Pular para o conteúdo principal

A relação entre o ocupante do signo e seu regente

Observe mais fragmentos das obras de Johannes Schoener, Três livros sobre o Julgamento das Natividades e Abu Ali Al-Khayyat, autor de "O Julgamento das Natividades", respectivamente:

"Os regentes das casas so Sol, de dia, e de Saturno, a noite, significam os futuros acidentes do pai [do nativo]"

"Mas se o Sol estiver num local adequado em natividades diurnas, e os regentes da sua triplicidade estiverem em casas malignas, isso significa que o pai estará em circunstâncias apropriadas no momento da natividade, mas [se encontrará] em circunstâncias infelizes no futuro."


O que nós vemos implícitos nesses trechos é o santo graal da interpretação astrológica. Os regentes indicam circunstâncias futuras em relacão aos assuntos da casa, além de uma relação de ação (planeta ocupante) e causa (planeta regente).

Para que o leitor entenda, basta observar a figura ao lado. Temos a lua em escorpião na casa 2. A lua está em queda, representando que os apetites do nativo voltados para a conquista material (lua na casa 2) poderão levá-lo a uma posição de queda. Se analisarmos o regente da casa escorpião e dispositor da lua, marte, ele se encontra em Leão, peregrino na casa onze (apoio dos amigos e grupos).

O que isso representa: em primeiro lugar, o nativo mantém apetites quase instintivos para a aquisição de bens (lua em escorpião). Isso caminha para um desdobramento tal que leva a brigar com seus amigos e grupos - marte na casa 11. Robert Zoller diz que planetas na casa onze, mesmo sendo maléficos, acabam se tornando "amigos" do nativo. Poderíamos dizer então que o comportamento lunar das posses tembém pode levar ao indivíduo fazer amizades com pessoas "marcianas": que falam alto, que são agressivas, conquistadores.

Às vezes somente o nativo entenderá a relação entre regente e ocupante. Ela se desdobra numa série de manifestações, porque o símbolo astrológico é multifacetado. por exemplo, se você tem o regente da casa nove na onze, seus amigos podem ter conexão com o estrangeiro, com a vida universitária ou com religião, por que uma casa abriga vários assuntos, com um mesmo significado subjacente. No exemplo acima, talvez indivíduo, querendo ganhar mais e mais, se envolva com pessoas tão ambiciosas quanto ele, na tentativa de conseguir mais posses pelo esforço conjunto.

Esse princípio pode ser aplicado a qualquer regente, incluindo os planetas regentes de partes árabes. Veja esse trecho, de Johannes Schoener:

"O regente da parte da mãe, e o regente da parte dos servos (ambos são marte na décima primeira casa), predizem que vantagens virão através da sua mãe e dos seus servos."

Se um planeta está no segundo signo da casa, o regente dele ainda é considerado o regente da cúspide. Por exemplo, se eu tenho júpiter em escorpião na casa 7, cuja cúspide se encontra em Libra, então vênus é seu regente, e não marte. Todavia, alguns autores defenderão a participação de marte sobre o estado cósmico de júpiter.

Podemos, no exemplo da figura acima, deduzir mais uma informação: a relação entre causa e efeito. A lua em escorpião traduz-se no efeito de marte em leão. Ou seja, o nativo possui uma perda de bens ou de recursos, representada pela lua em escorpião. E qual é a causa disso? Marte em Leão, as brigas com amigos e grupos. A casa onze pode ser também as posses do estado (a segunda casa a partir da décima), então isso pode representar que o nativo tenta usurpar o patrimônio público, gerando com isso perda de recursos pessoais. Talvez o mativo perca dinheiro em processos movidos pelo estado, indenizações...

Comece a usar as regências. Elas aprimoram a interpretação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …