Pular para o conteúdo principal

O "Quando" na astrologia moderna

Quando um astrólogo medieval observava a carta de um cliente, ele procurava eventos. Esses eventos aconteceriam nos períodos regidos pelos planetas envolvidos. Para se chegar a eles, nos valemos de técnicas como os períodos planetários e as profecções (vide o antepenúltimo tópico).

Ainda vemos os ecos dessa abordagem na Astrologia pós-moderna. Basta ler o capítulo sobre plutão no "As doze casas" de Howard Sasportas, para percebermos que plutão representará momentos de transformação profunda na área onde ele se encontra no mapa. Assim, se eu tenho plutão na casa sete, minha vida sofrerá uma total perda de sentido e ressignificação através de parcerias.

O grande problema é o elo perdido da interpretação moderna: quando será?

Nós temos trânsitos, progressões, midpoints, mas em nenhum deles temos uma indicação direta dos períodos onde plutão indicaria um total esvaziamento de sentido e significação na área onde ele está. Os autores modernos nos ensinam a supor.

Eu falo de plutão, mas olhe qualquer planeta e diga: quando se manifestará?

A astrologia moderna responde: sempre tem que acontecer. Marte na cinco sempre será uma coisa, mesmo que seja a pessoa ser a conquistadora dos programas culturais.

É nesse "sempre tem de acontecer" que reside o perigo sobre qualquer casa, mas tomarei o exemplo de uma região insólita do mapa: a casa XII. Essa região do zodíaco sempre foi reputada ao desepero, aos desregrados, aos exilados, aos impedidos. Alguém é assim durante toda a vida? Então urge aqui responder à pergunta: quando?

É por isso que todas as interpretações modernas sobre a casa 12 caminham progressivamente para a "privacidade". Difícil de entender? Este termo se configura entre os últimos recursos do astrólogo quando ele não sabe o que aquele planeta de casa 12 representa. Ele vai e diz: "o nativo gosta de desfrutar de privacidade." Ora meus caros, qual é a alma que não goza de repouso taciturno por pelo menos alguns minutos ao dia?

Pelos períodos planetários e profecções, temos uma maneira viável de tornar o "quando" mais acessível. E assim saberemos períodos fáceis e difíceis da vida do nativo, com o intuito dele se preparar psicologicamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …