Pular para o conteúdo principal

um planeta numa casa qualquer.


A posição do planeta é mais importante que sua regência, mas a segunda é fundamental para entendermos o que ele faz dentro dessa casa. Vejamos o por quê.

Se eu tenho marte na casa sete, há inevitavelmente alguma fricção dentro do casamento ou de parcerias. Se esse marte rege uma casa boa, a fricção pode ser expressa de um modo mais construtivo. Melhor exemplificando, se ele rege a casa cinco, a parceria pode ser criativa.

A coisa fica completamente diferente com marte regendo a casa oito e posicionado na sete. A fricção marciana nesse caso envolve angústia e morte. Não podemos esperar coisas boas desse marte. Se dinheiro for envolvido (porque a casa oito é dinheiro feito via parcerias), haverá disputas.

Os planetas benéficos também podem ter tons maléficos regendo casas ruins da figura. Certa vez analisei o mapa de uma mulher que possuía vênus em sagitário na casa sete (chart 1). Ao perceber que esse planeta regia a casa 12 (touro), disse a ela que seu marido escondia um segredo dela (pois a casa doze, ligada a pessoas pode ser desde problemas de internação ou segredos - a análise dos planetas nos sugere uma coisa ou outra). O dispositor de vênus, júpiter, me daria o segredo: um bom dinheiro! Ela concordou com tudo que havia dito. A mulher havia se separado do seu marido devido a isso, mesmo portando vênus na casa 7, injustamente taxada de benéfica.


A história acima reafirma três verdades:


  1. Uma parceria feliz indicada pela casa sete pode ser desmentida pela análise geral de casamento em mapas de mulheres ou homens analisados. Os lumiares em aflição (lua no homem, sol na mulher) podem trazer problemas na experiência da figura amada e com a qual a pessoa se comprometerá.

  2. O dispositor nos diz a causa do planeta, mas ele pode ser também a explicação ou o complemento do que o planeta diz. Se o planeta fala de segredos, o dispositor os revela.

  3. A casa que o planeta rege é fundamental para termos uma idéia da maldade ou bondade que o planeta porta. Vênus é um benéfico em natureza, pois sempre traz uma ação soft, mas ninguém gostaria de receber seus atributos de um modo ostensivo, como um estupro ou uma traição. No caso da cliente, o marido era terno, mas escondia um segredo. A dignidade também ajuda, dando pistas. Domicílio é propício a paz, exaltação a honras, triplicidade a ajuda de amigos, etc.

A tão falada Astrologia poderia ser resumida em alguns artigos sobre os princípios básicos. Uma vez conhecendo estes, pode-se interpretar grande parte das técnicas preditivas usadas no mapa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …