Pular para o conteúdo principal

Revolução Solar e o mapa natal

No blog Griphon Astrology, a autora nos dá dicas de como interpretar os planetas da revolução solar. Para ela, os planetas não perdem a sua determinação natal. Por exemplo: Se marte no meu mapa natal rege a casa um e oito, ele sempre terá essa determinação, mesmo na revolução solar. Assim, percebemos para onde a carreira se direcionará olhando a posição do regente natal da casa dez na revolução solar. Se o regente da casa dez do mapa natal estiver esse ano na casa quatro, problemas domésticos podem afetar o emprego, ou os negócios podem se voltar para a compra e venda de imóveis.
Robert Zoller, em seu curso, dá uma série de procedimentos para sistematizar a interpretação da Revolução, porém o mais importante é comparar as profecções do ano em questão com a leitura da Revolução solar. Se a casa dez projetada para o ano em questão é regida por um planeta em mal estado cósmico, a mesma casa na revolução deve ser analisada. Existem milhares de combinações, que variam desde uma casa 10 excelente, tanto na revolução quanto no mapa natal, até a demissão do emprego, com ambas em péssimo estado. Ao contrário de Nina, Robert lê também a Revolução separadamente, com suas regências. A análise do regente do Ascendente da revolução em ambos os mapas também se mostra reveladora. Pelo bem da sua sanidade mental, só não misture as duas técnicas!
Enfim, Revolução Solar é que nem Neston: existem mil e uma maneiras de interpretá-la. Não creio que seja melhor você sozinho descobrir a sua, como diria o comercial do farináceo da Nestlé. Faça um bom curso de astrologia medieval para ter noção, ou saia por aí comprando livros. Há uma boa tradição que deve ser seguida em prol da acurácia dos prognósticos.

Comentários

  1. A nina é seguidora do Frawley, que muitas vezes inventa coisas e diz que é tradicional, entao a fonte é um pouco suspeita. Pode ser que sim ou que nao.

    ResponderExcluir
  2. Segundo o livro do Weiss Morin tmb diz a determinação do planeta na revolução continua igual na revolução, mas fico com um pé atrás no que ele fala.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…