Pular para o conteúdo principal

A ocidentalização do Mangá

Paira sobre alguns desenhistas brasileiros a crença de que a anatomia dos personagens de mangá reflete o biotipo da mulher e do homem japonês. Eu concordo em parte com essa afirmação, porque para que o leitor se identifique com a história você precisa recriar a figura do "homem comum", que represente as angústias e alegrias de seu país, sua geração, faixa etária ou de quem tem um problema, seja ele social, sexual, ou de saúde.
Na criação desse homem comum, estabelece-se um biotipo e uma indumentária peculiar, que reflita o grupo do qual ele pertence.

Como exemplo do que foi exposto podemos citar keitarô, o protagonista de Love Hina, que tem as características típicas da figura construída do japonês adulto jovem: franzino, cabelos lisos, óculos grandes e retangulares, roupas em tom pastel, geralmente calça e camisetas com ou em estampas.

Apesar de se buscar essa identificação, a cultura japonesa entra em interseção com culturas estrangeiras, estabelecendo uma teia de opções que possibilitam, ao jovem keitarô, tornar-se representativo do jovem mundial.

Evidentemente nós podemos achar ridícula a postura de keitarô frente ao sexo, pois os japoneses postulam uma conduta muito mais recatada socialmente para certos rituais que são triviais aos ocidentais, como o beijo na boca em público. Essa é a parte fora do conjunto interceptado de fatores das interculturalidades, uma peculiaridade que pode causar, a dois brasileiros diferentes, excitação e indiferença.

"Love Hina", a série de quadrinhos da qual se origina Keitarô, não possui só personagens com biotipo japonês, embora o autor se refira a todas as personagens, com exceção de duas, como japonesas; daí eu não concordar inteiramente com a assertiva do primeiro parágrafo. Apesar dessa construção inverossímil, há nessa configuração uma repercussão estética e outra sobre a cultura de massas da qual os quadrinhos participam.

A repercussão estética trata do elemento que todo desenhista busca constantemente: atrair os olhos do leitor. Isso é possibilitado pelo contraste gerado pela diversidade de alturas, cortes de cabelos, biotipos diferentes, estilos de moda diferentes, na construção de um grupo de personagens. Imagine, em um quadrinho em preto e branco, só desenhar personagens de cabelo preto e com poucas opções de corte de cabelo!

As influências culturais que permearam o Japão no pós-guerra trouxeram uma estética mais cosmopolita, incorporando conceitos de beleza estrangeiros, como o fetiche americano por seios grandes (às vezes gigantescos!). O homem japonês também prefere, então, se excitar com essa parte avantajada da anatomia tanto quanto o norte americano (e quiçá o brasileiro), criando mais uma interseção que possibilita às editoras de mangá a segunda repercussão que eu comentara anteriormente: a maior aceitação de seu produto no ocidente.

Finalmente, acima de qualquer padronização e/ou coletivização, está a preferência individual, que pode gerar a busca por elementos de outra cultura sem que o estrato social representativo possa eventualmente ter essa inclinação.

Apesar de ressaltar as semelhanças entre culturas diferentes, há muitas diferenças que impossibilitam a difusão do quadrinho em outros territórios, que aliás constituem grande parte do globo. Retratar o homem dos grandes centros em detrimento do homem rural pode concentrar a distribuição do quadrinho para áreas muito estreitas. O único preceito que antagoniza essa impopularidade é a questão individual, que fará com que uma criança do sertão que possua algum dinheiro busque um quadrinho para saciar sua sede de fantasia. E enquanto isso não acontece, o mangá encontra seu nicho predileto nas classes médias das metrópoles.

Para ampliar suas áreas de influência é que se sugere a inclusão de mais personagens negros e pardos no mangá, a fim de aumentar a representatividade do povo brasileiro. O número de personagens negros nos mangás sempre foi pequeno; o desenhista brasileiro precisa criar suas próprias referências para desenhar o negro brasileiro em mangá, dada a sua escassez. Não tenho uma resposta para a questão: se o japonês coloca tantos biotipos ocidentais (caucasianos e latinos) em suas revistas, porque não insere com mais frequência o negro e todos os subtons existentes?

Para o desenhista brasileiro, o desafio é retratar toda a beleza da etnia negra, adaptando-a ao mangá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …