Pular para o conteúdo principal

Astrologia Árabe e os significadores - Parte 2

Para analisarmos uma casa, você precisa coletar planetas que possuam alguma autoridade sobre ela, e ver o seu estado. Mas não é só isso. Uma vez sabendo quais são os planetas, sondamos o mapa a procura do papel que eles exercem em outras casas. Se esses papéis paralelos possuem relação com a casa, então ganha o planeta regente com melhor estado e mais analogias a casa. Ou seja, não basta ser bom, tem que se relacionar. Se todos os planetas estão em mal estado, apele para o significador inespecífico do assunto: júpiter para riquezas, vênus para sexo e matrimônio, etc. Isso basta para você começar a praticar, mas é claro que a ausência de exemplos torna isso impossível a primeira vez, então o resto do artigo visa citar exemplos claros e concisos de como esse processo é realizado.

A minha casa dois possui touro na cúspide. Isso dá a entender que os regentes são vênus, lua (os principais, domicílio e exaltação, respectivamente). Os dois planetas acima também regem a triplicidade de terra, ao lado de marte. a ordem diurna é: vênus > Lua > Marte. Os termos da minha casa dois são regidos por Júpiter. E assim temos todos os regentes listados.



Em se tratando de dinheiro, não devemos nos satisfazer apenas com os regentes da casa dois. Existe uma parte que é indispensável para isso - Fortuna. Ela se encontra na casa um, mas no segundo signo, Touro, local da casa 2. Outra parte importante é a Parte da Substância, que se encontra em 19 de câncer, angular, porém lamentavelmente aflita por Saturno.



De posse de todos esses elementos (que não são ainda todos para se analisar dinheiro, mas bastam para exemplificar), começamos a análise do estado cósmico dos regentes da casa 2, da Parte da Fortuna e da Parte da Substância. Fazendo uma prévia do que será concluído, o planeta com maior número de analogias sobre o tema, associado ao melhor estado cósmico, é o responsável pelo melhor que a casa há de produzir. Os planetas restantes se tornam secundários e pouco efetivos para o nativo.



Comecemos pelo regente domiciliar da casa 2. Vênus está peregrina e sucedente, ocidental débil, em aspecto com o regente da casa, Saturno, que se encontra retrógrado e sem condições de recebê-la. Ela rege a parte da Fortuna, e a primeira triplicidade da casa 2, indicando posses no primeiro terço de vida. Aqui listamos os outros papéis que ela desempenha no meu mapa: como regente da primeira triplicidade de terra da casa 6, ela indica enfermidades, que não tem nada a ver e somente vem a prejudicar. Como primeira regente da triplicidade da casa 10, ela indica trabalhos, o que corrobora a associação com dinheiro, já que obviamente o trabalho é a principal e mais esperada fonte de renda do ser humano. Como primeira regente da triplicidade de água, ela rege as casas com signos de água na cúspide, representando meu pai, minha morte e meus inimigos, sendo o pai a principal analogia a dinheiro, pois muitas pessoas são sustentadas pelo pai. Vênus, portanto tem uma boa relação com dinheiro, e perderá para outro planeta somente se tiver um estado cósmico pior que este.




Assim que analisamos o mapa. Vou apresentar outro exemplo, o da lua, por falta de tempo... A Lua está crescente, angular, exaltada e se aplicará a Júpiter. Rege o segundo terço de vida para posses, e a segunda triplicidade da casa oito, representando tudo que é herdado. Representa voz de comando e audácia, pela regência da segunda triplicidade da casa X, e servos, pela segunda regência da triplicidade da casa 6, o que indica que o nativo pode prosperar pelos seus empregados no segundo terço de vida, se ele os tiver. A lua rege por exaltação a parte da fortuna, e rege a parte da substância. Também rege a casa quatro por domicílio, significando imóveis e o pai.




comparando o estado cósmico de Vênus, a lua está melhor, e possui muitas analogias com dinheiro, ganhando o páreo na representação das finanças. Elejo-a como o melhor planeta nas representações financeiras. A forte relação com o pai e com heranças dá a entender que no segundo terço de vida o nativo pode receber uma herança que deixará sua situação financeira excelente, elevando-o a um pico de poder (exaltação). Só o tempo dirá...



Aguarde, para mais exemplos de astrologia árabe!

Comentários

  1. Quando eu faco esse tipo de analise, fico ate com medo de minha Lua... e estou na firdaria da lua !

    ResponderExcluir
  2. Será mesmo? ela tem poder, está angular... pode realizar algo de um modo mais mambembe... O que ela rege no seu mapa além da casa 2 e 4?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …