Pular para o conteúdo principal

Vamos nos mudar até junho de 2007?

Recentemente um amigo meu fizera uma pergunta interessante, se ele e sua irmã se mudariam até julho de 2007, devido a problemas com vizinhos e na estrutura da casa.
Para analizarmos mudanças via astrologia horária, temos que ler o capítulo XXXV do livro Christian Astrology, de William Lilly, que diz o seguinte:
  1. A casa 1 representa o querente, a casa 4 representa o imóvel atual e a casa 7 representa a próxima casa;
  2. Devemos analisar qual regente é o mais forte no mapa, se o quarto ou o sétimo, e se eles mantém alguma recepção com a lua ou o regente do ascendente, que representam o querente.
  3. O regente mais forte no mapa (ou o menos fraco) com alguma recepção ao regente diz se o nativo se mudará ou não.

Perceba que o regente da casa 4 é o mesmo que o regente do Ascendente. Quando isso acontece na figura, há duas opções a meu ver para evitar confusões:

  1. Usamos a lua para representar o nativo;
  2. Verificamos se há um planeta na casa quatro, usamos esse para representar a casa atual e usamos o regente do ascendente para representar o nativo.

Chamemos as duas hipóteses de Caso 1 e Caso 2.

Caso 1

Sendo a lua representante do querente, ela está em libra na casa quatro, dizendo que o querente ama o seu prédio atual, o que não se adequa às descrições por ele oferecidas - o nativo criou repulsa pelo lugar devido aos vizinhos, arruaceiros contra os quais entrou na justiça. Este apartamento é representado por mercúrio, que está em escorpião, é recebido por marte mas entrará sob os raios do sol, representando os vizinhos do nativo (casa 3). As coisas piorarão com o tempo. Nesse contexto, o regente da casa 7, a próxima residência, está bem pior do que o regente da 4. Com Sagitário na cúspide da 7, Júpiter rege o imóvel almejado, mas esse se encontra em combustão.

Conclusão: pelo Caso 1, o nativo não se mudará até a data almejada - junho de 2007.

Caso 2

Aqui mercúrio representa o nativo, e a lua representa a casa quatro. Nesse caso só se reforça o contraste entre a qualidade da residência atual e a da próxima, por que a lua se encontra em libra, angular, e mercúrio se encontra em escorpião, na queda da lua, indicando que o nativo odeia sua residência atual., o que me leva a pensar que o caso 2 é mais plausível.

Tanto nesse caso quanto no outro, Júpiter está em combustão, e rege a próxima residência. Além da combustão, há algo a ser reforçado aqui - ele está cadente dos ângulos, uma alfição para o planeta.

Conclusão: no caso 2, o nativo também não se mudará até junho de 2007.

Comentários

  1. Um tema que sugiro é Revolução Solar na visão medieval.

    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…