Pular para o conteúdo principal

ERRATA - dos inconjuntos.

O autor desse blog não é um especialista em Astrologia mundial, mas prefere tomar o que escreve como exercício. A publicação de uma besteira é um risco, maior porém nesses casos é o risco de se aprender. Agradeço pelas correções atentas de Paulo Silva e Yuzuru, que em muito me auxiliam. No momento o autor confessa não entender um comentário feitos por Yuzuru, pelo simples fato de desconhecer princípios de astrologia helenística, como o conceito de "fall amiss", mas isto não é uma discordância - apenas uma declaração da minha fascinação por Steven Birchfield, autor que é um dos maiores referenciais em astrologia clássica no momento, que é o mesmo de Yuzuru.

Seguindo a carta de ingresso para o Brasil em 2007, Saturno rege a casa 3 (capricórnio) e se encontra em leão no MC. No presente momento, o autor ainda considera Saturno como o responsável dos assuntos representados pela casa 3, ainda que o grande maléfico esteja em um signo que não aspecte seu domicílio - Leão e Capricórnio estão inconjuntos.

Para o leitor leigo, um signo inconjunto é aquele que se encontra a seis ou oito signos a frente de um signo inicial. Por exemplo, Áries é inconjunto a Virgem e a Escorpião. Vários autores modernos tentaram criar uma significação para o aspecto kepleriano entre dois planetas nesses signos - o quincúncio - mas em astrologia tradicional ele significa apenas que os dois signos não se vêem!

Como não há visão entre esses dois signos, se o regente de um destes se encontra no outro, isso é péssimo para os assuntos dessa casa. É como se o dono de uma propriedade estivesse incapaz de saber o que acontece com ela! E é exatamente o que ocorre com Saturno em Leão. Todavia, isso não tira definitivamente Saturno em Leão da responsabilidade sobre a casa 3. Eu posso estar errado, mas ávido por ser corrigido!

Espero que os leitores entendam que nada é estático, muito menos astrologia clássica...

Mais erratas num próximo post.

Comentários

  1. Esqueceu de touro e peixes que tmb inconjuntos a áreis.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, então isso é uma "conclata", não errata!

    Não me diga isso, porque tenho Sol em Áries e ascendente em Virgem e Mercúrio está na casa 8, justamente onde está Áries, claro, mas poderia ser Touro, por exemplo. A relação sobre a qual você fala, do "inconjunto" (já até sabia que era o quincúncio devido aos sites espanhóis que visitei) é esta ou estou enganada? Entendi assim. Só me diz se entendi certo. É só um "sim" ou "não" que preciso.
    ;-)

    Obrigada pela informação valiosa. ;-)

    ResponderExcluir
  3. Uma citação de Anaïs Nin pra ilustrar a frase final do seu post: "A perfeição é estática; e eu estou em pleno progresso."

    ResponderExcluir
  4. "Errata" ou "errada estou eu": você disse signo, não planeta. Não tem nada a ver que meu signo solar seja Áries e o ascendente em Virgem. Confundi tudo e retiro o que disse acima.

    A frase da Anaïs continua sendo um presente de Ano Novo para o seu post. ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …