Pular para o conteúdo principal

Teste Dimock


Yuzuru me deu a sugestão; eu a aceitei, e agora estou ansioso. Não posso escrever agora, são quase duas da manhã e preciso acordar cedo para visitar meus queridos doentes. Fica postado o mapa de um carioca, novo objeto de estudo do famigerado teste Dimock.

Pra quem não sabe, esse teste dá cinco alternativas para você adivinhar o que aconteceu com a pessoa através do seu mapa. Em matéria de múltipla escolha, a vida tem me presenteado as provas de residência médica... Será que me darei bem ne las? Enquanto isso não ocorre, posto as alternativas pra vocês tentarem aí de casa o que aconteceu com este senhor carioca.

Um evento importante aconteceu na vida desse homem, no Rio de Janeiro em 6 de Novembro de 2003. Assinale a alternativa correta:
  1. Ele perdeu seu trabalho.
  2. Sua casa pegou fogo.
  3. Sofreu uma cirugia.
  4. Sua parceira o deixou.
  5. Foi preso por tráfico de cocaína.

Esse é o mapa de um homem que sofreu um evento no dia 6 de novembro de 2003, no Rio de Janeiro. Não gostaria de colocar aqui as alternativas do teste. Mais divertido é descobrir sozinho, sem se lembrar delas.

Em 2003 esse homem completou 66 anos (2003 - 1937 = 66) , chegando com o ascendente projetado à casa sete do seu mapa. Logo no primeiro mês após o seu aniversário, portanto, aconteceu algo com ele, o que nos leva a suspeitar do arranjo planetário em profecção mensal para o primeiro mês do aniversário. Precisamos levantar uma série de testemunhos que confirmem ou não essa hipótese. A primeira coisa são os planetas que se encontram na casa 7:

  • Vênus – Em mal estado, rege a casa 3 e 8, e portanto maléfica acidentalmente;
  • Mercúrio – Sob os raios do sol, regente da casa 7 (inimigos declarados e parcerias) e 4 (fim da vida, imóveis e propriedades). Recebe uma quadratura de marte, posicionado na casa dez e regente da casa 2 (posses) e 9 (religião e viagens)
  • Sol, Regente da casa seis (doença e trabalho). Igualmente recebe uma quadratura de Marte na casa 10, já mencionado.

Comecemos pelas partes Árabes que se encontram no primeiro signo do ano pessoal dele: 26 de Virgem a 26 de libra contém partes árabes que podem ser importantes no ano em questão. São elas:

  • Parte da Morte da Mãe – em 28 de virgem.
  • Parte do casamento (coniugi virorum secundum Hermetem) – em 28 de Virgem.
  • Pars Foeneratorum (ligada a posse de objetos d e valor) – em 08 de Libra.

O testemunho mais importante deveria ser aquele gerado pelo regente do ano, que é mercúrio, mas ele se encontra em aversão ao signo da cúspide da casa 7, virgem (libra e virgem não se aspectam). Desse modo, mercúrio perde a autoridade sobre a casa sete durante o ano. Nesses casos, o planeta presente na casa em questão ganha autoridade e é o regente do ano. Como falamos de vênus, regente da casa 8 e 3, o ano promete problemas para o corpo físico (ascendente) envolvendo os seguintes assuntos: morte/angústia (casa 8), estradas e veículos, vizinhos e parentes, comunicação (casa 3), inimigos secretos e parcerias (casa 7). Mais importante ainda é perceber que Vênus é Almuten do Ascendente, reforçando a sua ligação com a casa 1. Talvez o nativo tenha sido deixado pela sua mulher.

Firdaria em questão – A Firdaria do período é Marte – Mercúrio. Os seguintes assuntos são enfatizados no período em questão:

  • Casamento e inimigos;
  • Carreira;
  • Viagens e espiritualidade;
  • Posses;

Outros dados importantes podem ser dados pela Revolução Solar, e pela comparação do regente do ano nos dois mapas.

Há um Retorno de Ascendentes na Revolução, o que torna esse ano especial. O regente do Ascendente da Revolução é Júpiter, que está na casa seis e rege a dez. Júpiter no mapa natal está na 10. Talvez uma questão pertinente a carreira.

E vênus? Onde ela se encontra? Em escorpião, detrimento, regendo as casas oito e três. Recebe um trígono de marte, posicionado na casa 12, regente das casas 2 e 9 e Almuten da 11.

As coisas que Vênus significa no mapa natal geram angústia ao nativo, pela sua posição em detrimento na casa oito. Sou levado a crer que o nativo terá um ano difícil para casamento: Letra d).

Comentários

  1. Bem, Rodolfo, já coloquei minha análise e o fligue também.
    Basicamente, como esperado, todos ficamos entre cirurgia, casamento e desemprego :-)

    ResponderExcluir
  2. Rodolfo;
    como faço para interagir com vc? via Blogg. Favor me explique "como se fosse uma menina de 6 anos". (do filme "Filadelfia" de J. Nemme) beijaflor20@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Rodolfo,
    Acho que seu texto induz demais na avaliação de Vênus, casa 4,7 e 8 a alternativa D - final ou crise de casamento.

    A questão da casa oito leva também a pensar em problemas judiciais, mas não envolvendo drogas e sim bens materiais.

    Se posso sugerir, colocar as alternativas os dados, e o mapa, e nada de texto, para podermos realizar uma avaliação sem indução.
    Abraços!
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Ana, o teste real pode ser encontrado nos links ao lado - "dimock brose". Aqui eu postei minha análise.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …