Pular para o conteúdo principal

as invisíveis recepções

Sabe aquela quadratura entre saturno em peixes e marte em gêmeos? Saturno estava nos últimos graus de peixes, quase em Áries. Trata-se de uma grave aflição, e no exemplo acima a quadratura é angular. Como diria Robert Zoller, maléficos angulares são um problema. Explicarei mais sobre isso num próximo artigo sobre angularidade.

Se Marte estivesse no local de Saturno, ele teria a dignidade de triplicidade. Lembre que, segundo Dorotheu, marte tem dignidade de triplicidade nos signos de terra (touro, virgem e capricórnio) e água (câncer, escorpião e peixes).

A dignidade de triplicidade tem três pontos de virtude, comparada ao domicílio (5 pontos) e a exaltação (4 pontos). abaixo dela, há a dignidade de termo (2 pontos) e a de face (1 ponto). Domicílio e exaltação são dignidades maiores, enquanto triplicidade, termo e face são dignidades menores.

Pois bem, se no exemplo Marte estivesse no lugar de Saturno (27 de Peixes), ele teria a dignidade de triplicidade, mas ele pode ter outras "honras" no mesmo local sem que saibamos disso.

Para conferirmos com certeza a força que Marte teria em 27 de Peixes, consultamos uma tabela de dignidades essenciais, disponível no site Astrologia Medieval, de Paulo Alexandre Silva.

Ao consultar a tabela, percebemos que marte possuiria em 27 de peixes, além da dignidade de triplicidade, a dignidade de termo e de face! Estaria muito dignificado.

O que isso significa? Saturno está num local onde marte é reverenciado, respeitado, e de uma certa forma, Saturno o honra estando nessa posição. Marte, então, ao realizar qualquer aspecto com ele, o recebe. Trata-se de uma recepção por dignidades menores, que acontece com perfeição se preenchidos todos os critérios do post anterior, mais o fato de que o planeta recebido precisa estar em duas das dignidades menores (triplicidade, termo e face) do planeta que o recebe.

Dessa forma, em 27 de peixes marte recebe Saturno. A quadratura perde sua hostilidade, e os assuntos que marte e Saturno representam juntos chegam a perfeição.

Comentários

  1. Rodolfo,

    O que se segue não é bem um comentário a nenhum dos teus artigos em específico mas ao teu trabalho no “Ars longa, vita brevis”. Admiro-te pelo teu interesse e constante desenvolvimento ‘in the craft’ da Astrologia Tradicional … gostas de a entender, de a explorar, de ir ao encontro da sua verdadeira raiz, e é isso que te dá valor, o simples facto de não te deixares seduzir pelo caminho fácil e incoerente de outras astrologias. Preferes em vez disso caminhar num autêntico labirinto … onde muitas vezes nos perdemos! Contudo, no percurso desse labirinto vamos juntando as peças de um puzzle com milénios de existência até acharmos a saída … em nenhuma parte este percurso é simples e fácil, ele exige esforço e uma eterna dedicação … mas no fim da procura da saída desse percurso labiríntico a recompensa vale ouro … não um ouro na verdadeira acepção da palavra, mas sim um ouro de valor interno – conhecimento!!!

    Continua a percorrer este labirinto e brinda-nos com a continuação do teu “Ars longa, vita brevis”.

    Abraço,

    Paulo Silva, DMA

    ResponderExcluir
  2. Paulo Silva é o criador do site Astrologia Medieval, e possui uma das melhores mentes astrológicas que já vi. Sem contar que ele tem embasamento histórico (dos inúmeros livros que lê) para dizer se uma coisa é besteira ou não.

    Eu só tenho a agradecer por você oferecer parte do seu tempo a mim, respondendo minhas dúvidas cabais... Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. das condições do topico anterior:

    - Planetas em detrimento ou queda;
    -Planetas aflitos (quadratura ou oposição) por marte e saturno (sem recepção entre Marte/Saturno e o planeta, é claro);


    Oposições não são uma condição frequente de se encontrar nesta situação ?
    E quando, por exemplo, Saturno em Cancer se opõe a uma Lua em Capricórnio ?
    Não tem recepção ?

    -Planetas em combustão ou sob os raios do sol (orbe de 12 graus do Sol)
    Quando começa conjunção e termina combustão ? É um dos tais temas polêmicos ? E Cazimi, rola ?

    -Planetas cadentes;
    Se houver o aspecto nas casas cadentes então, a coisa desanda ? por exemplo, como acima, Saturno em Cancer na III oposto a Lua em Capricornio na IX...

    A mais difícil de perceber: aspectos no qual um se coloque na queda ou detrimento do outro.
    Idem, ibidem, sobre Saturno em Cancer se opõe a uma Lua em Capricórnio...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …