Pular para o conteúdo principal

as preferências musicais de plantaleão

Adoro rock progressivo e psicodélico.

Importante diferenciá-los, porque o psicodélico antecede o progressivo, pra quem não sabe. (Vou fingir que ninguém sabe de nada, e assim darei meu ponto de vista...)

Tecnicamente falando, o progressivo possui músicas de longa duração (mais de dez minutos), com submúsicas incluídas dentro dessa música enorme, tal qual os andamentos de uma sinfonia. As "submúsicas" geralmente tem pouca relação. Aí que está: poderiam ser encaradas separadamente, se não fossem tocadas em conjunto. Essa é a impressão que tenho. Ainda assim, nota-se um senso de conjunto. Esses andamentos do rock, ao invés de se chamarem allegro e andantino, recebem nomes estranhos, como funky dung (esterco funk) e mother fore (focinho da mãe), a depender da imaginação da banda.

O psicodélico envolve sons variados, bizarros, combinações contrastantes obtidas de instrumentos como apitos e chocalhos (Bike), bem como o arranjo desorganizado das composições; os tons reunidos sem relação uns com os outros, às vezes um tom dissonante sucedendo um anterior, parecendo uma cadeia associada por alguém que teve uma brainstorm enquanto se entorpecia (Interestellar Overdrive). Mesmo as partes não dissonantes possuem um quê de transcendência. A idéia musical é de ultrapassar limites deprimentes e quotidianos, levando-nos a um estado de êxtase acachapante, para logo em seguida, sentirmos saudade desse êxtase (Flamming) . O amor é inalcançável como em Álvares de Azevedo, mas aqui dotado de um colorido alcalóide que transcende a melancolia (See-saw, Summer' 68).

É claro que os dois se interpenetram, vide Pink Floyd (recomendo Atom Heart Mother). Depois o progressivo vai deixando de ser psicodélico para ser eletrônico (muito teclado), rememorando peças de Bach. Recomendo a ausculta crítica de "Emerson, Lake & Palmer" (especialmente Tarkus). Essa última usa teclados que lembram os sons usados por músicos de empresas de videogame na trilha sonora de seus jogos. Para quem conhece ELP anteriormente a isso, não tem problema, mas pra quem conheceu primeiro o Nintendo, soa ridículo.

As músicas entre parênteses partencem à banda que mais admiro, Pink Floyd, com exceção de Tarkus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …