Pular para o conteúdo principal

minha trilha sonora - primeiro teste


Acompanhando minhas delineações de mapas e estudos astrólogicos, sempre há uma música que me leve a algum local do universo. Pink Floyd consegue isso. Eles me levam a Andromeda, às plêiades, passando pelo centro galático para, em seguida, deixar-me em casa.

Sei que o post não tem nada a ver com astrologia, mas isso é uma prévia dos novos elementos que desejo introduzir aqui. A possibilidade do recurso de vídeo me era então desconhecida até recentemente, quando vi num blog feito em homenagem a Rita Lee que era possível publicar vídeos usando um link do You tube.

Para uma mente pouco privilegiada nos segredos da informática, O processo é espantosamente simples. Assistindo o vídeo no site YouTube, ao lado dele há um texto em linguagem de programação da internet, html. Basta copiá-lo e introduzí-lo no texto do post do blog referente ao vídeo. Foi assim que fiz, e deu tudo certo na primeira vez!

Ao invés de clipes de rock psicodélico, os próximos vídeos poderão ser sobre astrologia medieval. De fato, este vídeo é um teste, e com a banda que mais gosto.

"Paintbox" pertence ao disco "Relics" do Pink Floyd, em 1974. Ele contém singles e gravações desprezadas pela banda inglesa em discos anteriores.

Enjoy!

Comentários

  1. E se quiser baixar o vide copia o link aqui:

    http://javimoya.com/blog/youtube_en.php

    E depois baixa no baixaqui um FLV player e renomei a extenção do arquivo para flv se não tiver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …