Pular para o conteúdo principal

as invisíveis recepções

Sabe aquela quadratura entre saturno em peixes e marte em gêmeos? Saturno estava nos últimos graus de peixes, quase em Áries. Trata-se de uma grave aflição, e no exemplo acima a quadratura é angular. Como diria Robert Zoller, maléficos angulares são um problema. Explicarei mais sobre isso num próximo artigo sobre angularidade.

Se Marte estivesse no local de Saturno, ele teria a dignidade de triplicidade. Lembre que, segundo Dorotheu, marte tem dignidade de triplicidade nos signos de terra (touro, virgem e capricórnio) e água (câncer, escorpião e peixes).

A dignidade de triplicidade tem três pontos de virtude, comparada ao domicílio (5 pontos) e a exaltação (4 pontos). abaixo dela, há a dignidade de termo (2 pontos) e a de face (1 ponto). Domicílio e exaltação são dignidades maiores, enquanto triplicidade, termo e face são dignidades menores.

Pois bem, se no exemplo Marte estivesse no lugar de Saturno (27 de Peixes), ele teria a dignidade de triplicidade, mas ele pode ter outras "honras" no mesmo local sem que saibamos disso.

Para conferirmos com certeza a força que Marte teria em 27 de Peixes, consultamos uma tabela de dignidades essenciais, disponível no site Astrologia Medieval, de Paulo Alexandre Silva.

Ao consultar a tabela, percebemos que marte possuiria em 27 de peixes, além da dignidade de triplicidade, a dignidade de termo e de face! Estaria muito dignificado.

O que isso significa? Saturno está num local onde marte é reverenciado, respeitado, e de uma certa forma, Saturno o honra estando nessa posição. Marte, então, ao realizar qualquer aspecto com ele, o recebe. Trata-se de uma recepção por dignidades menores, que acontece com perfeição se preenchidos todos os critérios do post anterior, mais o fato de que o planeta recebido precisa estar em duas das dignidades menores (triplicidade, termo e face) do planeta que o recebe.

Dessa forma, em 27 de peixes marte recebe Saturno. A quadratura perde sua hostilidade, e os assuntos que marte e Saturno representam juntos chegam a perfeição.

Comentários

  1. Rodolfo,

    O que se segue não é bem um comentário a nenhum dos teus artigos em específico mas ao teu trabalho no “Ars longa, vita brevis”. Admiro-te pelo teu interesse e constante desenvolvimento ‘in the craft’ da Astrologia Tradicional … gostas de a entender, de a explorar, de ir ao encontro da sua verdadeira raiz, e é isso que te dá valor, o simples facto de não te deixares seduzir pelo caminho fácil e incoerente de outras astrologias. Preferes em vez disso caminhar num autêntico labirinto … onde muitas vezes nos perdemos! Contudo, no percurso desse labirinto vamos juntando as peças de um puzzle com milénios de existência até acharmos a saída … em nenhuma parte este percurso é simples e fácil, ele exige esforço e uma eterna dedicação … mas no fim da procura da saída desse percurso labiríntico a recompensa vale ouro … não um ouro na verdadeira acepção da palavra, mas sim um ouro de valor interno – conhecimento!!!

    Continua a percorrer este labirinto e brinda-nos com a continuação do teu “Ars longa, vita brevis”.

    Abraço,

    Paulo Silva, DMA

    ResponderExcluir
  2. Paulo Silva é o criador do site Astrologia Medieval, e possui uma das melhores mentes astrológicas que já vi. Sem contar que ele tem embasamento histórico (dos inúmeros livros que lê) para dizer se uma coisa é besteira ou não.

    Eu só tenho a agradecer por você oferecer parte do seu tempo a mim, respondendo minhas dúvidas cabais... Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. das condições do topico anterior:

    - Planetas em detrimento ou queda;
    -Planetas aflitos (quadratura ou oposição) por marte e saturno (sem recepção entre Marte/Saturno e o planeta, é claro);


    Oposições não são uma condição frequente de se encontrar nesta situação ?
    E quando, por exemplo, Saturno em Cancer se opõe a uma Lua em Capricórnio ?
    Não tem recepção ?

    -Planetas em combustão ou sob os raios do sol (orbe de 12 graus do Sol)
    Quando começa conjunção e termina combustão ? É um dos tais temas polêmicos ? E Cazimi, rola ?

    -Planetas cadentes;
    Se houver o aspecto nas casas cadentes então, a coisa desanda ? por exemplo, como acima, Saturno em Cancer na III oposto a Lua em Capricornio na IX...

    A mais difícil de perceber: aspectos no qual um se coloque na queda ou detrimento do outro.
    Idem, ibidem, sobre Saturno em Cancer se opõe a uma Lua em Capricórnio...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…