Pular para o conteúdo principal

O infalível Doutor Topeiramato

Acabei de sair de uma prova de psiquiatria, e já estou (em tese) atrasado para uma aula.

Três professores aplicaram a prova. Um deles me faz rir mais que outros pois me lembra de algumas associações nonsense que criei dele.

Seu nome é Max, é baixinho, tem olhos verdes, cabelo de surfista e tem os dentes levemente protusos, dando o aspecto de toupeira engomadinha que pega onda em itacoatiara nos fins de semana.

Em suas aulas ele indicou muitas vezes o anticonvulsivante Topiramato como tratamento de transtornos de personalidade borderline, dentre outros, a ponto de eu associar indistintamente o remédio a pessoa.

Como ele tem cara de topeira, atribuí-lhe o nome de Doutor Topeiramato, e revelo esse furo cômico em primeira mão aos leitores, antes mesmo dos meus amigos e namorada (que também é amiga, ora!). Afinal de contas eles são também leitores do blog, e no momento em que escrevo esse post talvez sejam os únicos!

Doutor Topeiramato seria também um bom etiquetador de supermercado, pois é especialista em dar rótulos aos costumes em geral, distribuídos por categoria de transtornos classificados pelo DSM-IV e pelo CID-X . Quem tem blog, por exemplo, é potencialmente esquizóide: é que o esquizóide não gosta de se relacionar com ninguém e na internet adquire desenvoltura para construir um personagem.

Ele também é dono da pérola de que o borderline é bissexual porque nesse transtorno as pessoas não possuem uma auto-imagem bem definida. Até aí você não se assusta muito, mas então Topeiramato generaliza isso a todos os bissexuais, com o estamento de que "no fundo, bissexualismo não existe, ele está doente". Ora, o bissexual se define como bissexual, catzo! Espero que um psiquiatra não use isso como um critério dentre os famosos "Ao menos três desses sinais durante três semanas classifica a doença".

Não podemos levar Dr. Topeiramato tão a sério assim. Afinal de contas eu também, na situação dele, adoraria ser um showman e insuflar meu ego, que já não é pequeno. Fazer piadinhas, estereotipar as pessoas, tudo isso é muito divertido. Só espero que ninguém fique chateado com ele.

Eu mesmo, tenho um blog e nem por isso sou esquizóide. Um pouco ansioso e obcessivo, isso sim, confesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

o melhor livro de astrologia dos últimos tempos.

Você, leitor que começa a se interessar em astrologia, está diante de uma chance única de começar a aprender a arte da melhor forma possível. Nesse artigo, eu apresento um link com o download para o melhor livro de astrologia medieval com o qual eu me deparei nos últimos tempos.

Acho que não estou exagerando. Invejo quem começaria a estudar astrologia pelo que vou apresentar nesse artigo. Se em 2003, ano em que comecei a me interessar por astrologia, alguém me oferecesse esse livro, teria poupado minhas retinas de uma colossal quantidade de lixo.

Talvez, por ainda não ter visto tanto lixo, eu não saberia valorizar o momento em que me deparo com uma obra como essa. Valorizando ou não, se tivesse essa obra nas minhas mãos inexperientes em 2003, teria começado a estudar astrologia em alicerces sólidos o bastante para que deles eu não saísse nunca mais.

Livros bons, trabalho árduo (para obtê-los)  A astrologia praticada de forma mais aprofundada é um saber não tão popular quanto se pen…