimigos secretos e declarados.


Através de Saturno, fortíssimo nesse mapa, as partes árabes maléficas realizaram seus intentos. Essa é a diferença entre o seu mapa e o dessa figura histórica: você pode encontrar no seu mapa a Pars inimicorum, indicadora de inimigos secretos, mas se ela estiver isolada no mapa, com um regente fraco e que não tem nada a ver com esse assunto funesto, é muito provável que seus inimigos sejam fraquinhos e você nunca receberá uma sabotagem como aquela do ex-presidente.


Quando muitos pontos no mapa cooperam com um singnificado, ou com um conjunto se significados análogos, provavelmente o evento prometido se manifestará. É assim que lidamos com astrologia, e com as partes árabes não é diferente.


O que direi serve para qualquer ponto, seja ele planeta, parte ou casa: quando um planeta rege dois pontos diferentes (muito comum...), isso significa que eles têm a maior afinidade possível, podendo ser relacionados ou ligados num eixo causal: um pode causar o outro, ou ambos acontecem ao mesmo tempo. Por exemplo, ao mesmo tempo que Kennedy ascendeu ao poder com seu saturno na casa X, ele gerou uma forte oposição, que provavelmente o sabotou de alguma forma. Ou seja, o poder (Saturno na casa X) gera inimigos secretos (Saturno rege partes ligadas a inimigos)


Esse é o princípio universal que ninguém ensina facilmente: tive de “pescar” sozinho, com muito estudo. Espero ter adiantado suas conclusões com esse artigo.

Comentários

  1. Olha, dá pra pedir outro mapa a Deus?! Ce n´est pas possible ça.. ;-)) A "parte do in" (não gosto nem de falar) está na 8 junto com Mercúrio, Júpiter e Sol, é regida (junto com os outros) por nada mais nada menos que Marte e ainda por cima este se encontra na 7. Mas há uma salvação: a 7 é declarada ao menos.

    ResponderExcluir
  2. então espere algumas disputinhas envolvendo dinheiro com seus inimigos declarados...

    Se há reencarnação, você pode ter outro mapa sim, mas com essa desoberta, a astrologia kármica existe e você nasce com um mapa igualzinho ao atual, rs...

    ResponderExcluir
  3. Ahaha! ;-) Pôxa, vc agora me confortou.. ahaha

    Sobre a "disputa": fio, eu sou daquelas que cooooooobro até o último fio de cabelo. Les amis sont les amis, mais les affaires.. Sou uma pobre "femme d´affaires" pobre. ;-))

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rodolfo!

    Achei muito interessante a análise neste tipo de mapa. Acabei de fazer meu trânsito astral, já me preparando para meu aniversário ( 06/06). Mas neste tipo de mapa q vc analisa, não só o grafismo, op desenho, é diferente, mas ele contempla interpretações e approachs que a tradicional não me mostrou ainda. Vc analisa mapas pela internet? Queria fazer uma análise dessas...fiquei tentando decifrar minha lua em touro e o fato de saturno no meu mapa estar em câncer. Acho q isso não deve ser mto bom...rs

    Um grande abraço e uma terça de lua de Buda bem iluminada pra vc;)

    Marcela

    ResponderExcluir
  5. marcela, a astrologia que divulgo chama-se "medieval" porque representa o modo como era praticada no período histórico homônimo.

    A primeira coisa que você precisa saber é que o mapa não representa somente uma coisa. Ele responde a qualquer pergunta que você o fizer, desde que devidamente delimitada. Se você indagar ao mapa natal "o que é você?", ele te devora como a esfinge. Precisa-se de perguntas mais específicas porque os planetas mudam de assunto para assunto estudado. Sua lua pode representar uma maneira que tem de ganhar dinheiro, e ao mesmo tempo representar sua irmã. Tudo isso é pessoal e intransferível.

    Portanto, para saber o que sua lua em touro representa, é necessário analisar as casas que ela rege, e ver com que assunto ela tem grande relação. uma vez descobrindo isso, os prognósticos acerca da atividade lunar no seu mapa serão previsíveis.

    meu email é rtveronese@gmail.com.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…