Pular para o conteúdo principal

como se aprende astrologia?

Não atualizo esse blog há um certo tempo. Estou numa fase de transição para um site. Pra ser franco, do site só criei a imagem inicial, rs...

Mas a astrologia... Que pergunta! Como praticá-la? Seria o autor do blog um guru que pratica meditação transcedental e já frequentou o caminho de Santiago para ler um mapa? Astrologia compete com a religião de alguém?

Todas as respostas são escolhas dentre um emaranhado de idéias. Não pretendo ser um dogmático de visões cristalizadas, mas também não sou alguém sem nenhuma resposta construída sobre o tema. Astrologia é um saber, e como todo requer estudo. Falo pelo menos da astrologia medieval: estuda-se, e muito. Nossa conduta é bastante similar a de um acadêmico: artigos, livros, novas traduções, congressos. E por quê?

Quando vemos o mapa, não entramos em um transe místico dependente de alucinógenos. Nossa análise é um julgamento, e como todo, precisamos de provas, testemunhos. Quanto maior o número de testemunhos, maior a nossa certeza com o terreno que estamos lidando. O conhecimento além da camada superficial dos livros de iniciantes nos permite julgar o que causa uma certa irritação nos iniciantes: por que posicionamentos "idênticos" geram resultados diferentes, e, em alguns casos, opostos? Alguém pode criar uma resposta filosoficamente correta para isso. Talvez cada um viva seu mapa de um modo particular, mas se isso fosse inteiramente verdade, não poderíamos prognosticar nada, então uma eventual filosofia "livre-arbitrarista" aqui não responde a questão.

Para sabermos o modo pelo qual um planeta se comporta é que estudamos, por que existem inúmeras maneiras de se analisar um planeta, que interferem no julgamento final.

Comentários

  1. Cara de guru você não tem. Acho que gurus mesmo são aqueles que visitam seu blog e caem aqui de "pára-quedas" ou após fazerem pesquisas na internet. Nós somos os abençoados ou de repente a internet é uma "bênção" nas vidas das pessoas.

    Você tem cara é de médico isso sim e espero que não seja mais um deslumbrado com a profissão. ;-) Espero que você não tenha entendido mal meu comentário, porque foi um prazer pra mim encontrar seu blog, muito bem escrito por sinal. Sem dúvida que Astrologia não é brincadeirinha de criança e se estuda e muito. Cuidado pra não quebrar tanto a cabeça. Quem pensa o contrário que continue pensando ou sei lá..

    Noite de Natal, noite de muita paz ... ou guerra! ;-0

    ResponderExcluir
  2. Falar nisso, há um ótimo livro que ilustra bem este seu "post natalino" e "rigolo" (na minha opinião): Elogio da Loucura de Erasme de Rotterdam. Ça fait des misères ce livre!

    Un bisous pra você

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …