Pular para o conteúdo principal

Exemplo de profecção


Essa técnica me fascina por duas coisas: o poder da natureza do número, e a sua simplicidade. As profecções podem ser usadas em qualquer ano e, combinadas a revolução solar, produzem bons resultados.

Para saber como usar a técnica, é muito simples. Os autores antigos atribuem o movimento de um signo por ano a cada ponto do mapa. Robert Zoller se posiciona de um modo diverso em seu curso. Ele ensina a maneira tradicional de se realizar profecções, mas ensina a dele, que, segundo o autor com trinta anos de experiência, produz igualmente bons resultados. O autor desse blog percebe as duas abordagens e no momento se abstém de concluir algo sobre o assunto, porém tem verificado até o presente momento que as profecções de Zoller, embora mais simples, requerem uma interpretação mais complexa.

No exemplo que darei, com base em minha própria natividade, priorizarei o modo antigo de se "profectar", mas vou ensinar o raciocínio de Zoller, if God wills.

Seguindo a frase em negrito acima, todos os anos o meu ascendente (não-retificado) fica a 19 graus e 32 minutos do signo seguinte, pois esse é o seu grau natal em áries. O ascendente é o corpo do nativo, sua motivação primária, o que ele busca, e seu movimento ao redor do mapa espelha isso, com nuances particulares devido ao posicionamento de todos os regentes do ascendente (domicílio, exaltação, triplicidade, termo e face).

Com 25 anos de idade (em 2007), o ascendente fica a dezenove graus e trinta e dois minutos de Touro. Uma vez sabendo o grau onde ele se encontra, recorremos à tabela de dignidades essenciais para termos uma noção dos planetas que regem o ascendente nesse ano:
  1. Domicílio: Vênus.
  2. Exaltação: Lua.
  3. Triplicidade: Vênus, Lua e Marte.
  4. Termo: Júpiter
  5. Face: Lua
Esses planetas constroem a interpretação do modo como será esse ano. No presente momento o autor ainda conclui que os planetas que imprimem de um modo indelével suas características no ano são aqueles do topo da lista, domícilio e exaltação, mas os seguintes tem importância também.

Uma vez sabendo os planetas referentes ao ano, vasculha-se o mapa a procura da determinação local de cada um. O ano terá um foco grande sobre a questão financeira (pois a profecção sobre o ascendente está na casa 2), e envolve parcerias com amigos (vênus na 11, regendo a 7), o temperamento mais introspectivo do nativo (Lua na casa 1, regendo a casa 4), trabalho extenuante e em péssimas condições (marte na seis), Uma parceira que more longe ou se interesse por astrologia, mas que esconda algum segredo do nativo ou esteja sofrendo muito (júpiter na sete regendo a 9 e a 12).

Uma vez sabendo do que o ano se trata, buscamos saber quando os planetas se ativarão. Em astrologia psicológica, os planetas estão sempre ativados, non-stop, a cada minucioso ato que realizamos, mas numa astrologia de eventos mundanos, como a medieval, os planetas são deuses que dormem, para serem acordados em épocas específicas.

Para realizar essa localização temporal, basta criarmos mentalmente um sistema de casas iguais para o ascendente profectado. A primeira casa refletirá o primeiro mês do aniversário, e a partir dele cada casa será um mês, dessa forma saberemos em que casas-meses estão os planetas listados.

Por exemplo, vênus acontecerá no décimo mês a partir de março, janeiro de 2008. A lua acontecerá em fevereiro de 2008, marte no quinto mês a partir do aniversário, júpiter no sexto mês. Assim temos um panorama eficaz de localizarmos e mensurarmos a verdadeira natureza de cada planeta em nossas vidas. Da próxima vez em que eles se manifestarem, saberemos como será a qualidade da ação, mesmo desconhecendo os eventos reais. Estudar astrologia não torna a vida um tédio, muito pelo contrário!

Comentários

  1. Gostei da metáfora dos "deuses que dormem", eu nao tenho esse tipo de poesia no meu sangue.

    ResponderExcluir
  2. é verdade... nao torna mesmo a vida um tédio... estou muito longe do verbo "estudar" porém eu fico feliz quando aprendo alguma coisa nova em astrologia... se bem que isso nao é muito difícil de acontecer, partindo do fato de q eu sei pouca coisa... rs

    ResponderExcluir
  3. Rodolfo, parabéns!
    Gostaria de ver uma delineação da profecção com a rev solar e relacionando a firdaria tb.

    Chico Oliveira

    ResponderExcluir
  4. Olá, Rodolfo. Sua profecçao está em touro, mas como esse grau está na 1a casa por divisao, devemos esperar indicaçoes mistas. De qualquer jeito o seu ano está fortemente indicado para ganhos financeiros, pq o ASC da RS está conj a sua Lua, que é indicadora financeira.
    Na RS, a Lua está em câncer, mas cadente. Felizmente, vênus está no ASC, digna e angular, produzindo muito para sua vida (1a casa) e para dinheiro. Temos no entanto a PF sanduichada entre dois maléficos e seu regente (sol) cadente na 12, diria que sao indicacoes ambiguas.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rodolfo, estou postando minha resposta aqui e no meu blog (http://yuzuru.wordpress.com/) porque os malditos "pings" do wordpress nao valem nada...

    Segundo o Birchfield utilizar de maneira conjunta a revoluçao solar com os "chronocratores" é essencial, incluindo, mas nao limitado a firdaria, profecçao, e direçao dos pontos hylegicos pelos termos !

    Mas, apesar de saber um pouco sobre isso, só ficarei mais confortável sobre o assunto quando puder dominar mais as nuances da previsao :-(

    Brigado pelos elogios, deixe de ser preguiçoso e escreva mais.

    ResponderExcluir
  6. Ola

    Achei vc no Blog Armazem da Sandra.

    Sou doente por Astrologia.

    Não conhecia ainda nenhum Blog de Astrologo, e A-ME-i aqui.

    Voltarei mais vezes.
    Parabéns pelo blog

    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …