Pular para o conteúdo principal

você fala complicado demais!



Tenho recebido (com razão!) comentários sobre a dificuldade em entender os meus posts. Eles trazem um linguajar técnico muito específico, então prometo aos meus leitores que vou maneirar daqui em diante.

Com base nessa proposta, penso em escrever um texto e distribuí-lo gratuitamente na internet, em PDF, como o meu estudo de caso número 1, ensinando os princípios básicos da astrologia medieval. Muita coisa que é produzida hoje em astrologia se baseia em bibliografia que pode ser encomendada em sites pela internet, mas somente a experiência pode ajudar a sintetizar e escolher quais são as melhores informações que você recebe. O PDF seria criado com essa proposta: facilitar a síntese de julgamento.


Sobre as minhas fontes bibliográficas.

O leitor que se interessa por esse ramo da astrologia perceberá alguns comportamentos recorrentes com alguns autores contemporâneos, como priorizar um livro em detrimento de outro, sendo este geralmente mais novo do que o anterior. A máxima "quanto mais velho melhor" cabe na astrologia medieval como uma luva. Enquanto o autor do blog não pode recorrer aos melhores livros, ele vai para outros cujo conteúdo é considerado duvidoso por muitos estudiosos do ramo. Apesar dessa incerteza, parto para esses estudos com o coração aberto a descobrir não o que é tradicional, mas sim o que a prática atesta.
Frente a isso, os livros que mais uso no momento são:
  • Three books on the Judgements of Nativities, de Johannes Schoener;
  • The Judgement of the Nativities, de Abu Ali Al Khayyatt.



Comentários

  1. Eu não acho seus textos rebuscados. Acho-os bem escritos, objetivos e ao mesmo tempo cheio de detalhes. Mas você consegue ser claro. E olha que às vezes faço leitura dinâmica e consigo "captar" e de outras repito umas 3 vezes o mesmo parágrafo, mas isso acontece por questões matemáticas/linguísticas e minha falta de experiência e de documentos (livros) em Astrologia. Daí fico dependente da internet, e se pudesse, imprimiria tudo que vocês escrevem, mas enfim, não foi pra isso que Deus me deu un cerveau, né? ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …