Pular para o conteúdo principal

Almuten Figuris

Almuten Figuris representa "o eleito do mapa", uma expressão latina. É o ponto mais "psicológico" da astrologia medieval. É o planeta que rege as ações do nativo.

Eu gosto de abordar astrologia medieval de um modo bastante prático. Dispensarei as considerações filosóficas por trás desse ponto para dizer a minha opinião sobre o que ele representa, não sem antes dar uma breve explicação da teologia medieval, necessária ao entendimento do ponto.

Segundo os pagãos, cada homem na terra possui uma entidade, de quem recebe proteção. A proteção mediada por esse "espírito" vem por intermédio de "sugestões intelectuais": como se uma pessoa suspirasse em nossos ouvidos um conselho.

Apesar dessa entidade ter uma constituição tão elevada e dominante sobre o nativo, ela pode provocar, com seus "conselhos", um comportamento compulsivo frente a todos os desafios que a vida impõe. Sem perceber a si mesmo, ou a essa entidade, o nativo pode repetir os mesmos comportamentos, ter a mesma postura frente a questões diferentes, que poderiam ser encaradas de um modo mais flexível.

Pelo fato dessa entidade "gerar" um comportamento compulsivo, que coopera para a proteger o nativo de ameaças, mas sempre com a mesma resposta, não creio que o Almuten Figuris seja sempre bom. Na verdade, é o conhecimento do que essa entidade representa que permite ao indivíduo se libertar do seu fado. E aqui entra uma estranha ponte entre a astrologia medieval e a psicanálise do século XX.

Um dos constituintes da teoria freudiana é a repetição de comportamentos, com o intuito de gozarmos, mesmo que essa repetição seja executada sobre uma postura socialmente inaceitável. Excetuando-se as considerações do princípio do prazer freudiano, é exatamente isso do que o Almuten Figuris trata.

Todas essas entidades, principados, potestades, legiões celestiais, hoje são internalizadas pelo homem moderno, e encaradas como "projeções de arquétipos do inconsciente coletivo", ou seja lá qual teoria psicológica que você escolher para explicar essa rica elaboração de personagens que habitavam (e habitam) o imaginário humano. Dentro ou fora de nós, não importa: esses seres são elementos da psiquê humana que merecem nossa atenção, pois representam comportamentos que procuramos dissecar, a fim de que não possamos repetí-los.

Por essa razão, o conhecimento do Almuten Figuris (AF) é importante. Ele nos diz o "eterno retorno", não no sentido filosófico da expressão, mas sim no sentido de sempre voltarmos aos mesmos comportamentos, sejam eles bons para nós ou não. Em todos os AF de todos os seres humanos reside a repetição, um comportamento automático para defesa pessoal, uma reação de "luta ou fuga".

Quando tomarmos conhecimento dos nossos AF, teremos a opção de nos desvencilharmos deles. Os pagãos concordavam que o AF desistia de proteger o nativo uma vez em que ele se ligasse a um Deus maior, mais poderoso.

O que é esse Deus pra você? A noção de indivíduo? Jesus Cristo? Buda? Que "divindade" permite a você rasgar seu fado?

Comentários

  1. Curioso, Rodolfo, essa interpretacao do AF é nova pra mim. É do Zoller ? Me parece que ele interpreta mais como "anjo da guarda".

    O Frawley calcula totalmente errado, pq ele se baseia na deturpacao do almutem figuris no seculo 18, o lorde da genitura.

    Voce sabe como o Zoller faz para usar o AF para calcular qual o "nivel" que a pessoa vive ? Sao racional, animal e um outro que nao lembro agora.

    ResponderExcluir
  2. Caraca, meu AF só pode ser o capeta, saturno em câncer, agora então sei de onde aquele diabinho que fica no meu ombro vem.

    ResponderExcluir
  3. Pelo visto, vou aprender muito por aqui e com o Sr. AF. ;-) O difícil seria calculá-lo. Não tem nada a ver com planeta dominante isso, não é? Sim, porque eu creio que Vênus é a dominante no meu mapa. Ela está em Gêmeos, a casa 9 (Touro) e em conjunção ao MC. Faz inúmeros aspectos com vários planetas, com o ascendente, enfim. A danada me governa como bem entende. Descobri há pouco tempo que possuo um "retângulo" no meu mapa. O que você acha disso? Sei que você não está aqui pra atender ninguém, mas apreciaria uma ajuda sua ou de repente algo não direcionado ao que falo aqui e sim sobre a Vênus. Estou pedinte demais pra quem acabou de aterrissar. hihi

    Olhe só os ascectos que ela faz: quadratura a Marte na casa 7, sextil a Júpiter em Áries na 7, oposição a Netuno na 4, trígono a Plutão na 1, oposta ao Nódulo Norte na 3, e quadrada ao ascendente além da conjunção ao MC sobre a qual falei acima.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Ah, também tenho Saturno em Câncer e na 11. Fardo = grupos e amizades. Ah, essa interpretação é pra lá de manjada, mas realmente ela é forte pra burro no meu mapa. Saturnino nunca me deu trégua. ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…