Pular para o conteúdo principal

O infalível Doutor Topeiramato

Acabei de sair de uma prova de psiquiatria, e já estou (em tese) atrasado para uma aula.

Três professores aplicaram a prova. Um deles me faz rir mais que outros pois me lembra de algumas associações nonsense que criei dele.

Seu nome é Max, é baixinho, tem olhos verdes, cabelo de surfista e tem os dentes levemente protusos, dando o aspecto de toupeira engomadinha que pega onda em itacoatiara nos fins de semana.

Em suas aulas ele indicou muitas vezes o anticonvulsivante Topiramato como tratamento de transtornos de personalidade borderline, dentre outros, a ponto de eu associar indistintamente o remédio a pessoa.

Como ele tem cara de topeira, atribuí-lhe o nome de Doutor Topeiramato, e revelo esse furo cômico em primeira mão aos leitores, antes mesmo dos meus amigos e namorada (que também é amiga, ora!). Afinal de contas eles são também leitores do blog, e no momento em que escrevo esse post talvez sejam os únicos!

Doutor Topeiramato seria também um bom etiquetador de supermercado, pois é especialista em dar rótulos aos costumes em geral, distribuídos por categoria de transtornos classificados pelo DSM-IV e pelo CID-X . Quem tem blog, por exemplo, é potencialmente esquizóide: é que o esquizóide não gosta de se relacionar com ninguém e na internet adquire desenvoltura para construir um personagem.

Ele também é dono da pérola de que o borderline é bissexual porque nesse transtorno as pessoas não possuem uma auto-imagem bem definida. Até aí você não se assusta muito, mas então Topeiramato generaliza isso a todos os bissexuais, com o estamento de que "no fundo, bissexualismo não existe, ele está doente". Ora, o bissexual se define como bissexual, catzo! Espero que um psiquiatra não use isso como um critério dentre os famosos "Ao menos três desses sinais durante três semanas classifica a doença".

Não podemos levar Dr. Topeiramato tão a sério assim. Afinal de contas eu também, na situação dele, adoraria ser um showman e insuflar meu ego, que já não é pequeno. Fazer piadinhas, estereotipar as pessoas, tudo isso é muito divertido. Só espero que ninguém fique chateado com ele.

Eu mesmo, tenho um blog e nem por isso sou esquizóide. Um pouco ansioso e obcessivo, isso sim, confesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …