Pular para o conteúdo principal

Entendendo o conceito de Almuten

Em se tratando de astrologia antiga, o grande aprendizado que o leitor deve ter é perceber que um assunto possui vários significadores.

Por exemplo, se pensamos em casamento, existe, cinco pontos que nos chamam atenção:

1 - A cúspide da casa 7;
2 - Planetas dentro da casa 7;
3 - Vênus de dia (ou a Lua a noite), para significar a mulher em mapas masculinos;
3 - Sol de dia (ou Saturno a noite), para significar o homem em mapas femininos;
4 - A parte do casamento. (distância entre vênus e saturno, projetada no asc);
5 - Seu regente.

O leitor pode parecer confuso com tantos indicadores para um mesmo assunto, porém existe uma abordadem quantitativa dos significadores que não deve ser menosprezada. Se todos ou grande parte dos indicadores estiverem aflitos, é sinal de que esta área da vida pode até não existir.

Todos os significadores de casamento estarão em um ou mais signos. Cada signo possui vários regentes, que significam o desfecho final da posição daquele planeta (veja o próximo tópico "a relação entre o ocupante do signo e seu regente"). Se pudéssemos eleger um planeta que mais aparecesse como regente dos significados de casamento, seria aquele que regesse o maior número de significadores maritais, pois seria muito provável que ele ditasse o futuro do assunto. Não falei anteriormente que o regente diz o modo como o planeta ocupante do signo evolui no futuro?

O planeta que mais possui dignidades sobre um determinado assunto chama-se Almuten, que significa, em árabe, "o vitorioso".

Se o Almuten está debilitado, não esperamos um bom desfecho, o assunto em questão talvez não se sustente. Se o Almuten briga com outros regentes, é como se ele brigasse com outros assuntos do mapa. Assim, se o Almuten do casamento briga com o regente do ascendente, é sinal de conflitos maritais.

Você pode, por si só, fazer um Almuten de qualquer assunto, desde que saiba:

1 - A cúspide do assunto;
2 - O regente da cúspide do assunto;
3 - O significador natural do assunto;
4 - A parte árabe que possui relação com o assunto;
5 - O regente da parte árabe.

Certos autores tornam a questão mais complicada. Schoener computa Almutens com regentes da triplicidade da casa em questão, mas opto pela simplicidade de Abu Ali Al khayyat.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …