Pular para o conteúdo principal

maléficos... Para quem?

Na astrologia védica, os planetas maléficos que regem casas benéficas são chamados de benéficos funcionais. Em alguns ascendentes, como por exemplo Touro, Saturno é um planeta extremamente benéfico, por que rege as casas nove e dez. Quando um planeta rege duas casas boas, uma angular (casas 1, 4, 7 e 10, chamadas de kendras) e outra do triângulo do ser (casas 1, 5 e 9, chamadas de trikonas) é chamado de yogakaraka, e sua posição traz muitos benefícios para a casa onde se encontra. Nesse caso, um aspecto de Saturno a qualquer planeta é excelente para os assuntos que esse planeta rege.

Algumas pessoas acostumadas com astrologia tradicional do ocidente, e que ainda não tem muita experiência, acharão a afirmativa anterior absurda. Para a astrologia que praticamos no aqui, essa informação é um paradoxo: sendo Saturno um maléfico, ele nunca traria coisas boas, mesmo regendo casas boas. Se o leitor chegou a essa conclusão, saiba que está errado. A astrologia védica pode ter muitas coisas diferentes da nossa, mas essa é uma grande similaridade! Vejamos o por quê.
Os maléficos tradicionais são Marte e Saturno. Eles geralmente indicam adversidades, impedimentos e conflitos. Essas palavras geram temor nas pessoas, como se sempre algum evento angustiante fosse indicado. Definitivamente, não é bem assim.
Os dois planetas recebem a alcunha de maléficos porque indicam um modo de agir mais difícil em relação aos benéficos. Para os últimos, as experiências geralmente são tranquilas, fáceis e agradáveis. Seriam movimentos que a pessoa faz para conseguir algo com facilidade.
Por exemplo, uma pessoa pode conseguir um emprego simplesmente conversando com amigos numa mesa de bar:

-Cara, tô precisando de um trampo... Perdi aquele plantão!
-Ih, tem uma vaga lá onde eu trabalho... Topa?
-Claro!

Foi um movimento fácil, e a oportunidade surgiu como num passe de mágica. Nesse momento, se a pessoa crê em algum Deus, talvez se sinta abençoado. Ele pode estar num período de vida no qual as oportunidades de trabalho são fáceis e abundantes, devido a presença de Júpiter na casa dez.

A mesma pessoa pode, em outra ocasião, conseguir um emprego através de um concurso. Vai estudar muito, perder noites de sono, ter paciência, manter o controle para não desistir, ficar estressado, mas pode até gostar desse estilo de vida, se sentir produtiva, gerar muitos progressos. Ela pode estar passando por um período de Saturno na casa nove, a casa do ensino superior.
Outra pessoa pode ter um ano sofrível sentimentalmente, com uma separação que lhe causou muita angústia. Saturno pode estar afligindo o regente da casa sete, ele regendo a casa oito, a casa da morte.
Não sei se você percebeu a diferença entre o saturno do segundo exemplo, com o do último. Se não conseguiu, releia os dois parágrafos anteriores, e perceba as casas envolvidas. A casa oito é uma casa maléfica, a nove benéfica. Chegamos a uma importante lição de astrologia:
Os planetas maléficos, se estão em casas boas, e regendo casas igualmente boas, representarão coisas boas, a serem conseguidas com sua natueza maléfica, indicada por esforço, concentração, brigas e disciplina. Os aspectos tensos desses planetas não indicam impedimentos graves, embora ofereçam desafios.
Se os planetas maléficos regem casas que indicam experiências difíceis (casas 6, 8 e 12), então o nativo enfrenta problemas sérios que devem ser encarados com cuidado. Os problemas geralmente estarão relacionados a casa na qual o maléfico se encontra, ou na casa onde o planeta aspectado pelo maléfico se encontra.
No primeiro exemplo de Saturno, ele está numa casa boa, e pelo que aconteceu, talvez ele tenha regência sobre casas igualmente boas. No segundo exemplo, Saturno rege a casa da morte e da angústia, a casa oito, o que faz com que as coisas não corram bem no casamento, porque ele aspecta o regente da sete.
O estudante de astrologia medieval começa a prática geralmente extremamente fatalista e mórbido. À medida em que ganha experiência, analisando mapas e eventos passados, percebe eventos regidos por maléficos que foram excelentes para o nativo, embora impregnados de esforço, lutas e concentração. A experiência obtida nessa análise apenas nos mostra que o termo maléfico significa coisas que o ser humano naturalmente não gosta muito de fazer, mas que podem gerar excelentes resultados. Um dia de folga sem fazer o que se gosta ainda é melhor do que um dia de trabalho prazeroso, embora alguns workaholics discordem disso...
Concluindo: os maléficos ainda representam experiências difíceis, impedimentos, morte, separação e despesas, mas precisamos ter em mente quando eles representam eventos bons. Que esse artigo ajude você a detectá-los nessas circunstâncias.

Comentários

  1. salve, ele voltou !
    Mas aparentemente um pouco mais new age, defendendo que os maleficos sao apenas mal compreendidos ;-)

    ResponderExcluir
  2. Yu meu quérido, eu juro que não coloquei seu link ao lado por pura preguiça, mas isso acaba hoje!

    ResponderExcluir
  3. É verdade. E acrescentaria a oportunidade de amadurecimento que Saturno, Senhor do Tempo, muitas vez nos dá. Tempo, disciplina, paciência, persistência para amadurecer.

    ResponderExcluir
  4. Acho melhor tirar o selo do contraditorium, que ele tá dando zero reais pro site...isso sim desmoraliza, hahahah :-)
    na verdade o mecanismo tá dando pau pelo menos desde ontem, que tentei usar

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…