Pular para o conteúdo principal

Minha vida perante a medicina (Título alternativo: Plantaleão e os palm-tops)

Para definir minha posição quanto a minha escolha vocacional preciso assinalar aqueles que não se parecem comigo.

Não sou como Clementino Fraga Filho, que em uma entrevista concedida à equipe de História da Medicina da FioCruz revelou que nunca pensara em ser outra coisa.
Igualmente não sou como Aldir Blanc, que ficou indeciso entre a medicina e a música até o fim da faculdade, e no último período, largou. Eu me situo num limbo entre Crementino Fraga e Aldir Blanc. Gosto de medicina, mas me sinto impelido a um destino mais criativo.

Falando da minha postura na faculdade: não sou muito dado a eventos, congressos, porque acho isso dispensável para mim atualmente, enquanto sou estudante. Eu mal formulei os conteúdos básicos na minha cabeça ainda, quanto mais ir a congressos! Não vou muito a chopadas e encontros dos estudantes de medicina, porque sempre fui caseiro e minhas preferências não são muito coniventes com o gosto preponderante nessas reuniôes. Também não nutro antipatia por ninguém, trato a todos com simpatia e procuro ajudar caso precisem de algo que saiba fazer. Normalmente, eles é que me ajudam.

Irrito-me com modismos que bombardeiam a medicina e impelem as pessoas, de um modo irracional, a adquirir quinquilharias ou realizar sacrifícios em vão. Só durante os três anos de medicina que já fiz promoveu-se na minha turma a ida a congressos desnecessários, um curso de sutura, e agora há uma onda insidiosa de compra de palm tops! Felizmente não dinheiro o suficiente pra entrar nessas ondas.

Aos detectores de inveja: adoro tecnologia, gostaria muito de adquirir um palm top, mas acho que a tão falada, na medicina, "relação custo-benefício" só me dá motivos para postergar essa compra. Não é por falta de dinheiro: quando vemos que é importante um objeto, fazemos de tudo para adquirí-lo, nos endividamos, vendemos nossas roupas...

Uma coisa é certa: essa compra de parafernália, inserida nesse contexto que falei, é muito suspeita, psicologicamente falando. Parece uma tentativa de consumar a angústia de alcançar a excelência. Quem percebe a impossibilidade dessa tentativa, como eu já percebi, pula do bonde rapidinho.

Em um meio onde as pessoas deveriam ser mais sensatas, pela quantidade de informação disponível, entram facilmente em compulsões populares sem se dar conta.

Vai ver que é muita informação e pouca reflexão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …